arquivo | Inteligência RSS para esta seção

Por que que os leste asiáticos, em média, são melhores para fazer testes cognitivos?? Como que isso pode afetar as suas capacidades criativas, em média, é claro. E mais alguns ”plus” sobre criatividade…

Porque eles são melhores na capacidade de concentração.

Redefinição de concentração = capacidade de isolar a influencia da personalidade ou constancia comportamental sobre a cognição. A capacidade de se separar uma da outra para atingir um estado de neutralidade/inércia de pensamento ou na focalização de certa tarefa.

Uma das razões para que os leste asiáticos se saiam, em média (e uniformemente), melhores na realização de testes cognitivos, provas escolares dentre outras tarefas cognitivas similares, se dá justamente por causa de suas maiores capacidades de concentração, que nada mais seria, tal como eu redefini acima, na capacidade de se isolar a personalidade da cognição.

Por outro lado, uma maior capacidade de concentração pode resultar também em uma menor ‘vulnerabilidade’ para a distração, que é um preditivo essencial para a ”incubação criativa”. Esta que se consiste na alteração (voluntária ou não) do estado mental na busca por percepções incomuns ou associações remotas. Outro fator é que as pessoas criativas tendem a construir um arcabolso de internalizações (real aprendizado) diversificadas de longo prazo, que se dão justamente por causa de suas constantes tendencias para ”distrações”. Outro possível complemento é de que os leste asiáticos, em média, por causa de maior conformismo, serão menos propensos a pensarem diferente assim como também a externalizarem seus pensamentos, em relação ao grupo. As vivencias de boa parte dos leste asiáticos não irá resultar em na construção de uma arcabolso de percepções variadas e internalizadas, a matéria prima para a criação intuitiva de ideias divergentes.

Quando nos concentramos, o fazemos por duas razões

  • para neutralizar o pensamento ou torná-lo inerte, isto é, indiferente em relação aquilo que está acontecendo ”lá fora”,
  • focar em um conjunto de assuntos restritos, como fazer uma tarefa repetitiva, que exige atenção a detalhes.

Os leste asiáticos, em média, são muito bons neste tipo de capacidade, se comparados a todos os outros grupos raciais.

Ao invés de nos perguntarmos apenas o porque de serem, em média, ”menos criativos” que os caucasianos europeus (ainda que, apesar de muitas evidencias, necessite de maior e melhor investigação), também se este (suposto/muito provável) déficit não pode ter reverberado positivamente em relação a outros aspectos, partindo daquele pensamento de toda perda tem consigo um ganho, muitas vezes, impensado.

A concentração se consiste também na aglomeração da atenção em relação a alguns pontos apenas, por exemplo, se eu te pedir para que olhe para um pião rodopiando e não tire seus olhos dele até que comece a perder a velocidade.

A ”incubação criativa”, parte de um estado de ”distração” ou de foco descentralizado, o completo oposto da capacidade de concentração. Ao invés de se focalizar um pião, voce o observa, mas também tudo aquilo que está acontecendo ao seu redor, o canto dos pássaros… e pode pensar em uma associação entre ambos, seja para construir uma poesia, tipo

”tal como o pião, incessante em seu movimento circular, 

abraça o canto dos pássaros, em um mesmo movimento de criar…”

Etapas para a construção da criatividade e o porque dos criativos e dos inteligentes de não serem geniais

A criatividade é preponderante e essencialmente relevante durante as primeiras etapas da criação de ideias divergentes. Primeiramente, durante aquilo que denomino de ”incubação criativa”, assessorada pela distração, dá-se a colheita (muitas vezes ”inconsciente”) de percepções incomuns que serão internalizadas pela memória emotiva e/ou de longo prazo e que serão úteis para a construção intuitiva de ideias divergentes e potencialmente úteis. A produção de associações remotas com este arcabolso de percepções, retidas a partir de vivencias constantes, também se consiste em uma atividade puramente criativa.

O desenvolvimento destas ideias, no entanto, exigirá muito mais da inteligencia, do que da criatividade, ainda que esta continue muito relevante durante todo o processo. Portanto, os criativos não-geniais, tenderão a produzir ideias divergentes, mas sem o ”acabamento” necessário que possam torná-las ”produtos de genios”, seja para as artes, a filosofia, a ciencia ou qualquer outra área. Em compensação, os inteligentes clássicos ou mantenedores de alto nível assim como também os solucionadores de problemas de alto nível (os quase-genios), que são naturais dependentes das criações dos genios, serão melhores no acabamento destas ideias. O genio é capaz de fazer os dois, ou seja, todo o processo do pensamento tipicamente humano, criativo, intuitivo, instintivo, reflexivo e construtivo.

o pobre e tolo branco nacionalista

A linguagem deveria nos servir, de maneira que quando a usássemos, pudesse ser eficiente na capacidade de compartilhar ideias, que são prelúdios das ações. No entanto, por causa da tendencia que parece ser muito comum, de se dar um caráter confusamente abstrato as palavras que não representam literalidades organicas ou materiais, a tarefa essencial da linguagem, ve-se bastante reduzida e menos capaz do que idealistas linguistas poderiam ter previsto.

Em um mundo complexo e propositadamente confuso, a verdade encontrar-se-á espalhada por todos os cantos. Sábios serão aqueles que, por força própria, conseguirem capturar estes nacos de sabedoria em cada um destes cantos, assim como também aqueles que, por puro faro instintivo, passarem a seguir a sombra destes sábios, porque saberão que estarão no caminho certo do supra-entendimento de quase todas as cousas, ao menos aquelas que estão ao alcance de nossas mãos.

A precisão dos termos bem como também do seu entendimento no uso das palavras, tornará a comunicação, muito mais rápida, coerente e precisa. Em relação aos seres humanos, ou para falarmos deles ou de seus desdobramentos biológicos naturais, costumamos usar de generalizações aforísticas, como por exemplo, ”a raça branca é a mais inventiva de todas as raças humanas”. Nesta frase, vemos a coletivização semantica de conquistas essenciais que na verdade, foram estoicamente desbravadas, apenas por uma centelha de indivíduos excepcionais. Ao darmos um caráter excessivamente coletivo a conquistas excessivamente individuais, ainda que estas, necessitassem de um ambiente, com o mínimo de segurança, liberdade… e uma variedade de genes apropriados para a manifestação do genio dentre outros virtuosos de valor, estaremos praticando a injustiça ao tirarmos destes indivíduos as suas conquistas, que se deram com base em sacrifícios, muitas vezes, em conluio com desequilíbrios existenciais provocados por perturbações mentais, o stress e a ansiedade de se verem sós em um mundo de estúpidos cheios de certezas, lutando contra a maré que teima em seguir em direção errada.

Quase todos os tribalistas agem desta maneira, porque ao coletivizarem conquistas individuais, estarão se aproveitando do trabalho alheio para se orgulharem, tal como se fossem eles que tivessem feito tal façanha.

As generalizações são apetrechos daqueles que pretendem coletivizar virtudes e conquistas. Poucas são as pessoas que rebatem com sabedoria e clareza de pensamento estes tipos de argumentações. Estou a vivenciar em um curto espaço de tempo, que no entanto pra mim, tende a se consistir em um grande período de vivencias e mudanças estratégicas de pensamento, o desmanchar do castelo de orgulho e ódio, ao menos em relação a minha própria perspectiva, que tem sido a base do pensamento reinante entre aqueles que se denominam como ”brancos nacionalistas”. Assistindo a rendição, até agora, de ”seu povo”, assim como também, o trovejar de uma futura reação igualmente dúbia em sabedoria, inteligencia e criatividade, reais, não apenas passei a me esquivar de suas pretensões que se assemelham a reação excessiva do organismo para matar invasores tal como acontece com a febre mas especialmente em doenças infecciosas altamente letais (e são letais, justamente por causa da reação desproporcional ou pouco cirúrgica do próprio corpo), mas também a criticar citricamente suas estratégias de ações e ou reações, sua ideologia e seus pensamentos.

Uma das razões mais contundentes para ter mudado de posição, se deu principalmente quando despertei para mim mesmo, ao aceitar-me do jeito que ”Deus” me fez. Isso mostra que somos como joguetes de nossos cérebros, especialmente quando podemos refletir sobre suas considerações mais instintivas.

Muitos sábios são organicamente ”anomalos” porque a anomalia pode se tornar em uma fonte natural de humildade asim como também de autoconsciencia. Portanto, quando se nasce com um palito menor, haverá uma tendencia, ainda que breve e estatisticamente relativa em robustez de tamanho correlativo, para se tornar menos egocentrico, ainda que isto não resulte em um bom uso desta ”janela de oportunidade” ou ”potencial”.

”No meu governo, eu vou tirar todas as suas liberdades e recriar Esparta, com um toque de Amishstão”

A maneira como que se comunica é de extrema importancia para o bom entendimento e a criação de laços recíprocos de identificação. Os ”brancos nacionalistas” já sabem que existe algo latente dentro da psique europeia que parece ser um dos principais canais para a invasão e domínio de tipos oportunistas de outsiders ou de grupos de fora. Os brancos europeus são um pássaro raro porque dentre todas as variedades humanas, eles são os que estão mais distantes da regra de ouro da espécie, o coletivismo. E justamente este individualismo, que os tornou tão poderosos enquanto coletividade biológica, perante as outras populações. Eu não conheço qualquer trabalho intelectual feito por espartanos, da mesma maneira que também não sei sobre qualquer explosão criativa por parte dos povos amish. Eu posso estar sendo muito tendencioso e precipitado, mas se ambos tivessem produzido qualquer coisa de valor, sob diversos ambitos da intelectualidade, então é provável que os livros de história já os tivesse mostrado, especialmente no caso de Esparta. Mas o que eu sei é que enquanto que a famosa cidade-estado grega era conhecida por ser uma sociedade extremamente rígida, a sua rival Atenas, por sua vez, se caracterizava por ser muito mais libertina e criativa, as comunidades amish também estão longe de serem inovadoras, ainda que não se deva desprezar as qualidades (relativas, isto é, que não são absolutas) de ambas.

