Arquivo | junho 2015

A relação entre criminalidade e tdah. Um pouco mais sobre a ”inteligencia de predador”.

O tdah médio é uma pessoa distraída*** Bem, em termos tecnocráticos, baseado na ideia de ”executar funções técnicas que foram impostas de maneira hierárquica”, os tdah podem e são considerados como distraídos. Mas esta é apenas uma dimensão das muitas que nós percebemos e interagimos.

”Déficit de atenção”, ‘hiperatividade’ e tendencia para  comportamentos realmente inconformistas (e alguns destes que serão extremamente anti-empáticos), podem ser um coquetel molotov dependendo da combinação epistática individual e resultar em uma forte predisposição para a criminalidade.

Como voces sabem, a maioria das pessoas tdah não são criminosas, mas haverá uma elevada incidencia de criminosos entre eles (da mesma maneira que acontece com as pessoas negras por exemplo) porque impulsividade e hiperatividade costumam se relacionar com redução da empatia, se a mesma se relaciona com a apreensão de detalhes, via memória emocional, que podem ser úteis para a harmonização do ambiente.

A conscienciosidade bem que poderia ser considerada, cognitivamente falando, como um traço psicológico que produz a apreensão por detalhes na vida cotidiana interacional ou interpessoal e como resultado, faria com que aqueles dotados por ela se tornassem mais atentos na mitigação de problemas, da nano a macro-interação. Eu já escrevi um texto falando sobre isso (não lembro o nome) em que a memória emocional (um importante componente da sabedoria) aparece como um fator crucial para a apreensão de informações relevantes e o uso delas em momentos apropriados, como para tentar acabar com uma briga ou se lembrar sempre que produtos X devem ser levados para a reciclagem, por exemplo.

O tdah, por causa de seu foco no mundo real, caminhará para ter uma inteligencia ”de predador”, que pode ser apenas metafórica ou emular predisposições semelhantes a de um real predador no reino animal não-humano, ou que pode realmente se consistir em uma espécie de predador humano. O criminoso (e o psicopata violento), o genio e a maioria dos tdahs tenderão a serem mestres para entender o contexto, a imagem maior, em suma, aquilo que realmente importa.

Os mais atávicos, tem mentes mais práticas (em um sentido positivo e negativo), mentes mais instintivas, mais animais, a partir de determinadas perspectivas, e justamente por isso, estarão em maior contato com a realidade, claro, desprezando o psicótico que também é um atávico.

O tdah é hiperativo porque é movido principalmente (em média) pela ação, ao invés da reflexão.

Hiperatividade e impulsividade são as mesmas ”coisas”.

E o tdah será desatento, especialmente com aquilo que tende a se relacionar com tarefas impostas de maneira hierárquica. Não de ordens  aquele que é movido por sua vontade. Ele, dificilmente, irá acatá-las, ao menos se tiver benefícios embutidos.

Talvez o ponto mais importante que define e o que separa os tdahs das outras pessoas, seja justamente a sua tendencia para a real e ativa inconformidade. E a maioria dos inconformistas são movidos mais por suas vontades do que por seus ”juízos” domesticados.

Eh interessante pensar que o tdah assim como também muitos criminosos, tendam a não serem como o arquétipo do ”gado manso” que se consiste boa parte da população ”pacífica”, visto que muitas vezes colocam os seus direitos a frente dos seus deveres. E reparem como a maioria dos esquerdistas, que muitos alienistas determinaram como ”degenerados”, também tendem a fazer o mesmo, ainda que de maneira muito insossa e menos realmente inconformista.

Relação entre genialidade e crime, espectro da tdah**

Genios e criminosos apresentariam similaridades segundo a maior parte dos fisiologistas do século XIX, mas também para um crescente corpo de cientistas de nossa era. A combinação incomum da lateralização cerebral, que alguns poderiam denominar como ”defeitos” ou como ”deformidades”. Em partes, isso é realmente verdade. O cérebro incomum, que entende e interage com o mundo de uma maneira única e que pode produzir insights poderosos sobre a realidade. E se a aleatoriedade limitada da neuro”diversidade” ou neuroanormatividade, não for muito generosa, o mesmo cérebro incomum poderá interagir com o mundo de maneiras extremamente disfuncionais. Isto, quando genio e criminoso não estão a habitar a mesma mente.

A tdah parece ser uma das chaves para se entender a relação lombrosiana entre genialidade e criminalidade, se a mesma  tenda a abarcar as duas tendencias, ainda que para a primeira, exista uma diversidade de tipos oriundos de diferentes condições como  o autismo.

Energia cerebral e auto consciência

Aquele que pensa demais ou de maneira constante, poderá carregar consigo a chaga da síndrome do pequeno Deus, o ato, a persona de imitar o universo, como o agente causador e não como o agente passivo, vulnerável as ações alheias. O ato de agir e de ser consciente. Uma máquina bio-organica como o nosso cérebro, se alimentado de grande energia ou mesmo, se esta energia encontrar-se distribuída de maneira disforme, que poderá resultar em maior vigília quanto ao mundo, quanto ao desabrochar de eventos, de fenomenos. A análise, que habitualmente se faz mediante uma predominancia de inconsciencia, objetiva em seu simplismo, frígida em sua internalização ou emoção racionalizada, se desdobrará em complexidade, pois guardará uma maior quantidade de percepções, mundanas, que qualquer muquirana pode capturar, até aquela que mais se parecerá com a água cristalina de uma fonte especial, intocável para a maioria, tal como a do nascer de um rio caudaloso e longo, daquelas que só podem ser apreciadas depois de uma jornada de medos, de perigos, da necessidade de se sentir virtuoso, porque a virtude só se adquire com educação da própria alma e quando se vence um caminho de flores e de espinhos.