No entanto, é justamente isso que muitos, senão a maioria dos brancos nacionalistas desejam. Sua plataforma de governo é a de fazer o ”Ocidente” retroceder 50, 60, 80 anos. Seus sonhos de consumo se baseiam na transformação de suas nações em versões brancas de Israel. São hipócritas** Claro que muitos deles não pensam assim e sejam talvez dos mais sábios dentro e fora do grupo a que pertencem, porque ao invés de pensarem em demolir o mundo moderno, este que não é tão ruim assim em muitos aspectos, eles gostariam apenas que houvesse maior parcimonia, especialmente no que diz respeito ao tratamento as populações europeias espalhadas ao redor do mundo. Israel está longe, anos-luz de ser um exemplo para qualquer nação. A ponderação e sabedoria, se ambas não forem sinonimos, nos dizem que devemos tomar qualquer tipo de atitude com base em conhecimento, de preferencia abrangente e empírico, que possa ser comprovado e que possa ser diplomático com todos aqueles que mereçam (e com suas doses devidamente repartidas).

A Aurora Dourada é um exemplo de estratégia analfabeta que tantos deles tem acatado. Com garotões fortões e suas feições pra lá de carrancudas, nervosos, falando palavras de ordem, os quase-facistas deste partido grego de extrema direita, conseguiram uma fração relativamente modesta de eleitores apenas com base em suas atitudes (quase) nobres, ao ajudarem a população grega que passa necessidades por causa da ”crise economica” (que como quase todas as outras, se consiste em um engodo desnecessário) vigente no país.

A maioria dos gregos (os ocidentais em geral) gostariam que a ”imigração” fosse controlada. Uma janela de oportunidades, visto que não se está lutando contra a maré, mas a favor dela. Mas como o pessoal de extrema direita não costuma ser muito bom no surf, então vemos a associação feita por eles (esperada e aguardada pela turma de Tavistock) entre ”controle da imigração” e ”volta da sociedade patriarcal” por exemplo.

Um genio político pensaria em associar (e esperar-se-ia, de coração, sinceramente), o movimento ”transgender” com a política de contenção da ”imigração de massa”. Seria um golpe de mestre!!

Por que que um genio político faria este tipo de associação??

Primeiro, porque quanto mais eleitores melhor (politicamente corretos + nacionalistas). Segundo, porque isso agradaria em cheio uma boa parcela da população, afinal de contas, demonstrar (mas especialmente, praticar) atitudes positivas, é sempre algo bom. Apenas insanos que votariam em um partido que é a favor por exemplo, da volta da escravidão. Uma das virtudes ”dos” europeus, ou especialmente, de alguns subgrupos deles, é justamente por suas capacidade de serem altruístas universais, isto é, que não favorecem de imediato o seu grupo racial, denotando ‘maior’ complexidade do pensamento (ainda que muitas vezes, resultará em algo próximo do sacrifício cristão literalizado).

O assistencialismo da Aurora Dourada não foi suficiente para conquistar a nação grega, não apenas por causa da propaganda negativa por parte da mídia (não apenas por isso), mas especialmente por causa dos discursos e ideias inflamados de ódio, generalizações e completa falta de tato psicológico com as pessoas. Não é de se admirar que partidos ultra-nacionalistas sejam tão fracos na conquista de corações e mentes e muitas vezes o tenham de fazer na base da força e não no convencimento ou inteligencia. Porque geralmente, os homens em geral já não costumam ser muito bons nesta capacidade. Novamente, são os próprios ”brancos nacionalistas” que depredam suas tentativas de alçar voo na empreitada ideológica, justa, que almejam desenvolver.

Deve existir uma predisposição, sinergia ou reciprocidade de ambas as partes para que possa haver uma relação.

”Os” europeus ou subgrupos deles, são mais propensos a serem vítimas de exploração emocional com base em seus fenótipos comportamentais que combinam instinto altruísta e falta de sabedoria cognitiva ou reconhecimento de padrões que são viscerais para a santa trindade da funcionalidade natural, sobrevivencia ou resguardo da vida, adaptação e reprodução, ainda que no caso da última, possa não se fazer sempre necessária, claro, que a nível individual, mas nunca a nível coletivo, a não ser se a coletividade for consideravelmente disfuncional e desarmonica (leia-se, eugenia negativa).

E o mesmo princípio de mecanismo sinérgico, de retroalimentação ou ”cooperação”, neste caso, negativo, está acontecendo com os brancos nacionalistas e seus líderes, que ao invés de investirem em plataformas políticas sábias, isto é, ponderadas, com todo o arcabolso de emoções e percepções que são expressadas e percebidas por nós humanos, eles se utlizam do azedume costumeiro que caracteriza qualquer movimento social constituído predominantemente por homens, com raiva e com vontade de controlar, ainda que o façam por razões justas. As razões são justas, os métodos não são e as possíveis consequencias também não. Eles não querem dissipar a injustiça que paira sob suas cabeças, começando pela melhoria espiritual e moral de si próprios, mas querem apenas ter ação e respeito ao empregarem as mesmas técnicas unilaterais grosseiras que predominam em todos os grupos.

Uma janela de oportunidades se abre para que as forças reacionárias contra os oportunistas alógenos, possa aprender com os seus erros do passado e de fato, melhorar substancialmente a sua abordagem reativa, principiando por aquilo que é mais importante, a preservação de sua raça. No entanto, ao invés de se libertarem do script previsto por uma junta de especialistas em comportamento humano, décadas antes, do jogo de prisão mental a que estão submetidos, naturalmente submetidos, os ”brancos nacionalistas” apenas repetem aquilo que foi imaginado por seus algozes. Isso mesmo, tudo isso foi previsto, inclusive a reação desmedida destas ”células brancas” em sua reação de defesa.

E ainda veremos uma grande parcela de ”inconformistas” contra a ordem vigente, defendendo a volta do cristianismo, que nada mais é do que mais uma invenção ideológica dos algozes dos brancos nacionalistas. Isto é, podemos resumir o pensamento deste grupo pela seguinte frase

”Vamos lutar contra o marxismo cultural judeu para defender o nosso cristianismo cultural judeu”.

Estava a procura de um vídeo em que um professor judeu, em alguma universidade americana, fala para uma plateia de estudantes euro-americanos sobre a ”completa estupidez” do ”seu povo”, isto é, os brancos caucasianos. De início, vejam voces, eu me senti insultado pelas palavras venenosas deste ser, que deveria estar trabalhando em prol da sociedade em que vive. No entanto, com o tempo, eu percebo que de fato até que ele não está tão errado assim.
Talvez, qualquer grupo humano sem os seus mestres da narrativa a lhe ditarem a sua própria história, ”coletiva” e individual, passarão como confusos e estúpidos tal como está acontecendo com uma importante parcela de euro-caucasianos, da Oceania até a costa peruana.

Novamente, o mau uso do termo ”lavagem cerebral” e um exemplo bastante elucidativo de como que isso se manifestaria literalmente….

amish socialmente liberais, ateístas e homossexuais??
Se voce, hipoteticamente falando, fosse um professor e pesquisador na área de psicologia comportamental e conseguisse transformar um grupo de homens amish, que são heterossexuais, fervorosamente religiosos e socialmente conservadores, no seu exato oposto, ou seja, em homossexuais, ateus e socialmente liberais, por meio de maciça propaganda audiovisual, associando a sua ”religião” (cultura dogmática) com o típico comportamento ocidental e urbano, mais extremo, especialmente em relaçao a homossexualidade, então voce poderia escrever em seu trabalho que conseguiu fazer lavagem cerebral neste grupo de pessoas selecionadas.
Hoje em dia, em tempos de liberalismo social e demo(oligo)cracia, acredita-se que a maioria dos ocidentais estejam sofrendo ou sendo vítimas de lavagem cerebral. Pode ser verdade que as táticas usadas pelos ”engenheiros sociais” se consistam de fato em técnicas de hipnotismo coletivo. No entanto, outros fatores também devem ser levados em consideração. Por exemplo, a capacidade mental média da população alvo e as suas suscetibilidades comportamentais inatas ou biológicas, isto é, que são o resultado de maior epigenética, além da carga genética, diretamente produzida pela concepção primordial, do pai e da mãe.
O caso da homossexualidade é interessante. A maioria dos teóricos políticos conservadores, acreditam que o aumento ou suposto aumento (o que também poderia ser, ”maior visibilidade”) dos casos de homossexuais assumidos, seja um produto direto da lavagem cerebral que está sendo orquestrada pelo estado, por motivações escusas e sinistras (ainda que não tire este mérito deles, a parte final desta frase). No entanto, eles estão se esquecendo que genes e ambiente tem um papel mais do que fundamental na modulação de certas tendencias, de maneira complexa. Por exemplo, o aumento da idade dos pais para constituírem famílias (que tende a resultar em maior carga mutacional na criança), mais um ambiente cultural aberto para a diversidade comportamental, podem estar tendo um papel para muitos ”casos’. Da mesma maneira, o aumento da obesidade na população, que costuma ter como resultado, a redução do testosterona em homens e o aumento do mesmo em mulheres, em média, também podem ter um papel no aumento de casos de homossexuais, que por causa da cultura menos ranzinza a este estilo de vida, se tornam mais confiantes para ”se assumirem”.
Portanto, a conclusão ”lavagem cerebral” não parece fazer muito sentido para explicar este contexto (e vários outros).
Para que se possa diagnosticar como lavagem cerebral, deve haver uma modificação abrupta ou significativa do comportamento, de maneira que, processos naturais (predisposição ou estupidez, aceitação cega da narrativa imposta) não possam ter sido os principais vilões de tal situação.
Algo pouco provável que vá acontecer  é justamente o exemplo acima, dos amish. Primeiro, em relação a possibilidade de que uma universidade se sujeite a este tipo de estudo altamente imoral e arrisque sua integridade metodológica (momento de risos nesta parte, porque a tal integridade científica não parece ser uma constante, especialmente em termos morais, se temos cobaias humanas e não-humanas sendo usadas e descartadas, de maneira cruel). Segundo, pela igual improbabilidade de que qualquer grupo de amish ou de outros tipos super religiosos, pudessem aceitar a se sujeitarem a este tipo de experimento. Terceiro e último, ainda previamente especulativo. A possibilidade hipotética de que os amish possam modificar completamente o seu comportamento habitual, apenas para se adaptarem a ”religião” amish, ultra-reformada. Se isso acontecesse, minha aposta, seria de que a maioria destes homens se desligariam da ”religião”, ou mesmo, fundassem uma nova ceita, que preservasse os antigos preceitos. Aqueles que aceitassem, é provável que modulariam suas predisposições mais escondidas com o novo ambiente cultural.
Mas então por que que tantos ocidentais estão acreditando nos memes culturais da narrativa dominante tal como ”não existem raças humanas**” ou ”somos todos iguais”.
Primeiramente, é importante nos perguntar, qual que seria o real número ou percentual de ocidentais que acreditam de coração nestes memes. Claro que estou me referindo aos ”ocidentais nativos” ou de origem predominantemente europeia. Se de fato, tivermos um percentual estatisticamente robusto, isto é, com grande, gorda amostra de pessoas que foram questionadas, então nós poderíamos ter maiores certezas quanto a isso.
Suscetibilidades para internalizarem os memes culturais modernos, parecem se dar por duas vias
– estupidez na capacidade de interpretação da narrativa oficial + preguiça intelectual para investigação espontanea e pessoal + déficit na capacidade de capturar a imagem maior, o contexto, ”aquilo que importa” e relativismo niilista ou falta de idealismo, especialmente em relação ou em direção a ”oposição contextual” que é conservadora ou ”oposição natural” a favor da sabedoria prática e literal (que poderia ser resumido como ”psicologia e/ou cognição de gado),
– predisposições comportamentais contextualmente específicas (tal como no caso de ”se assumir” homossexual em tempos de desfiles coloridos por grandes cidades).
”Os” ocidentais estão sendo vítimas de lavagem cerebral??
resposta correta mais provável
Sim, parcialmente, porque técnicas de propaganda como repetição de frases populares de efeito como ”somos todos iguais” estão sendo empregadas diariamente por meio da mídia.
No entanto, não são todas as pessoas que estão modificando radicalmente o seu comportamento, mas apenas alguns grupos que, por meio de um ambiente mais aberto, estão decidindo se mostrarem do jeito que vieram ao mundo, não em termos literais, mas bio-culturais. A enfatização também tem um efeito. Antes, a família era o centro das atenções nas sociedades ocidentais. Hoje, são ”os” homossexuais, ”as” minorias étnicas, ”os” desajustados, que tomaram ou que foram colocados como exemplos morais a serem seguidos. No entanto, o alcance da narrativa é limitada, e sempre haverão pessoas que serão blindadas em relação a certos memes, mas não em relação a outros. Os memes culturais podem e parecem funcionar como chamariz, como um convite para assumir ou internalizar uma nova rotina de comportamentos que, por inúmeras razões, estavam sendo mantidos dentro de si, sem serem externalizados. O mundo humano é muito complexo. Por exemplo, a falta de mulheres para manter relacionamento, podem fazer com que alguns a muitos homens, se utilizem da máxima ”quem não tem cão, caça com gato”, e mantenham relações sexuais com outros homens. Muitas vezes, serão a vontade e a oportunidade que falarão mais alto (o mundo humano é complexo, mas tão pragmático quanto o ”mundo animal”. E neste exemplo, o pragmatismo parece ser mais importante para servir como explicação do que a complexidade dos ambientes sociais humanos, 😉 ).
Para terminar este texto, volto a repetir que, para que haja de fato, lavagem cerebral, existe a real necessidade de modificação abrupta do comportamento por causas não-naturais ou artificiais, em outras palavras, apenas em ambientes hermeticamente fechados, secretos ou fora da vigilancia da ética profissional, que se poderá modificar completamente o comportamento de um indivíduo ou de vários deles, apenas por propaganda. O que a propaganda tem causado aos ”ocidentais” é justamente a confusão mental, advinda da falta de sincronização ou coerencia correlativa entre aquilo que se ve e que se entende instintivamente, daquilo que está sendo dito que é, claro, com um queijo suíço de buracos de múltiplas exceções.
A estupidez das massas, isto é, de uma boa parte das pessoas, que tendem a ser
– intelectualmente mediocres,
– intelectualmente preguiçosas para evitar a mediocridade,
– energicamente extrovertidas para socializarem o máximo possível, sem se questionar se muitas das diretrizes impostas estejam corretas.
… é uma das causas principais para a sua letargia habitual.
Predisposições comportamentais e a capacidade humana de se adaptar a contextos impostos por seus ”superiores” (o equivalente ao fazendeiro de ”A revolução dos bichos” de George Orwell), especialmente em relação aos grupos que estão comportamental e também, implicitamente predispostos, amplia a ideia de que a lavagem cerebral seja muito efetiva, quando na verdade, está sendo utilizada para outras finalidades.
A ideia de lavagem cerebral se assemelha a da educação, onde que os princípios igualitários absurdos da filosofia revolucionária, desde a queda da Bastilha, que nos tratam como uma massa indissociável e essencialmente oca, preconizam que a causa para as nossas falhas, sejam inerentemente exteriores, porque ”seríamos” oprimidos (que está correto, mas nem tanto) enquanto que a minoria abastada seria de opressores. De fato, somos oprimidos, muito oprimidos,  e existe uma minoria opressora, mas também existe uma reciprocidade, onde que nossas tendencias para a estupidez, nos tornarão vítimas ideais para qualquer forma de opressão, porque quem não entende a realidade, está passível de manipulação, desde as mais sofisticadas até as mais tolas.

O que que testes de qi tem a ver com tirar leite de vaca??

Testes de qi ”aculturais” se utilizam da mesma técnica de mensuração de capacidade que é praxe nas escolas. Em outras palavras, eles medem a capacidade na realização de tarefas cognitivas que o sistema  exige (e geralmente, a maioria, se não, todas as sociedades humanas exigem, em maior ou menor grau) ou a capacidade de oferecer trabalho.

A inteligencia humana, é óbvio que não se resumirá a testes cognitivos, porque como eu já disse aqui, eles são estáticos, isto é, mensuram parte do intelecto humano em um mundo que não está movimento (e estamos a todo momento em movimento, sem levar em consideração os tetraplégicos dentre outros tipos), a partir de critérios mais ou menos neutros, como a sequencia de números ou o tempo de reação, mas que não são aplicados a contextos reais. De fato, se quisermos avaliar a inteligencia humana, devemos principiar pela

  • capacidade de detectar padrões (entender a realidade)
  • capacidade de aprendizado (uma versão sofisticada do reconhecimento de padrões)
  • capacidade de memorizar e de ser eficiente no uso deste arcabolso de conhecimentos.

Principiar e não finalizar. Se alguém é muito bom no reconhecimento de padrões em um teste de qi, isso não significa que será igualmente bom para reconhece-los em um contexto, em um mundo real.

Todos eles devem ser contextualizados, mas não apenas isso, porque não basta mensurá-los a partir de um contexto específico, porque são muitos. Seria e é interessante que o façamos também a partir de um não-contexto ou contexto neutro, isto é, universal. Ou mesmo, um contexto fluido. Eh verdade que queiramos ou não, tenderemos a responder de acordo com que as circunstancias se apresentam pra nós, assim como também, a partir de nossas tendencias mais instintivas, mais agudas de respostas, especialmente se não estivermos cientes da necessidade da reflexão ou crítica do pensamento (lembrem-se, nosso cérebro analisa, precisamos rebater as suas análises se quisermos de fato começar a pensar por conta própria). Mas isso não significa que o ser humano se consista em um ser que é essencialmente moldado por suas vivencias, ainda que o faça em muitos aspectos importantes. A vivencia existe, porque é captada e porque é um produto neuro-cultural de nossa autoconsciencia. Mas a sua existencia não é uma prova de que sejamos como um corpo-mente vazio de substancia biológica, que precisa interagir com o seu meio para que possa existir, por si mesmo. Isso não faz sentido.

Para escravos ”e” trabalhadores inconscientes (Porcamente assalariados), mede-se a capacidade de oferecer trabalho. Eh útil pra que?? Da mesma maneira que se mensura a capacidade cognitiva ou biológica na possibilidade de oferecer qualquer utilidade em animais domésticos. O ser humano não pode dar leite (sem piadas de cunho sexual por favor) como as vacas, mas pode ser usado enquanto uma espécie (muito) cognitivamente prodigiosa, ou seja, em proveito de suas capacidades intelectuais. Ele pode ser usado e é importante frisar isto.

Mas este uso é baseado em honestidade, um acordo mútuo, entre patrão e funcionário??

Tal como eu sugeri em um texto anterior, em animais ”selvagens”, mensura-se a sua capacidade de sobreviver e/ou ”se” adaptar a um determinado ambiente. Em compensação, em animais ”domesticados”, mensura-se a sua capacidade de se sujeitar as ordens de superiores ou na sua capacidade de oferecer trabalho de qualidade. A inteligencia do cachorro doméstico se dá com base em sua capacidade de resposta a bola que está sendo jogada a sua frente ou a de passar por todos os obstáculos em um concurso tolo de pessoas tolas. Também se mensura a sua capacidade de ler as intenções de seus donos e de acatá-las, quando possível.