O cérebro em chamas, a alma viva e perspicaz, o espírito vigoroso, a mente mutante, aquele que não é o melhor, mas sempre aprende, que pode mudar suas impressões, que é o camaleão sincero, que não é a pele que se transmuta, mas o espírito.

A auto consciencia é o constante estudar, se o conjunto de percepções se faz mais equivocado do que certo, porque quando se tem aquele tipo de mente inquisidora, que captura o contexto quase que de imediato, então ao invés do erro, se notará apenas uma possibilidade de melhoria imperativa, e nada mais.

Quem vive mais, mais intensamente, mais emocionalmente, tem todos os poros do corpo e da alma abertos, que a tudo se revela, que se revela tal como o melhor amigo de sempre, será aquele de mente transbordante, mas a sua energia não regurgitará ego, tal como acontece com os verdadeiros degenerados. Sua expressão, sua técnica de experimentação existencial se fará com base na construção, na transformação, na mutação de condições estabilizadas, previamente conhecidas, por algo maior, mais amplo, pela melhoria do conhecimento sobre a verdade, sobre a realidade ou mesmo, na vida em uma perspectiva nunca dantes navegada.

A extensão qualitativa da alma se consiste no trabalho do homem de genio, a manipulação das perspectivas, a introspecção da extroversão, da imaginação de dentro, da internalização da alegria, que muitas vezes contagia, porque de tão transbordante e efemera, se esvai com facilidade do corpo gelado do homem de genio ou o homem da paixão, do amor explosivo da vida, dos riscos, do deboche em relação ao bípede estrábico, que ve a sabedoria de maneira inversa e portanto não a ve.

Sendo ou imitando o universo, mais e mais, o ser humano mais evoluído é fruto do acaso biológico, da confusão que resultou em uma maneira completamente nova de ver, que quando a destruição ou caos se aquieta e desaparece, uma nova ordem emerge.

Um aprendiz de parasita

Por favor eu não quero o seu sangue,
Ainda que em pequenos drinques já possam acalentar a minha sede de ti,
Eu quero apenas viver como a mãe natureza me caprichou, Deitado em alguma felpuda e sintética  almofada, pensando sobre a vida, o porvir, o mundo e seus problemas de criança,
Eu ?? Eu sou adulto demais para continuar no ”play”. Decidi deixá-lo em tempo precoce e exijo a minha indenização. Eu quero ser aquilo que a natureza mãe me legou. Quero ser o parasita sincero, por vezes simpático, outras… Empático, que tem os melhores conselhos, de uma mente cheia de energia, que não desce à espinha. Meus pés são inquietos mas nada de excesso. Sabe…

Cansar de não fazer nada é uma tarefa árdua.

Lutar dia a dia para me aperfeiçoar.

Eu não tenho culpa.

Eles não me querem como governante, como amante das ações intermitentemente dirigidas ao sistema. Eles me querem um escravo, daqueles que são ansiosos para contribuir, sem se perguntar o porquê, para que, para quem.
Mas minha ansiedade não é pensando no ”bem comum”.
Por favor, não me veja com estes olhos, eu não sou uma pessoa ruim.
Eu poderia estar mais que desesperado esperando que o próximo vento de profundo pesar me levasse desta vida, mas eu a amo. Eu amo tanto a vida que não posso pensar em estraga-la com este tal trabalho.
Para aqueles com pequena consciência, que crianças, são direcionados, cegos, em direções que não escolheram, que entendem como natural mesmo que as árvores sejam de folhas de plástico, mesmo que a Madeira seja de papelão. Eu não tenho culpa, não tive escolha e talvez não fosse racional acusar esta falta pois ela não existe. Eu sou o produto de mil produtos, produtos são produzidos e não se auto escolhem. Eu aceitei o desafio ao me viciar no ato de respirar oxigênio.
Eu não gosto de nada donde estou nem donde tu estás. Está tudo errado e eu tenho a resposta.

Mas os profetas são tantos, a minha preguiça não pode descansar hora alguma, pois é parte de mim, de meu ato de interagir e eu interajo no regozijo, na percepção, na reflexão. Não posso fazer mais do que isso, de alimentar meu ócio. Eu já não tenho vergonha, pois se não tenho culpa então não preciso lamentar ou esconder mais nada.
Eu sei que tudo é uma mentira, que a humanidade dá sono e raiva. Eu quero viver na verdade, de esperar uma vida pela evolução dos demais. E esperar cansa, por isso eu preciso do melhor.
Eu não parasito você, porque eu sou uma pedrinha de areia em um universo demografico delas. Eu só quero ser feliz e não será com base na repetição.
Eu gosto de criar, me diga onde que criação e repetição são irmãs etiológicas??
Minha criação não tem produto, minha força é minha brincadeira preferida, é minha felicidade reconhecível. Eu crio o meu direito de parasitar o sistema, de me vingar  humildemente do grande filho das mil putas que lhes sugou o bico do peito até murcha-los.
Posso?