Mas e a sua capacidade de sobreviver sozinho, de ser livre???

Os seres humanos que estão muito amalgamados pelo conforto e segurança da civilização, mas que também foram sendo selecionados para serem mais mansos, perderam as suas capacidades para solucionar problemas reais que se relacionam com a suas próprias sobrevivencias. Se tornaram demasiadamente especializados e perderam a capacidade de pensamento holístico, isto é, crítico, objetivo e transcendente. O ser humano domesticado é demasiadamente preguiçoso para pensar por conta própria, mesmo quando não parece haver a necessidade de pensamento profundo. Por exemplo, eles são tão preguiçosos, que raramente se questionam sobre as notícias que estão sendo diariamente despejadas em suas mentes.

A neutralidade contextual ou real da mensuração da inteligencia humana, parece ter um viés político subliminar ou que ainda não foi percebido por boa parte das pessoas que se dedicam a esta enfatização intelectual, isto é, a inteligencia (pressupõe-se). Ao menos em termos de inteligencia a partir de uma perspectiva qualitativa e evolutiva, o contexto artificial da sociedade em que vivemos, determina conceitualmente o ”mundo real”, isto é, pagar as contas em dia, trabalhar, casar, interagir com as pessoas ao redor, etc… Mas o mundo real, ainda que também seja o mundo criado pelos humanos, é, especialmente, aquele que está independente de nossos caprichos culturais de massa. E nós também somos reais, e ainda mais reais, quando nos vemos separados desta artificialidade.

Portanto, quando separamos a cognição da personalidade, e principiamos a análise (daquilo que restou) da inteligencia, a partir de um conjunto de obrigações técnicas, memória, tempo de reação, capacidade de aprendizado e de interação social, PARA atender perfeitamente os ditames que são enfatizados pelo sistema, nós não estaremos mensurando a mesma de maneira abrangente e objetiva, mas especialmente a qualidade do trabalho que o homem pode oferecer ao sistema, a partir de critérios lógicos de cognição, mas sem a personalidade como influencia, inclusive na construção do caráter, se o sistema precisa de uma massa acrítica, conformista e tecnicamente eficiente para que possa continuar com o seu reinado de Ciudad de Lagado.

O que leite de vaca e testes de qi tem em comum??

A métafora das migalhas de pão do clássico João e Maria para falar um pouco sobre o pensamento racional

Depois de algum tempo de experiencias em debates pela internet eu tenho chegado a algumas conclusões quanto aos padrões de similaridade e discordancia entre os tipos de argumentos e/ou pensamentos. A memória não serve apenas para memorizar mas também para ser acessada quando for necessário, isto é, manipulada, para que possa ser útil em algum momento durante a colmeia de argumentos em um debate qualquer ou para qualquer outra atividade na vida real que exija o uso da inteligencia (cognição + personalidade).

Migalhas de pão de João e Maria

Isso se assemelha metaforicamente (ou não) a construção de um pensamento racional, lógico, coerente e com uma estrutura que é fácil de ser entendida. A construção de um pensamento se assemelha a construção de uma casa ou a um trabalho academico, uma monografia.

Então, pensemos….

nós temos milhões de estudantes universitários espalhados ao redor deste planeta, que fazem suas monografias sem ter pensado que sua estrutura lógica e simples, não se limita apenas À mesma, mas também a tudo na vida, incluindo aí na construção de argumentos. Deve haver uma coerencia de longo prazo.

Quando começamos a debater e especialmente em debates longos, tendemos a nos esquecer daquilo que falamos no início. E a pessoa que for mais aguda neste déficit, será ainda mais suscetível de se contradizer, sem ao menos perceber, especialmente em debates acalorados.

O pensador racional e coerente (se os dois adjetivos não são sinonimos mútuos) está sempre buscando por informações que utilizou em etapas anteriores de um debate ou na criação de textos científicos ou filosóficos. A interação entre as ideias de diferentes micro-períodos cronológicos do debate é intensa. E o pensador racional brilhante se destoará não apenas por ser vigilante quanto a própria suscetibilidade de contradições mas também em relação aos oponentes.

O pensador racional e coerente pode voltar até aos seus primeiros argumentos de um debate qualquer e tenderá a estar sempre reutilizando estas ideias.

Se pode voltar ao início então pode fazer como João e Maria e seguir as migalhas de pão que usaram para demarcar o caminho percorrido.

Debatedores irracionais e incoerentes entram em contradição a todo momento. São desorganizados e parecem utilizar suas argumentações apenas para vencer os duelos verbais, de maneira pragmática, ao invés de defender aquilo que não apenas acredita mas que tem certeza de que está predominantemente correto. No entanto, as pessoas que são predominatemente estúpidas não podem saber com requintes de precisão se seus argumentos estarão predominantemente certos ou errados. Elas sempre partirão de que estarão plenamente corretos. E é comum também vermos uma ”coincidencia” entre o pensamento dominante e os argumentos destas pessoas. Parece claro que para qualquer forma de totalitarismo unilateral, estas pessoas defenderão aquilo que é do ”senso comum” e não aquilo que é fundamentalmente correto/certo.

Suas estratégias são de curto prazo. Quanto mais irracional for o indivíduo, maior será a tolerancia ao pensamento contraditório. E aí, é importante diferenciar a ambiguidade que caracteriza as múltiplas perspectivas, da contradição.

As múltiplas perspectivas se consistem na análise multidimensional da fenomenologia, de qualquer natureza. Portanto, aquilo que está certo em uma perspectiva, pode não estar certo em outra, em um mesmo assunto.

Por exemplo, ‘‘ a homossexualidade é uma abnormalidade. a homossexualidade é natural”.

Ambas as sentenças estão certas, para as suas respectivas perspectivas comparativas. De fato, se compararmos a homossexualidade com a reprodução, a essencia para a continuidade natural da vida (sexuada), a mesma se consistirá em uma abnormalidade. No entanto, isso não quer indicar que não poderá ser natural, porque se consiste em um espectro de fenotípicos similares e fundamentalmente identicos em suas atribuições mais enfáticas, isto é, a predisposição de longo prazo para o engajamento no relacionamento homossexual, que por sua vez se localizará dentro de um espectro ou variação maior de sexualidade. Eh abnormal porque se fosse a regra, não existiríamos ou seríamos uma espécie muito menor em nossa demografia (ufa!! isso é bom!!). Eh natural porque está dentro da variação sexual humana, assim como também em outras espécies.

Contradição seria analisar as duas sentenças sobre uma mesma perspectiva ou de maneira unilateral. Por exemplo. ”Os homossexuais são anormais e naturais”. Mas, supostamente, naturalidade seria o quase-antonimo de abnormalidade. Aí no caso, talvez fosse preciso usar o termo ”paranormalidade” ‘ou’ ”impossibilidade” para que pudesse fazer mais efeito. Outro exemplo, agora em relação a contradição com base em enfatização unilateral ou dualista. ”Os homossexuais são anormais porque o sexo é (apenas) para procriação”.

Bem, então, o beijo, o sexo anal e o sexo oral e mesmo o sexo heterossexual recreativo, também deveriam ser considerados como anormais. Não é??

Todos os tipos de argumentações assim como também de macro-ações ou diretrizes verticais ou hierarquicamente impostas, derivam da moralidade subjetiva ou contextual.

A tolerancia pela contradição conceitualmente correta e que não se consiste em qualquer produto analítico das múltiplas perspectivas, tem grande serventia para psicopatas, lunáticos, especialmente do tipo narcisista estúpido ( o trivial idiota útil) e para o estúpido clássico. E se queremos melhorar a sociedade, então devemos começar a parar de tolerar as contradições que quase sempre serão potencialmente danosas a nós e a tudo aquilo que nos envolve, em nossas respectivas empreitadas existenciais involuntárias.

Qi e mundo real, analogias interessantes

Será que as pessoas de maior qi serão mais propensas a entender o mundo, literalmente, tal como realmente é ou está??

Será que as pessoas de maior qi serão mais rápidas para encontrar problemas e contradições, em seus respectivos cotidianos mas também em relação ao contexto social maior em que estão encapsuladas?? (e não apenas no seu ambiente de trabalho).

Será que as pessoas de maior qi tenderão a analisar corretamente cada notícia, em tempos de ”big mídia”, a que estão sendo expostas, para fazer jugalmentos corretos??

Este tipo de questão poderia ser aplicada ao mundo real?? Representa o mundo real??

No mundo de hoje, fala-se muito em teorias de conspiração. Algumas beiram ao ridículo, como os lagartos alienígenas de David Icke (ainda que, nunca se sabe… até agora, a meu ver, as chances de que esta teoria esteja factualmente correta, pareça se situar em torno de 2%…. Novamente, grandes chances de estar errado, mas minha mente não pode  simplesmente jogá-la na lata do lixo sem esperar por próximos capítulos).

Outras não são sequer teorias, porque se consistem em fatos, só que são politicamente incorretos. Por exemplo, costuma-se agregar (ou, as pessoas são direcionadas para esta ação) a teoria dos reptilianos com a ”conspiração dos judeus para o domínio mundial”. Tem até um desenho, os ratinhos Pink e o Cérebro, que elucida de maneira simples esta ”teoria”.
😉
No entanto, ”conspirações de grupos” acontecem a todo momento!!! Especialmente em sociedades tribalistas. Conspirações são a técnica fundamental para se fazer política nos dias de hoje e talvez, desde sempre. A competição entre famílias e indivíduos, nos ambientes de trabalho, no ambiente familiar, em todos os lugares, tende a se dar com base em pequenas ”conspirações”, em blefes. Mentimos, mentimos muito, consciente e inconscientemente. Apresentamos o que temos de melhor durante nossas interações interpessoais ou sociais e a maioria, joga pra baixo do tapete, aquilo que ”não lhes convém”.
No entanto, uma grande proporção de pessoas das quais  identificamos como ”mais inteligentes”, rirão da sua cara quando lhes disser que acredita em um ou duas ”teorias de conspiração”, que não são realmente ”teorias”, mas que foram propositalmente colocadas no mesmo rótulo para serem desacreditadas.
Em um mundo ”ideal” (ou forçadamente ideal), os mais inteligentes deveriam superar os medianos e os menos inteligentes em todos os quesitos que estão diretamente relacionados com o básico da existencia
-sobrevivencia
-adaptação
-reprodução
Mas eles não fazem. Se a idealização da inteligencia, tal como a conhecemos, não está funcionando, então devemos pensar qual que poderia ser a razão para esta situação, onde que aqueles que são premiados com status intelectual a partir da ”meritocracia” moderna, não são, em média, capazes de entender o mundo em que vivem e de agir com base neste entendimento, ou seja, o básico da existencia!!!
O meu palpite é que a inteligencia, que é parcialmente capturada em testes cognitivos, não leva em consideração a influencia da personalidade. Talvez fale disso separadamente em outro texto, com novos desdobramentos (eu gostei desta palavra, rs), mas por agora, eu vou dizer aquilo que tenho desenvolvido sobre o assunto. A personalidade é a constancia comportamental enquanto que a inteligencia, é a interação da parte técnica, cognição, ou seja, de nosso cérebro, de nossas capacidades puramente cognitivas, em relação a ”personalidade”, que literalmente falando, se consistiria na consciencia corporal semantica e sinestésica ( com base em fatores hormonais, fisio-cerebrais, corporais, etc) e que por sua vez, estarão acopladas para a interação com o mundo de fora. Nossa clausura natural. A inteligencia, portanto, é uma resposta a problemas (se quiser enfatizar por este prisma) ou a busca por soluções, que se faz com base na interação ”cognição + personalidade”. Personalidade é constante, internamente variável ou plástica, que chamamos de temperamento e ou comportamento, ainda que não sejam os mesmos, porque o temperamento desemboca no comportamento (o temperamento externalizado, literalizado), tal como os rios que desembocam em oceanos. A cognição, é a nossa capacidade mecanica ou cerebral de responder a uma multitude de eventos das mais diversas naturezas, ao passo que a inteligencia é o uso integrado de ambas, cognição e personalidade. Em estado de descanso, todos nós podemos usar nossas capacidades cognitivas mais ”puras” ou de natureza técnica. Mas geralmente, por causa de nossa constancia comportamental ou personalidade, ao ficarmos diante de uma bateria de testes cognitivos, seremos modulados pela interação da mesma sob a cognição.
Seria interessante pensar se não poderia existir uma espécie de sincronização de cognição e personalidade e se isso não poderia se localizar dentro do espectro da sabedoria.
Os testes de qi, segundo os seus maiores entusiastas, são a representação fidedigna de inteligência e portanto, pessoas com grandes pontuações no mesmo, serão capazes de aplicar este conhecimento, especialmente a partir do fator (psicométrico) g, ou capacidade para encontrar padrões, no mundo real. Em outras palavras, os psicometricamente inteligentes terão menor chances de cometer erros em suas análises do que os demais. Mas isso não parece estar acontecendo. Na verdade, parece que os mais inteligentes, segundo estes critérios, são em média, mais propensos, não apenas a cometer estes erros mas também a compartilhá-los via hierarquia sócio-cognitiva, muito semelhante à fictícia república de Lagado.
Os psicometristas, ou, boa parte deles, interpretam o conceito de ”mundo real”, com base em suas próprias perspectivas de ”seres contextualmente adaptados”, que nascem premiados com o tipo ideal de interação cognição+personalidade e que terão grandes chances de passarem com louvor pelas etapas meritocráticas unilaterais (confucianas) que o sistema construiu. Em suas cabeças, a partir do momento em que as pessoas de maiores capacidades psicometricamente cognitivas, forem melhores, em média, na adaptação ao contexto moderno e ‘civilizado” em que estão, então isso significará que a mesma analogia também poderá ser aplicada a todo resto. O mundo real para essas pessoas não é principiado pela  observação por todos os poros da relação ”homem e meio”, mas fundamentalmente, pelo  homem, em sua capacidade de oferecer trabalho de qualidade ao sistema. Eh como mensurar a capacidade de uma vaca de produzir leite ou de um boi de produzir ”boa carne”, não se está analisando inteligencia, em todas as suas perspectivas, mas a capacidade de ”formigas operárias” para atenderem ao sistema a que estão (sendo) subjulgadas. Este tipo de análise parte de uma série de pressupostos
– a inteligencia é apenas uma tendencia para respostas mecanicas que estão diretamente relacionado com o trabalho industrial ou ”atividades repetitivas”, que são requeridas pelo sistema,
– portanto a inteligencia não é uma constante, em igualmente constante interação com a personalidade,
– personalidade não influencia a cognição, ‘porque são dois elementos conceituais separados’ (a personalidade não é parte da cognição).
Será que a maioria de nossos gênios psicométricos são realmente capazes de entender o mundo, principiando pela capacidade de adaptação e/ou sobrevivencia??
Então vamos agora imaginar alguns exemplos retidos dos testes de qi, dentre outros testes psicométricos, só que aplicados na vida real
Sequências de números
0,1,3,6,10
Objetividade
Mesmo em uma ilha deserta, existem inúmeras distrações que poderão custar a vida daquele que habita este local hipotetizado. Portanto, há de se principiar por uma clara objetividade de ideias, ideais (ideias futuristas, que poderão ser transformadas em ações construtivas de longo prazo), ações, de curto a longo prazo, interpretações semanticas e ações. Quanto mais claras, precisas e abrangentes forem todas essas particularidades, maior será a capacidade de se mitigar perigos em qualquer ambiente.
 Vivemos em um labirinto mental. Pressupõe-se que ”o mais inteligente”, a partir desta perspectiva ou sabedoria, será também o mais apto para perceber a realidade que se encontra escondida.
Exemplo de aplicação do reconhecimento de padrões lógicos no mundo real a partir da tal ”teoria de conspiração sobre a dominação mundial de um certo povo”.
Algumas dezenas de milhões de pessoas que estão cultural e geneticamente relacionadas, ”dominam” (isto é, sua ínfima elite) a maior superpotencia de nossa era e por tabela, o resto do mundo.
”Para saber quem te governa, voce precisa  descobrir quem você não tem permissão para criticar” Voltaire
Este grupo, também detém o poder em todas as demais nações ocidentais mais poderosas e ainda em relação a superpotencia da atualidade, ”a mais poderosa”, esta tem grande influencia no resto do mundo, por causa dos meios de comunicação modernos e também por sua exuberancia suavemente totalitária.
Alguns amadores debatedores lhe perguntará ”como pode ser possível que uma população tão pequena, possa ser capaz de dominar uma nação de 320 milhões de almas”**
Ou é desonesto (isto é, sabe da verdade mas prefere esconde-la e negar diante de ti que concorda com os seus pressupostos), ou é estúpido e por causa do seu ”preconceito” (negativo), prefere defender aquele que está acusando de fazer isto ou aquilo (claro, menos o homem branco, este voce pode depenar a vontade).
Apenas fale sobre padrões hierárquicos, que não há a necessidade de domínio de cada pedaço de um país para dominá-lo, basta dominar os pontos mais hierarquicamente importantes. Por exemplo, voce não precisa ter o controle de cada pedaço do Brasil para dominá-lo, basta dominar as principais metrópoles (São Paulo e Rio de Janeiro) mais a capital federal, para que possa ter o controle de quase todo o território, ainda mais em tempos de globalização, onde tudo está mais conectado.
Associações verbais ou semânticas
”baixas taxas de natalidade nativa está para redução populacional nativa assim como imigração de massa está para substituição demográfica”
ou
”islam está para intolerancia assim como liberdade está para ”viver em um ambiente sem a tal religião da paz” ”.
Mundo real, contextualizado.
Para falar sobre os dois temas acima, ou melhor, para entende-los, existe a necessidade mínima de se ter real conhecimento em
– demografia
– estatística básica
– história
– pensamento lógico-dedutivo
– pensar na mãe e na sua própria liberdade.
Apenas pelos discursinhos de prezinho que predominam nas ”humanidades”, especialmente sobre o segundo exemplo, pode-se perceber que a relação entre ”capacidade de associação semantica ou verbal a partir de uma perspectiva real” e ”maiores pontuações em testes de qi verbal”, não parece ser assim tão significativa, se em cada departamento de ciencias humanas nós vamos encontrar uma quase unanimidade em relação aos pressupostos docemente totalitários que se consiste o pseudo-socialismo coletivista oligárquico.
Inteligencia não é apenas cognição… que não é apenas qi.
Os hormonios também podem estar tendo um grande papel para a castração voluntária de muitos destes ”humanistas”. Eles só querem um mundo melhor, mas seus hormonios, os impedem de conseguir visualizar de maneira coerente este tal ”mundo visionário de igualdade e properidade coletiva”.
Tempo de reação
O tempo de reação se relaciona guturalmente com
– capacidade de se antecipar a ocorrencia de problemas, diga-se, que em sua maioria serão estúpidos,
– capacidade de se praticar justiça ou evitar a injustiça,
– múltiplas utilidades cognitivas como ser ágil em debates,
– capacidade de sobrevivencia.
Exemplo das eleições no brasil
Ainda existem muitos seres delirantes que continuam a acreditar na inocencia candida do desgoverno atual que imola este país, que é desgraçado desde o nascimento. Em outras palavras, o lobo já lhe mostrou que deseja comer a sua carne fresca e gorda. Já disse pra que serve o seu nariz grande, suas orelhas de abano grandes, sua boca grande, suas mãos peludas e grandes, e já está afiando o garfo, babando e olhando com cara de psicopata pra voce. E, só pra não perder o hábito de ser sacana, o lobo ainda está lhe fazendo cair em confusão ao afirmar que não pretende fazer aquilo que seu próprio corpo está sinalizando, está dizendo.
 