O sexo e a alma

O desejo, à carne quente, quero todos, quero tudo, não existe um limite,
Pois quando o fogo queima, não há um padrão a se seguir, brasa e derrete em suores noturnos, travessias até a Casa engraçada,
Sem portas ou paredes, o fogo só,
Que quando o desejo chama, o corpo é o drama,
Quer ser violentado, quer ser animal, quer parecer como um fera ou como a vítima, quer degradar ao gostoso sabor do sexo,
Que a alma quieta apenas analisa, observa e se tranquiliza,
A prisão que faz as asas ficarem retraidas, a empatia suprema, o ato de ser qualquer coisa, de se transformar em qualquer matéria, a loucura de deixar esta vida, já morta, de selar-se do outro lado, de não ter hora pra nascer ou morrer, de estar inerte mas vivo, de olhar sem ter olhos, de sentir sem ter pele ou invólucro, de amar sem ter coração, pois se a morte é o resultado do desequilíbrio, o compasso da balança é o eterno então…
Sexo, a energia extravasadora, a avalanche de quero mais, a vergonha de ser uma aberração, a luta entre alma e corpo, o universo primordial dentro de si, o positivo e o negativo, a Vitória e a derrota, a perda e o ganho,
E o entrelaçar de momentos sem pudor, a experiência existencial, o ato de sentir-se vivo e de velar pelo esperado velório. A evolução para melhorar a si e quem sabe não se tornar um novo eu-verso.

Beleza que meus olhos vêem, transbordam emoção, fria e envolvente…

Que eu posso ver dois caminhos, que eu posso espiar duas almas opostas,

Que eu posso aceita-las e depois rejeita-las, uma vontade imposta, porém mal entendida,

Que eu as julgue piores porque são fracas quando são separadas,

Que sinta repulsa pelos seus erros respectivamente tolos, que as despreze, que com meus olhos de águia, da alma de quase além mundo, posso vê-las mudas, incapazes de dizerem palavras verdadeiras,

Porque toda palavra tem uma alma e a alma é a emoção,

Que as formas do quadrado não podem entender aquelas em ondulações e com becos sem saída,

Que meu ódio não é pelo intocável, mas pelo extremamente simples, que não podem ver,

Que fazem um mundo pior e que merecem ser vistos como são,

Crianças perversas e ignorantes.

Luz a nascer…

Ó silêncio adorado,
Ó Rua minha deserta,
Ó vida que segue escura, escondida na noite que se espreguiça, é hora de dormir,
O novo dia, o novo Sol, o novo viver, meu novo eu,
Ó sereno, pálido e mutante,
Ó nuvens tímidas que me dão bom dia,
Raios que ainda são crianças, filhotes,
Ó Sol que nasceste enamorado de nuvens, de pandoras consortes,
Veia que transborda alegria pela mais tola das ações,
Que caminha junto ao nascer, que nasce em contrapartida,
Ó momento perfeito que eu não sei quando o verá novamente,
Ó madrugada delgada, ó dia novo, ó mundo Belo e feio este que eu fui nascer.

Novo combo de ideias….

1- Vegetarianismo causa depressão e ansiedade?? Ou são as pessoas que estão mais predispostas às duas condições que são mais propensas a serem vegetarianas??

 

Nem vou desenvolver esta primeira ideia, se o título já fala por si.

 

2- Mente poética ou mística, mente filosófica ou analítica e mente científica ou empírica. Graus de doença mental, auto consciência, criatividade, empatia, inteligência, conformidade…

 

De todos os tipos de ”virtuosos cognitivos ou técnicos e intelectuais”, parece existir uma tendencia espectral de aglomeração de similaridades psicológicas, onde que aqueles que são mais talentosos na produção criativa cultural (e recreativa a objetivamente funcional) tenderão a se aglomerar no lado místico e poético enquanto que aqueles de mente científica ou empírica tenderão a se localizar do outro lado do ”rio”.

Racionalidade em seus níveis médios (e mais contextualmente funcionais) apresentará uma tendencia de se justapor a conformidade social (porque é racional de se faze-lo, especialmente se voce for um ”seguidor”). No entanto, ao contrário do que se imagina, eu acredito que em muitos espectros, 3 extremos existirão e não apenas aqueles que se localizam em dos dois fins desta continuidade abstrata porém realista.

E no caso deste espectro, especificamente, eu vejo que além do extremo místico e do extremo empírico, também existirá o extremo filosófico, que ou aquele que tende a combinar os dois modelos de transcendencia evolutivo-cultural.

 

3- Criatividade e sexo. Criativos contínuos são mais sexualmente obsessivos enquanto que os criativos descontínuos são mais sexualmente controlados.

 

Por razões óbvias. Maior energia cerebral = maior desejo sexual*** Ok, nem sempre que será assim, mas ao menos comigo, acontece deste jeito mesmo, jajajajajajaja.

 

4- O verdadeiro normal: empático-racional.