se olha como prostituta, se veste como prostituta, ganha dinheiro com sexo, então é o que??
Muitos ”genios psicométricos”, pelo que está parecendo, não costumam ser muito bons na hora de reagir. O fazem em um sala fria, quando tem um conometro ao seu lado, que está sendo manuseado por um psicólogo. Em um mundo real, onde pensamentos e ações tomam forma real, impactam pessoas ao redor e mesmo em outros continentes, o fulaninho genial é mais lerdo que uma tartaruga de greve.
tempo de reação ainda para
contradições
‘é socialista mas gosta de tomar caviar”
quer igualdade. mas usufrui da desigualdade.
Isso deveria ser simples.
Se diz que é uma coisa, mas faz outra, então isso se consiste em uma clara contradição e deveria ser motivo de repúdio, no mínimo, para começo de conversa, por pessoas que são verdadeiramente racionais.
E as diferenças entre estar adaptado e/ou de ser cognitivamente inteligente (mas não em termos de personalidade) e de ser adaptável
Os ”mais adaptados” são conscientemente melhores para o ato de se adaptar ou modular o comportamento para aderir as exigencias ambientais??
Não.
A maioria daqueles que ocuparão posições laborais confortáveis em ”nossas” sociedades ”modernas”, já terão um belo de um empurrão por parte da ”mãe”-natureza ao nascerem contextualmente perfeitos para seus respectivos macro-ambientes sociais. Eh como se fosse um animal não-humano que estivesse perfeitamente adaptado ao ambiente onde vive, ao seu hábitat. Portanto, quando ”é o ambiente, que por um sopro de sorte, ”te seleciona” ”, isso não se consistirá em uma qualidade reativa, isto é, uma capacidade, mas uma vantagem apessoal, que lhe foi dada pelo novelo de circunstancias favoráveis.
O talento ao nível do genio para a adaptação, independente dos contextos naturais que se apresentarem, encontrar-se-á fortemente presente em
psicopatas de alto funcionamento
e
sábios.

Pensar com a mente e pensar com o cérebro

Pensar com a mente = releitura do pensamento

Metáfora da velocidade do objeto para explicar a reflexão do pensamento
Velocidade mais fraca do pensamento, causada por baixa internalização, não provoca o ”ricocheteamento” do mesmo e portanto se consistirá em um pensamento parcialmente reflexivo.
Metaforicamente falando, imagine que vc está dentro de uma sala em formato quadricular e hermeticamente fechada, e a sua frente tem uma parede muito dura. Então, vc pega uma bola de tenis e a lança em direção a esta parede. Dependendo da força com que joga, a velocidade poderá fazer a bola voltar em sua direção. Força e velocidade fortes, resultarão na volta da bola, e se forem muito, muito fortes, então a bola ricocheteará pela sala, tal como se estivéssemos em um jogo de squash. Força (motivação intrínseca) e velocidade (capacidade cognitiva específica para o domínio hipotético) determinarão se haverá reflexão do pensamento ou não. Quanto mais fortes forem a motivação intrínseca e a capacidade cognitiva específica, maior será a complexidade e entendimento do pensamento, porque, partindo de uma lógica intuitiva, quanto mais vezes voce olhar para o mesmo objeto de estudo, mais detalhes voce irá encontrar.
As pessoas neurologicamente comuns, principalmente, tendem a pensar com o cérebro. Mas todos nós fazemos isso não é* Sim, mas elas irão parar por aí, enquanto que outros irão duvidar do próprio cérebro ou de suas conclusões. Em partes, quando revisamos nossos pressupostos ou quando construímos nossas-novas pontes de entendimento sobre um determinado ramo do conhecimento humano, estaremos usando o pensamento reflexivo, refletindo inúmeras vezes, algumas vezes de maneira inconsciente ou conscientemente inconsciente, tal como se tivesse ”uma pulga atrás da orelha”, até o ponto de ruptura e da máxima verbalmente proferida
”isso não faz sentido”
A ”mente” é uma mescla de variáveis, a maior complexidade e energia do cérebro, que o faz obviamente mais enérgico, ativo e também a maior autoconsciencia, a capacidade de imaginar, extrapolar cenários de inúmeros tipos, bem como também de se imaginar separado do corpo e de seu cérebro, de ve-lo como parte integralmente importante de si, mas que não é sinonimo de sua personalidade, que se faz em conjunto, sistema corpo-mente.
A paixão do ego cognitivo!!!
Entre 2012 e 2013, eu me interessei pelo ”canhotismo”, um dos assuntos de que mais tenho falado aqui. De início eu internalizei todos os estudos (muitos deles, altamente tendenciosos) sobre o assunto, incluindo aí as famosas listas de canhotos (ou de possíveis canhotos) eminentes. Pelo fato de ser canhoto, percebam como que nos interessamos e somos mais empáticos com assuntos que se comunicam com nossas biologias, eu me tornei  positivamente preconceituoso com a ideia de que os canhotos fossem ”mais inteligentes” que os destros. Então eu fui percebendo que não era bem assim e então comecei lentamente, porém com consistencia, a questionar os mais novos dogmas que passaram a preencher parte de minha vida. A grande proporção de canhotos que me pareceram estúpidos a primeira vista, em uma comunidade de rede social, e a construção de meus axiomas metodológicos, que correu paralela, serviram de base para me convencer de que estava sendo muito preconceituoso em relação a este tema.
Meu cérebro se interessou pelo assunto porque ”ele é canhoto”, ora pois, e chegou a conclusões tendenciosas. Alguns canhotos podem chegar a conclusão inicial contrária da minha, como por exemplo, ”é mentira que os canhotos sejam mais inteligentes”. Então será que eles foram mais rápidos que eu, são ou foram mais reflexivos*** Pode ser que sim, dependerá de caso pra caso. Mas geralmente, o primeiro pensamento não será reflexivo e resplandecerá aquilo que o seu cérebro pensou, nosso ego inicial. Portanto, pessoas canhotas com baixa auto estima podem apenas refletir os seus próprios sentimentos de inferioridade em relação a máxima ”os canhotos são mais inteligentes”, negando-a. O primeiro pensamento externalizado pode parecer ou mesmo ser fruto de reflexão, mas é necessário analisar a construção de uma linha de pensamento por mais tempo do que constatar qualquer coisa com base em algumas frases, porque isso também será como ”pensar com cérebro, sem refletir”. 😉
Portanto, apenas quando vemos o produto final de várias reflexões e releituras dos pensamentos iniciais, é que poderemos defini-los como ”reflexivos” ou ”retido de esforço mental”.
”Canhotos são uma população diversa”
”canhotos são fruto de mutações ou de epigenética”
”portanto, existirá maior aleatoriedade, indicando que alguns canhotos poderão ser muito inteligentes  e outros não”.
….
”definição de inteligencia” ”definição de qi” ”o que o qi realmente avalia”
etc etc etc
Isso é pensamento reflexivo, isso é pensar ”com” a mente, é ricochetear o pensamento várias vezes, vendo-o por vários angulos, para chegar as conclusões mais corretas.
….
”definição de inteligencia” ”definição de qi” ”o que o qi realmente avalia”
etc etc etc
Isso é pensamento reflexivo, isso é pensar ”com” a mente, é ricochetear o pensamento várias vezes, vendo-o por vários angulos, para chegar as conclusões mais corretas.

Reciprocidade é essencial para o altruísmo…assim como também para predisposições comportamentais (cognitivas) ou limites de tolerabilidade

.. a habilidade de tolerar algo… é a mesma de ser habilidoso.

”Caindo de amores” pela geografia, pela física ou pela filosofia….

Predisposição comportamental, genes-espelho, nível de tolerancia ”e” ”ou” empatia.

Meu nível de empatia em relação a matemática é psicopático….

Se exposto a um certo estímulo ambiental, qualquer um precisará nutrir alguma empatia ou reciprocidade ao estímulo para que possa converte-lo em algo de valor, pessoal ou coletivamente transferível.

Vamos imaginar que uma pessoa esqueça a sua carteira recheada de dinheiro (notas de 100) e voce a encontra em um banheiro baldio de uma rodoviária limpa, de uma metrópole brasileira limpa. Então, consegue encontrar o telefone desta pessoa dentro da carteira e liga para avisar que está com os seus pertences. Tudo acaba bem, uma camera filma os dois no momento da entrega da carteira esquecida ou perdida e todos da nação ficam histéricos porque algumas pessoas conseguem ser honestas. Isso é reciprocidade. O ato de devolver com a mesma moeda uma determinada atitude. O mundo seria um lugar melhor se pudéssemos ser comportamentalmente sincronizados. Não seria exatamente como a lei de talião, olho por olho, dente por dente, quase isso, porque seria muito mais sofisticado, sempre na tentativa de evitar a injustiça.

E a ideia de reciprocidade não se aplica apenas ao comportamento altruísta mas também a interação humana em relação ao seu meio. Isto quer dizer, em tudo. E como não haveria de ser, também em relação a nossa cognição, a parte técnica da inteligencia, assim como também em relação a nossa personalidade, a parte indiretamente técnica da mesma.

Portanto, quando voce é exposto a um conhecimento e não consegue ”cair de amores” por ele, nem ”nos primeiros encontros”, nem a longo prazo, então o seu sistema corpo-mente estará tentando lhe dizer de todas as maneiras, que não consegue sentir empatia para que possa internalizá-lo. Seus genes-espelho não sentem empatia por ele. Claro que a paixão pelo conhecimento, apresentará uma variação de intensidade, onde que entre os tipos mais medianos, não será suficiente para faze-los de super-especialistas no assunto ainda que isso não significa que tenderão a  nutrir empatia. A empatia parcial também se aplica as nossas capacidades cognitivas.

Ou tal como um boomerang, existe a necessidade de se ter empatia por aquilo que se está estudando para que possa no mínimo, ter algum conhecimento, ainda que superficial, em relação ao mesmo. Precisa ter uma relação de reciprocidade. Do contrário, forçar algo que não é nem 10% natural, se consistirá em sofrimento intelectual ”ou” cognitivo (dependendo da natureza do material exposto).

Se é muito alto, não poderá ser ginasta. Se é muito baixo, não jogará basquete, se é bonito, será apreciado, e se for belo aquele que o ve, será recíproco, se está nublado, é possível que chova, se está com sol, é possível que se esquente, se é emocionalmente inteligente, é possível que aprenda com os sentimentos, se é autoconsciente, é possível que aprenda consigo mesmo, se não caiu de amores pela matemática, nem depois do casamento forçado, chamado escola, é provável que se separem antes do prazo ”estabelecido” por seus superiores, se sorri, outros poderão se contagiar, o instinto humano, ainda que atrasado e alargado, entre a ação e o seu reagir, não é mágico, pois mais parece com o movimento das ondas, é plástico porém lógico, se subjetiviza ao relativo, mas sempre parte de construções objetivas, nosso corpo, nosso pulsar, nosso respirar, nosso pensar, nosso agir e nosso refletir, nosso ser humano. O subjetivo é a negação da clareza, é o de negar a verdade e principiar por sua estreiteza, sua versão incompleta, seu espelho quebrado, seu Deus com apenas um dos lados de seu rosto e de seu olhar.

Empatia ou tolerancia (tolerabilidade)

Empatia e tolerancia não são a mesma coisa porque quando se tolera algo, isso quer indicar que se está suportando esta situação, enquanto que a empatia se externaliza por meio do altruísmo e reciprocidade. Portanto, gostamos da empatia, mas toleramos a tolerancia, 😉 .

Tolerancia se relaciona com a não-ação, o ato de se conter mediante certa situação enquanto que a empatia se consiste na tendencia de agir, mesmo que em pensamento, auto-projeção como primordial atitude empática.

Se está agindo e gosta desta ação, então está nutrindo uma relação recíproca de empatia com a mesma. Se estabelece uma relação de simbiose entre voce e esta situação, pensamento, domínio cognitivo etc… No entanto, quando se está tolerando a ação de terceiros ou até mesmo, quando está sendo forçado a agir de tal maneira, sem ser algo natural, como ir a uma festa, sendo um introvertido tímido, então não se consistirá em empatia, mas em tolerancia ou como eu  gosto de chamar, ”tolerabilidade”, a capacidade de se tolerar.

Para cada ação, nós teremos um conjunto variável de limites tanto para praticá-la natural e empaticamente, quanto para tolerá-la. E isso se aplica a todo comportamento humano. Portanto, a importancia dos genes-espelho, a meu ver, não será apenas na empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro, mas na capacidade de estabelecer uma relação de reciprocidade cognitiva, isto é, relacionado a estímulos ambientais. Isso nos ajuda a entender o porque de algumas pessoas serem naturalmente capazes para expandir os seus respectivos conhecimentos em relação a um certo domínio (ou gamas de domínios) cognitivo, como a matemática, ou a geografia ou a filosofia, por exemplo.

A diferença essencial entre verdade objetiva e verdade subjetiva ou abstrata e a relação entre alta inteligencia intelectual, pensamento abstrato e mal adaptação

Voce pode ver uma pedra e descreve-la corretamente partindo de simples observação. Mas quando falamos de abstração então a subjetividade de interpretação aparecerá porque se consiste em uma extrapolação do mundo literal, direto ou real, que será mais diverso e com vários caminhos que poderão ser (unilateralmente) enfatizados. Imaginemos novamente que estejamos diante de uma pintura incompleta. A pintura incompleta a sua frente se consiste na literalidade da observação direta, especialmente se for feita sem qualquer afetação neuroinstável. Eh uma verdade objetiva, por razões óbvias, já delineadas anteriormente neste blogue. A capacidade que temos de extrapolar coerentemente ou nem tanto uma realidade literal percebida, se consiste no princípio do pensamento abstrato ‘e” do metafísico. Se a pintura é de um cenário bucólico com uma estrada de chão, rodeada por matas de pequena envergadura e ralas, um céu meio carregado, anunciando chuva e algumas árvores esparsas, então nós podemos imaginá-la completa a partir destes padrões já estilizados por mãos hábeis e artisticas.

A necessidade da literalização e precisão da verdade subjetiva
O mundo diretamente percebido e sem extrapolações estatísticas, numéricas ou semanticas, esconde o desdobramento abstrato do espaço e do tempo, onde que apenas um indivíduo, por exemplo, já será alvo de uma multitude de interações e reagirá inúmeras vezes a elas como reciprocidade instintiva direta (ou emotiva) e indireta, que parte de conclusões reflexivas. A possibilidade de captar este conjunto recorrente de situações, entre o agente e o seu meio, é uma demonstração de pensamento abstrato, que visa entender o mundo a partir de cenários estipulados ou previstos, assim como também de analisar o passado, por meio da história. Todos os animais não-humanos estão predominantemente inseridos dentro de um cenário instintivo onde que a capacidade de abstração se encontrará quase que impossível de ser produzida, porque o pensamento instintivo remete ao presente, onde que o espaço e tempo são percebidos a partir da ótica da verdade objetiva, ou seja, de maneira literal, direta e sem qualquer grande e complexa extrapolação de cenários futuros, expandidos (que podem ser muito bem exemplificados por intermédio de mapas) ou que se encontram fora do tempo cronológico imediato.

Relação entre inteligencia, pensamento abstrato e mal adaptação
As pessoas mais inteligentes, em alguma dimensão e especialmente em relação a dimensão da inteligencia intelectual ou interativa (semantico-abstrata), são mais perceptivas em relação aos acontecimentos que se entrelaçam diante de suas fuças, em termos qualitativos e quantitativos. Isso significa que eles percebem o mundo por uma maior qualidade e isso também quer indicar, maior lentidão de atitudes e maior tempo gasto na reflexão e ruminação. Eu já mostrei aqui que existe uma lógica relação entre essas tendencias e um maior intelecto. Mas agora, parece que consegui encontrar um jeito (com base em pura intuição) de explicar como que isso poderia afetar a capacidade de sobrevivencia e sucesso reprodutivo dentro deste grupo mas também em vários outros grupos de ”mais inteligentes”.
Mentes mais simples e menos complexas, são mais primitivamente (ou primordialmente, para ser menos tendencioso) instintivas, isto é, agem mais do que pensam. Em compensação, os muito inteligentes, especialmente a partir da capacidade de pensamento abstrato ( a extrapolação da realidade diretamente percebida ou objetiva), são muito mais propensos a refletir mais do que agir. Os menos inteligentes tem mais dificuldades para ver o mundo de interações que o rodeiam e isso explica em partes suas menores capacidades empáticas e também, associativas (diretamente relacionada com capacidade cognitiva ou cognição). Se não existe um mundo imaginário de axiomas, regras, ideais e pensamentos de muitos tipos a rodeá-lo, então ficará mais fácil agir e é exatamente isso que os menos cognitvamente complexos fazem, eles agem. E isso explica o porque da inteligencia elevada, especialmente a mais complexa, ser mal adaptativa a partir deste contexto competitivo com cepas mais simples. Porque para os menos intelectualmente inteligentes, suas ações estarão vinculadas as suas necessidades instintivas, mais intimamente animais, nomeadamente a reprodução.
Os cognitivamente mais avançados mas destituídos de complexidade intelectual ou abstrata, também seguirão esta tendencia, justamente por serem o equivalente dos tipos mais primitivamente instintivos, com maior atenção e menor carga emocional ou instintiva.

Nerdolas e vegetarianismo

Eles são odiados por 10 em cada 10 estudantes, e são considerados como ”genios”. São adorados pelo sistema que os elogia por seus perfis incomuns e vantajosos, elevada capacidade cognitiva e forte tendencia para o conformismo social ( especialmente via materialismo ).

Os nerdolas (termo depreciativo de minha autoria ao tipo predominantemente negativo de ‘nerd’) se dividem em dois grupos principais, no espectro político, os da esquerda, que são mais propensos a serem de ateus ”humanistas”, e os da direita, que são mais socialmente conservadores. Ainda  na direita, nós temos a neo-ramificação de ”geeks”, que eu não sei quanto a voces, mas parecem ser os tipos mais insuportáveis (em média) desta variante cognitiva humana.

Os nerds fazem parte do grupo trivial de inteligentes e podem ser encontrados em peso em nações do leste asiático, como a Coreia do Sul e o Japão. Nerds, geralmente, fazem boas a excelentes nações. Mas como sempre acontece na amada humanidade, sempre tem algo faltando em cada grupo bio-cultural, e não seria diferente entre eles.

Existe um espectro mental de generos, em que os homens serão mais propensos a caírem no lado mecanicista enquanto que as mulheres serão mais propensas a caírem no lado mentalista. Homens são melhores para consertarem dispositivos mecanicos enquanto que as mulheres são melhores na arte da empatia.

As mulheres são mais empáticas do que os homens e isso nos ajuda a explicar o porque da alta prevalencia deles no mundo do crime e da violencia em geral.