 

O natural verdadeiramente equilibrado será o empático racional. Racional porque entende o mundo a partir da realidade a que temos acesso e portanto, buscar construir algo a partir desta perspectiva, estipulando sucesso em seus cálculos de probabilidade. Empático porque pode se colocar no lugar dos outros assim como também na tentativa de entender o mundo por diferentes perspectivas.

A empatia em comunhão com a racionalidade é a verdadeira prática da sabedoria, da bondade…

A real normalidade é idealizada, assim como tudo aquilo que damos valor perfeito.

O ”normal” na verdade é apenas ou fundamentalmente o domesticado que nossas queridíssimas elites de merda dão grande valor.

 

5- Esvazie a sua mente e comece de novo. Para não ser uma barata tonta. E o veneno da mídia.

 

Quase tudo aquilo que de relevante que a mídia lhe conta diariamente, tem grandes chances de estar errado. Voce está sendo nutrido com base na desinformação. Se é um adulto cronológico, então a sua mente já estará bastante saturada por estas mentiras. Existe a poluição ambiental, sonora… e também existe a poluição mental, quando o teu cérebro está infectado por toxinas ou mentiras que são perpetuadas pelos meios de ”comunicação” ( e de doutrinação). Se tem algo de essencial que está mal compreendido por voce e não tem consciencia disto, então pode ser possível que em uma situação específica, em que este algo for acessado, e for de longo prazo, possa te afetar consideravelmente, de maneira bastante negativa.

Esvazie a sua mente e se reeduque.

 

 

6- A diferença entre astúcia, sabedoria e inteligência. O lado escuro da sabedoria.

 

A astúcia é a ”pequena sabedoria”. O astuto, muitas vezes, acabará refletindo o lado escuro da sabedoria. Sim, a psicopatia também se caracteriza por doses de sabedoria cognitiva mas sem o componente moral-emocional, positivamente instintivo, que caracteriza tão eloquentemente bem o que a sabedoria se consiste. No entanto, enquanto que o psicopata é um potencial predador perigoso, o astuto seria mais ou menos como o mundano average joey que sabe usar os miolos para afagar os seus desejos fugazes.

 

6.1- Astuto: o sábio mundano e ou o psicopata de pequenos truques, de pequenas e constantes vitórias.

 

O astuto se localizaria então no meio do espectro entre a psicopatia e a sabedoria e mais perto da personalidade anti-social.

 

7- Personalidade é o instinto em camera lenta.

 

Mais uma vez, nossas reações ou respostas instintivas são muito mais complexas em relação as ações que as provocaram, do que em relação aos animais não-humanos. Podemos escolher, temos ”livre” arbítrio a partir de nosso arcabouço genético-cultural para respondermos as intempéries que interagem conosco de muitas outras maneiras do que o simples ato de lutar inconscientemente pela própria vida. A evolução humana se consiste no retardamento temporal desta resposta instintiva. O tempo represado, lento, entre a ação e a reação, ”nos fazem humanos”.

 

8- O caçula desprezado.

 

Um mundo dominado por irmãos mais velhos seria uma das causas para o mundo disfuncional em que vivemos**

 

Batendo na mesma tecla ”educação promove desigualdade”.

9- Vestibular,  seus descontentes e a uni-versidade.

 

Por que o nerd de inteligência simétrica e elevada esta em vantagem injusta para com aqueles de inteligência assimétrica??  Batendo na tecla ”a educação promove a desigualdade”.

Quase todos os testes para admissão em algum trabalho ou subida dentro do sistema (unilateral) meritocrático, ao menos no Brasil, se baseia na enfatização da inteligencia geral do que uma diversificação para outros tipos, mais especificamente a panaceia de inteligencias específicas.

Supostamente, aqueles de maior pontuação em provas de vestibular, seriam aqueles que mais esforçaram, mas voces já sabem que não é bem assim, especialmente se levarmos em consideração que o potencial de desenvolvimento ou ao menos de memorização das pessoas varia consideravelmente, porque alguns elásticos são mais elásticos do que outros.

10- Cultura se resume à uma transcendência coletiva de raízes alegórico-naturais de culto ao líder

( psicopata).

 

Qualquer cultura, especialmente as culturas ”complexas”, apresentarão uma tendencia de serem apenas ”transcendencias” coletivas de culto ao líder que construiu ou que sustenta este sistema social.

 

11- Diferenças entre melancolia e introspecção.

 

O melancólico pode ter potencial para se tornar introspectivo, mas geralmente, como foi mostrado a partir dos níveis de Dabrowski, este tipo tenderá a se manter em sua neurose particular, a provação de ser por demasia acordado, vigilante e sem a vontade ou capacidade de alegorizar esta dimensão intensa e dura.

A introspecção se diferencia da melancolia, talvez, por causa da enfase conceitual que cada uma carrega, porque enquanto que na primeira, se enfatiza a tristeza profunda, na segunda, o produto entre auto consciencia e idade mental avançada (ou simplesmente intelecto),  será o objeto a ser levado em consideração.

 

12- A verdadeira relação entre autismo e testosterona e as possíveis diferenças entre psicopatas e autistas.

 

Um leitor, muito recentemente, resolveu me questionar em relação aquilo que escrevi no texto Inteligencia neotenica e a de predador. Bem, ele não entendeu o porque de autistas e psicopatas, apesar de suas diferenças, serem ”produzidos” pela mesma panaceia de similaridades biológicas.