Os homens apresentam mais características neurológicas (maior exposição ao testosterona que está vinculada com superdotação) que estão associadas com maior capacidade cognitiva, ainda que as mulheres sejam em média, mais inteligentes. Isto é, em média, a mulher é mais emocionalmente estável, conscienciosa e em parte, os seus perfis de personalidade contribuem para elevar as suas pontuações em testes cognitivos e na escola. Mas também por algumas razões biológicas como por exemplo, o cérebro feminino, que é mais bilateralizado.  A empatia, dependendo da combinação, poderá deprimir as habilidades analíticas. Quem sente em demasia, pode ser menos propenso a pensar de maneira racional. Existe uma certa verdade na dicotomia  ”razão” e ”coração”.

Habilidades mecânicas estão associadas à capacidade cognitiva primordial, o reconhecimento de padrões. Os homens são melhores neste aspecto, mas isso não significa que tenha de haver uma correlação forte entre os dois, isto é, entre o reconhecimento de padrões e habilidades técnicas porque como já sabemos, esta capacidade tende a se relacionar com todos os aspectos cognitivos inclusive a empatia. Portanto, não é equivocado sugerir que as mulheres sejam melhores no reconhecimento de padrões de natureza emocional, porque se principia a partir deste mesmo processo primordial. Eu por exemplo, que acredito que seja muito bom nesta capacidade, de reconhecimento de padrões, contradições, dentre outros aspectos de natureza similar, sou quase que totalmente feminino na capacidade de consertar dispositivos mecânicos. Eu não sou tão (super) mulherzinha assim, porque já aconteceu algumas vezes de conseguir consertar a tv aqui de casa, mas nada muito espetacular (enquanto que a minha mãe entrou em choque emocional temporário, kkkkkkk).

As pessoas que são mais emotivas podem e geralmente serão mais propensas a interpretar o mundo com base em suas emoções e não a partir de observações analiticas de natureza neutra, emulando a maneira de pensar de um cientista legítimo.

Em compensação, aqueles que são mais propensos a serem de observadores analíticos, também serão mais propensos a reprimirem seus lados mais emotivos.

Resultado, nós temos dois grupos, que tendem a variar de maneira gradual em suas respectivas composições de características similares, e que seriam perfeitos se ”ao menos” um deles pudesse aprender com o outro. Mas isso não acontece. O nerd típico e suas variações, apresentam grande dificuldade de interpretar o mundo daquele que é mais movido  por suas emoções do que por suas conjecturas racionais ou que pendem para este lado. E a recíproca é verdadeira. Ainda que, por causa de suas maiores habilidades racionais ou convergentemente analíticas, o nerd possa entender melhor (mecanicamente) o que se passa com o seu antônimo emotivo, ele não irá a partir desta natural racionalização de percepções, tentar adentrar dentro deste mundo de sensações, emoções, que impera no outro lado. Talvez nem será como uma forma de empatia parcial, porque não chegará ao ponto de se colocar no lugar do outro mas de observar e catalogar padrões lógicos de comportamento, se baseando em seus próprios preconceitos cognitivos. O nerd típico é emocionalmente estável ( menos o geek) e isso nos ajuda em partes a entender o porque de serem assim. Como sempre, a ”empatia cognitiva absoluta”, é uma capacidade extremamente rara e não seria diferente em relação aos ”nerdolas” (vale ressaltar, como sempre, que nem todo nerd cairá dentro deste espectro de ênfase negativa que eu estou analisando, eu mesmo, sou bastante nerd em alguns aspectos… mas, qualquer indivíduo, a partir do momento que se ver solapado por rompantes de razão, janelas de oportunidade para fazer aquilo que é irrevogavelmente certo, não tentar melhorar a sua técnica de interação constante, então,  por justiça, deverá ser alvo de escrutínio porque esta demonstração de anti-sabedoria geralmente terá efeitos negativos que reverberarão em seres, vidas, consequencias reais. E o nerdola não parece estar muito preocupado com isso. A vida é curta, frágil, complexa, complicada… pra que complicar mais não é**) só que…

Vegetarianismo e nerdismo

Recentemente, aconteceu um evento lamentável e tragicomico de nossa sociedade ”moderna” ou podre. Um caminhão com porcos, prontos pra serem abatidos em matadouros, tombou no meio de uma rodovia movimentada no estado de São Paulo. O assunto ”vegetarianismo e direitos dos animais não-humanos” entrou na pauta do dia e como esperado, muitos nerdolas começaram a destilar os seus venenos de ”garotos mimados que gostam de jogar video game e tomar achocolatado”.

Apenas homens e mulheres completos que podem definir o que é moralidade, ou seja, os sábios, que não são nem excessivamente emotivos, nem excessivamente analíticos (eu não diria que isto seja sinônimo de racionalidade, se todo excesso sem empatia e lógica  pende para a sua negação). São os verdadeiros avatares perceptivos (e vou escrever um texto falando sobre isso, em breve) que, a partir de suas perspectivas bio-existenciais privilegiadas, em suas  montanhas metafóricas, podem definir aquilo que está certo ou não. A racionalidade é parte da técnica para entender a realidade. Precisamos sentir o chão em nossos pés para que possamos ao menos tentar entender a micro-escala de existencia a que estamos submetidos. Portanto, o pensamento literal, analítico, que é característico da mente nerd, é muito importante. Mas a empatia também é fundamental. A empatia também se consiste no pensamento mecanico, que é convergente, lógico e funcional. A diferença é que são as emoções que delineiam este tipo de pensamento, a priore. Por exemplo, aceitar ”refugiados” na Europa (também) é racional, porque nós nos colocamos no lugar deles e pensamos

”E se fossemos nós**”

Isso é um pensamento racional.

Mas também é racional fazer um balanço demográfico sobre a situação europeia

– (muito) baixas taxas de fecundidade entre os europeus étnicos,
-altas taxas de fecundidade entre os imigrantes….

Só para começo de conversa…

Esta é uma demonstração quanto a necessidade da sabedoria, nem lá, nem cá. Se parece extremista demais, é porque poderá estar predominantemente errado ou conflitivo.
No entanto, não é extremista parar de comer carne de animais não-humanos, especialmente aqueles que nos são mais geneticamente próximos. Neste caso, o maior extremismo, seguindo esta linha, seria o de se tornar como um tipo de vegano extremo, daqueles que só comem plantas cruas caídas no chão. Ou de continuar a se enfartar de churrascos de fim de semana, sem pensar por um minuto que a picanha suculenta já foi uma vida. Os nerdolas relativizam os argumentos dos vegetarianos e veganos. Da mesma maneira que canibais também poderiam relativizar sobre o porque de não comermos carne humana. 😉

O pensamento racional, de fato, em relação ao vegetarianismo, se baseia em uma análise sábia, que está embebida de racionalidade e de empatia, como dizem, é juntar o útil ao agradável.
Mas os nerdolas e seu pedantismo costumeiro não costumam se basear no sofrimento alheio, e menos ainda se forem porcos, da mesma maneira  que agricultores conservadores também não são naturalmente acostumados a pensar se o abate mensal de animais não-humanos não seja uma atitude atroz, se os seres que criam para abater não tem sentimentos!! Claro que não, porque foi ”Deus” quem lhes disse que não é pecado, que podem fazer sem peso na consciência, afinal de contas, nós somos filhos dele não é??? Nós temos alma, o animal não-humano não tem. O nerdola mais à esquerda, gosta de falar sobre a universalidade trans-espécie da homossexualidade bem como também da diversidade sexual, para refutar argumentos criacionistas dos tempos do Egito antigo, enquanto que ao considerar  os seres humanos como animais, entram em contradição, ao dissociar o extremo excesso da dieta carnívora que predomina nas sociedades humanas com a ”camaradagem existencial” que comprovaria a naturalidade da homossexualidade e a ignomínia pseudo-religiosa. Tem um nome pra isso: CONVENIÊNCIA. Quando nos utilizamos de certas perspectivas para comprovar, retroalimentar nossos pontos de vista, mas delimitando a abrangência desta linha lógica para melhor nos servir…desprezamos o resto do pacote lógico de racionalidade que virá embutido. Cortamos o pensamento sábio pela metade.
Pode ser verdade que se somos animais como os outros e portanto a moralidade é relativa, então não haveriam problemas para abatermos os animais dos quais nutrimos menos afeição para alegrar nossos estômagos vorazes. Se os próprios animais fazem isso, por que que nós não poderíamos fazer o mesmo??
Sem conveniência, coloque um brutamontes musculoso para espancar ( sim, porque ele vai espancar, com certeza)…  lutar com uma mulher normal, mais magra, menos musculosa e mais fisicamente frágil. Temos um nome apropriado pra isso: COVARDIA.
Porcos, vacas, cachorros, gatos, galinhas. Tente medir forças com eles.

Uma ”mãe” ( e vejam só, uma nerdola flácida ) nos EUA, jogou seu filho autista de uma ponte que não resistiu e veio a falecer. Vamos continuar a agradecer a ”Deus” pelo alimento de seres frágeis??? Vamos?? Ou melhor seria se ”racionalizássemos” sobre nossa condiçao animal e a continuar a abater seres indefesos??

No passado pré-histórico, caçávamos nossa comida, ou melhor, nosso excesso de proteínas. Era mais justo e lógico. Hoje em dia, supostamente, ”nos tornamos” (modo de dizer) mais ”evoluídos”, compramos embalagens podres que irão poluir o meio ambiente para nos deliciar com a carne de um pintinho, o famoso ”steak de frango”.

Mesmo que não fosse de maneira alguma aceitável, ”ao menos” antes, se matavam animais não-humanos domesticados quando tivessem chegado a uma certa idade.

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

BARRETO

A cada R$ 12.000.00,00 em vendas para nós em até 01 ano, GANHE voucher conosco de R$ 120.000,00, consulte condições

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

REBLOGADOR

compartilhamento, humanismo, expressividade, realismo, resistência...