A partir daí, eu tive muitas ideias para tentar sofisticar a minha explicação.

A primeira, não herdamos ”genes”, mas ”o desenvolvimento de genes”. Se em todo mundo, existem autistas e psicopatas, então não pode ser possível, a primeira instancia, que sejam fruto de combinações aleatórias e epigenéticas durante o período intra uterino se o padrão é universal. O mesmo pode ser aplicado a todas as outras condições minoritárias. Se somos como pergaminhos então temos uma programação de desenvolvimento a ser herdada e não apenas um conjunto de genes. Vemos isso nos animais não-humanos, mas nem precisamos usá-los de exemplo. Por exemplo, o desenvolvimento de nosso corpo, da infancia a fase adulta, é uma herança de programação que varia de acordo com a herança. Estamos quase sob a tutela caprichosa do ”destino”, enquanto pergaminhos que se desdobram mas que já estão escritos. A vida não é aquilo que está escrito em nossos genes, é aquilo que vivenciamos por meio de interações de curto a longo prazo. O desenvolvimento do cérebro é outra programação de desenvolvimento hereditária, nossos planos ”quinquenais”. Os cérebros dos superdotados por exemplo, tendem a amadurecer mais lentamente porque tem mais caminho pra percorrer, mais desenvolvimento para fazer. Os cérebros dos esquizofrenicos, especialmente do(s) tipo mais comum(ns), parece que sofre um bug durante o início da fase adulta e isso também parece estar programado para acontecer, se a maioria dos esquizofrenicos, passam a sofrer com os sintomas de sua condição a partir dos 20 anos.

A segunda ideia é sobre a diferença entre ”exposição ao testosterona durante o período pré natal” e ”carga individual do hormonio”. Sabe-se que homens com mais testosterona tenderão a apresentar uma série de comportamentos e características fisiológicas que estão condizentes com o seu efeito. Maior agressividade, maior altura, mais músculos, mais socialmente dominantes, com mais pelos no corpo, com maior desejo sexual, rostos mais masculinos…

Os autistas tendem a se caracterizar pelo quase oposto, visto que enquanto que os homens autistas tendem a ser menos masculinizados, as mulheres tenderão a ser justamente a do tipo mais masculino.

A minha hipótese é a de que o testosterona altera o cérebro, tornando-o mais ”masculino”, e o chamado ”cérebro autista” seria do tipo hiper masculino, como foi pensado por Baron Cohen. Mas isso não significaria que o hormonio também faria os autistas mais fenotipicamente masculinos, pelo que parece eles não são, os homens especialmente. Portanto, os autistas são mais masculinos em termos cognitivos por causa da exposição ao testosterona, mas eles em média teriam baixa carga de testosterona.

Autismo= Cérebro hiper masculino em um corpo com baixo testosterona.

Pais com baixo testosterona e mães com alto testosterona, seriam mais propensos a terem filhos autistas e enquanto que o filho autista puxaria o pai, a filha autista puxaria a mãe, ambas de alto testosterona.

Outra hipótese é a de que, sim, os autistas masculinos em média, teriam maior carga de testosterona, mas as vantagens evolutivas contextuais do hormonio em homens neurotípicos, como as características que mostrei logo acima, não se fariam presentes nos autistas, porque apesar da maior carga, o testosterona seria de menor qualidade ou com mais mutações.

Em compensação, os psicopatas por sua vez, se caracterizariam pelo excesso de exposição ao testosterona durante o período intra uterino assim como também teriam alto testosterona. Isso explicaria muitos de seus traços comportamentais. Claro, são médias, isso não significa que todo psicopata será assim nem que todo autista será assado, mas pode ser que se relacione com as médias para cada um dos grupos.

O psicopatia seria alguém com um cérebro masculino, um excesso de vantagens do hormonio testosterona.

 

13- Escravos colocam seus deveres antes dos seus direitos. O auto consciente coloca os seus direitos a frente.

 

Se todos seguissem a sabedoria do auto consciente, não viveríamos nestes tipos de sociedades estragadas, extremamente desiguais.

Mais uma compilação de ideias…

O excesso de ideias continua a me afetar e por isso vou continuar a regurgitá-las verbalmente por meio deste combo de pensamentos, ao invés de textos individuais, mas nem todos, alguns assuntos merecem destaque… Não que estas ideias não sejam merecedoras de destaque, mas ou eu faço isso ou vou perde-las mais cedo ou mais tarde.

1- O gênio científico não é necessariamente criativo, pois tenderá a ser perceptivo. As diferenças entre percepção e criatividade e a interação entre as duas.

Darwin foi criativo***

Sua obra foi um monumento científico de tez criativa, mas o mais provável é que não ou que ele foi do tipo descontínuo ( o tipo que geralmente tem poucas ideias e as trabalha melhor, especialmente ao nível Darwin de qualidade). Darwin foi mais perceptivo do que criativo. Percepção e criatividade se complementam mas não são a mesma coisa. A criatividade não-recreativa seria como a extrapolação perceptiva, encontrar OU fazer novas associações de ideias, padrões nas mais diversas áreas. A criatividade neste aspecto, em seu aspecto mais conceitualmente puro, poderia ser entendida como uma expansão da percepção, uma capacidade melhorada desta mesma função.

A percepção interage com a criatividade no sentido de funcionar como matéria prima para o seu desenvolvimento, pois sem a observação e captura de padrões interessantes, incomuns ou potencialmente revolucionários, não haverá terreno para se desenvolver a criatividade, mas geralmente a criatividade não sucederá a percepção inicial, pois o processo se fará em conjunto, no mesmo espaço e lugar.

 

2- Cultura com estrutura ( pseudo religiões), Cultura sem estrutura ( movimento hippie).

 

Sem um núcleo de alimentação transcendental, a cultura morrerá. Será como o cometa que passa rente a atmosfera de um planeta e não como um satélite que faz parte dele.

 

3- Se não existe o livre arbítrio… Então é necessário inventa-lo ou ao menos a livre reflexão.

 

A cultura do livre arbítrio é a cultura da genialidade, da criatividade, da inteligencia. Eh a possibilidade de amplificação de nossa capacidade por meio da educação objetiva.

 

4- A metáfora da vida por meio de uma peça de teatro. Os atores, os diretores, a plateia e os autores ( escritores).

 

A maioria seria como os atores que são manipulados pelos diretores que por sua vez, se utilizam de peças de escritores ou autores (e algumas vezes, deles mesmos).

Mas e a plateia**

Seriam nossos mortos**

5- A raridade do bissexual. Analogia com ambidestria. Homossexual puro, homossexual fluido, bissexual, heterossexual fluido ou misto e o heterossexual puro.

 

A maior parte dos auto-declarados bissexuais serão na verdade de hétero ou homo misto ou fluído. O bissexual puro ou por excelencia é tão raro quanto o ambidestro.

 

6- Homofobia?? Não, homoaversao!

 

Mesmo que seja verdade que existam ”homofóbicos”, a maior parte daqueles que são denominados assim pela mídia, são na verdade de homoaversos. Aversão não é o mesmo que fobia.

 

7- O mundo é feito por enérgicos e não necessariamente por inteligentes ou sábios.

 

O fenomeno hbd, dentre outros tipos…. os comunicadores cheios de energia geralmente o fazem movidos por narcisismo ou por boas intenções. No entanto, sem a inteligencia certa, o máximo que farão será a sofisticação dos problemas que já existem.

 

8- A degeneração do homossexual no mundo moderno e não o homossexual como a degeneração per si.

Eu tenho a impressão de que em um passado ”dentro-do-armário”, os homossexuais se comportavam melhor e também havia alguma espécie de seleção entre eles do que hoje em dia, em que virou moda ser ”sexualmente curioso”.

A degeneração da modernidade não tem como um dos tótens principais de expressão a homossexualidade, mas na construção de um contexto sexualmente livre onde que a mesma aparecerá naturalmente como uma possibilidade.

A degeneração dos próprios homossexuais parece se dar por diversos fatores, dentre eles a popularização deste fenomeno comportamental e posterior vulgarização. O homossexual médio dos tempos ”modernos” é ainda mais sexualmente viciado e agressivo ao passo que, na minha opinião, o homossexual médio do tempo de nossos bisavós parecia ser mais discreto e menos animalesco em seu comportamento.

 

9- O que vem primeiro, o comportamento ou a seleção? O exemplo judeu. Vc é o que vc faz.

 

Parece que existem estágios de seleção (natural, sexual ou antropomórfica). O primeiro estágio é o da própria seleção com base em enfatizações coletivas anteriores (selecionar os mais bonzinhos, os mais espertos, os mais sábios ou os mais altos…). O segundo estágio seria o da prática do resultado desta seleção, a colheita, como quando uma espécie atinge o seu optimum evolutivo.  O terceiro estágio seria o da competição, como quando outras espécies igualmente completas em sua trajetória evolutiva, passam a disputar o mesmo espaço e ou os mesmos alimentos. O quarto estágio seria o da sobrevivencia coletiva, como quando a competição entre as espécies atinge o seu nível mais perigoso e potencial para a extinção ou ao menos para a redução demográfica.

Os judeus são ou parecem ser um exemplo interessante a ser demonstrado. Quando os judeus já estavam trabalhando como mercadores e atravessadores em suas regiões tradicionais de moradia, isso nos parece indicar que eles haviam passado pela fase instável de seleção, a seleção per si, quando os descontentes são expulsos ou saem por vontade própria do grupo e ou os tipos mais condizentes com a proposta de grupo são selecionados. Se voce é aquilo que voce faz, então o judeu mercador, atravessador ou conselheiro real, já é o resultado, o produto de estágios anteriores e não alguém em provação.

No entanto, tais estágios sugeridos parecem se manifestar em diferentes níveis no mesmo espaço e no mesmo tempo. Portanto, os tipos mais condizentes com a proposta cultural de uma coletividade, que serão aqueles de optimum evolutivo, conviverão com aqueles que ainda estão passando pelo processo assim como também em relação aqueles que estão tentando sobreviver. E se o sobreviver vier antes do viver, então isso significa que estará em maior stress do que aquele que ”vive” ”apenas”.

 

10- Hipótese para o aparecimento da pele clara. Mutação para o albinismo parcial recessivo ao invés de adaptação ao ambiente.

 

A explicação habitual para a variação de um traço dentro de uma espécie se dá com base na ”adaptação” as demandas do ambiente. Portanto, para explicar a variação na cor da pele das populações humanas, prioriza-se a ideia de que quando os seres humanos chegaram nas regiões de clima frio, o seu corpo foi ”lamarckiamente” se adaptando as condições. Outra explicação, menos fantasiosa, nos diz que houve uma seleção para aqueles de pele mais clara. Mas como pode ser possível que a pele clara e especialmente a pele praticamente albina de muitos milhões de norte europeus, pode ter sido selecionada se os primeiros caucasianos sequer tinham pele clara*** A explicação mais recente para a pele clara dos europeus assim como também dos leste asiáticos, é a de que os neandertais lhes legaram os genes para esbranquiçá-la. Como, quando e por que certos grupos de neandertais se tornaram mais claros** Mas como tudo isso pode ser possível, se nos dizem que a variação de um traço tende a se dar sem qualquer grande razão, apenas porque varia* A resposta para o enigma variedade, por agora, é por ele mesmo, varia porque varia, ora pois.

A pele clara, especialmente dos caucasianos europeus e principalmente dos norte europeus, segundo esta minha hipótese, se deu por causa de uma constancia de combinações genéticas ao longo da pré história  que resultou na redução da produção da melanina e que estes genes são parentes distantes dos mesmos genes que produzem o fenótipo albino em humanos. Em resumo, se consiste em uma mutação heterozigota dos mesmos genes que causam albinismo.

Não houve adaptação lamarckiana, não houve seleção específica no início deste evento (a fundação da raça caucasiana). O produto destas combinações genéticas (via miscigenação racial com neandertais* extermínios ou genocídios, doenças, etc) foi o aparecimento de uma maior variedade na cor da pele, não necessariamente aquela como conhecemos hoje em dia. E ao longo do tempo, a contínua seleção das pessoas com estes genes para pele mais clara resultou na transmissão generalizada destes fenótipos para toda população ou com base na seleção negativa, isto é, com base na eliminação dos grupos mais atávicos.  Existem grandes chances de estar errado** Sim…

 

11- A teoria do patógeno judeu pra explicar o aumento da inteligência ou astúcia desta população.

 

Uma ”infecção” seria a responsável pela homossexualidade, leia-se, masculina e exclusiva. No entanto, a manifestação heterozigota da Doença de Gaucher em pacientes judeus seria apenas ”a evolução fazendo o seu papel”. Manipulação ao estilo kosher, a gente ve por aqui!!

e como um adendo muito importante para este assunto

 

11.1- Evolução como doença & adaptação por heterozigose.

 

Diferentes ambientes podem ter diferentes tipos e quantidades de patógenos ou microrganismos. Ambientes quentes apresentariam microrganismos ”agressivos” enquanto que ambientes frios teriam menos microrganismos ou que seriam menos agressivos. Inteligência e criatividade evoluíram por heterozigose e seleção, tal como a anemia falciforme.

Os mais altos níveis de capacidade cognitiva, intelectual e criativa, é muito provável de serem versões heterozigotas de doenças ou anomalias do sistema corpo-mente tal como a Anemia falciforme ou a Doença de Gaucher. Mas como são

complexas

e

estão sob forte seleção, especialmente a inteligencia

… então serão menos prováveis de serem encontradas conjuntamente com as suas versões homozigotas.

Eu já sugeri que as personalidades extremas sejam como fenótipos-estirão que se relacionam com o guarda-chuvas ”inteligencia” e que em combinação com alto perfil cognitivo, podem produzir grande capacidade, ao nível de genio.

A metáfora da camisa de força como a consciencia primária. Eu não posso sair do meu corpo sabia** E voce**

12- Níveis de consciência: níveis de cognição e inteligência.

1- consciência corporal primária: ‘auto’ reconhecimento do aprisionamento dentro do corpo. Cognição puramente ativa. Nano-consciencia.

2- consciência corporal secundária: auto reconhecimento do aprisionamento do corpo, sensação ampliada de consciência. Cognição predominantemente ativa (pode sentir a reação mas não pode agir).

3- instinto: o limiar da cognição consciente ou inteligência. Reação instintiva , ativa ou reativa. (pode reagir complexamente a sensação ou reagir).

4- cognição instintiva: reação instintiva ou reativa com  lampejos de auto consciência.

5- cognição auto consciente: reação instintiva + reflexiva, condição humana.

6- auto consciência: reação reflexiva ( reação instintiva em câmera lenta ). Capacidade de se adaptar, criatividade prática ou adaptabilidade. Consciência sobre a seleção natural, sexual ou de qualquer outro tipo, consciência corporal ampliada por empatia genuína, internalização de padrões ou sistemas e busca pela harmonia, princípio da auto conservação estendida ao ambiente.

A consciencia primária sabe apenas de si mesmo e de maneira extremamente simples enquanto que a auto consciencia não sabe apenas de si mesmo, de maneira complexa, mas também constrói um sistema de fatos ou verdades com base na amplitude de reconhecimento ou consciencia. Sabe de si, complexamente, dos tipos iguais, inferiores e sabe complexamente do ambiente.

 

13- Seleção sem evolução ou por conservação.

 

água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

 

Quanto mais intensa for a seleção para determinado conjunto de traços ou fenótipo, mais fixo ele se tornará e mais divergente se tornará.

 

Seleção sem uma enfase unilateral, será mais por conservação do que por evolução.

Do amor ao ódio, por que eu comecei a odiar o hbd??? E por que a ”minha” verdade é muito mais correta que a dos demais**

Eu tenho uma certa implicância em relação aos cristãos. Eu não gosto de pessoas que tagarelam bondade com a bíblia na mão mas fazem exatamente o contrário no mundo real, no mundo das ações.
A maioria das pessoas se encostam nas pseudo religiões porque elas oferecem palavras fáceis e doces, de ESPERANÇA, em relação à única certeza de nossas vidas, a morte. Elas não o fazem em média por razões nobres mas porque são incapazes de  entender  o mundo de maneira literal, Real e por isso procuram por este tipo de pensamento positivo clássico. A incapacidade de produzir percepções realistas quanto à vida anda de mãos dadas com a falta de vontade ou curiosidade para fazê-lo bem como pela covardia que se substancializa a partir destas predisposições fenotipicamente expressadas.
Manter estes sistemas opressores, primitivos, unilaterais, que continuam a perpetuar a falsa moralidade, a moralidade da ignorancia ou da hipocrisia, moralidade subjetiva, não é uma tarefa para pessoas sábias. Pelo contrário, nós temos a obrigação de derrubar por terra estes transtornos em prol de uma Cultura que possa fazer a vida na Terra evoluir.
A maioria dos cristãos e especialmente os mais fervorosos, se pintam como os ”defensores da moral e dos bons costumes”, em outras palavras, eles se apropriam da bondade e a usam como escudo, um escudo egocêntrico, de superioridade. A bíblia aparece como outra arma a ser usada. Mas na verdade, ninguém tem o monopólio da bondade, em termos conceituais e consequentemente, práticos, a não ser que de fato, possa entende-la de maneira visceral.
A multidão de cristãos que repetem como papagaios a moralidade subjetiva que está escrita em suas bíblias, portanto, não tem qualquer estrutura cognitiva ‘e’ psicológica para poderem julgar alguém com base no ”conhecimento” que engoliram sem sentir e entender o sabor.
Este é mais um quase-ótimo texto de Bruce Charlton, um dos blogueiros hbds, em que aponta para uma possibilidade conceitual e taxionômica para o tipo de personalidade que tende a predominar nos gênios ( vamos desprezar aqui as minhas contribuições que o sir, sorrateiramente tem utilizado em seu blogue e sem dar o legítimo reconhecimento a quem lhe apontou o caminho, vamos desprezar esta parte ok?? ).
O texto é quase excelente, porque no final, Charlton tenta manipular seus leitores ( metade deles que não precisam ser manipulados para se alinharem a ele) ao introduzir sua moral cristã usando termos como ”anti social”, ”mimado”… Charlton, o conhecedor e amigo dos ”gênios” ainda solta de maneira absolutamente irracional que.. Os gênios savant, do tipo social, não podem ser líderes, eles devem ser excluídos de qualquer cargo de liderança. Você está me acompanhando caro leitor??!
Os gênios sociais servem apenas como conselheiros. Os líderes, isto é, aqueles que receberão os louros da liderança, devem ser outros. Os gênios desta natureza devem usados de maneira conveniente.
Eu que já não rezo uma ave Maria faz uns 5,6 anos (nem de fingimento) devo ser um degenerado perverso. Nosso querido sir, ao contrário de mim, é um ser ímpar, acima do bem e do mal.
Charlton deve detestar muitos gênios porque ao contrário dele, o gênio empático, principalmente, sabe das inúmeras contradições que povoam uma bíblia, sem falar de todos os conflitos que todas as pseudo  religiões tem provocado.
A conveniência novamente. Charlton tem uma agenda política conservadora e cristã. Tal como um judeu da mídia  a todo momento fala de holocausto, a todo momento tenta alinhar suas palavras com qualquer coisa que expresse a versão judaica da história judaica, Charlton tenta alinhar, arrebatar o seu rebanho dentro da sua linha de pensamento. Bem, todos nós quando estamos tentando convencer alguém de alguma coisa, manipulamos histrionicamente ou não os fatos de maneira que possam se alinhar ao pensamento central. O que Charlton faz é justamente este tipo de manipulação histrionica. Ele é o novo Cesare Lombroso, com sua vontade e talento para estudar o fenômeno da genialidade humana, mas com os mesmos déficits no conhecimento de empatia e de moralidade.

Ele continua com a sua teoria de que ”a evolução produziu o genio para se sacrificar em prol da sociedade em que vive”. Sim, Darwin foi um dos responsáveis pela popularização desta maneira de pensar sobre a evolução.

A evolução não faz nada, porque é uma palavra que resume um conjunto complexo de circunstancias e eventos.

Natureza e evolução são maneiras de dizer

Mas saiba que muita gente deve ter dificuldades para entender esta parte. Como sempre, tende-se a literalizar abstrações e os resultados são quase sempre deprimentes.

A explicação de Charlton para a existencia do genio (savant social ou sábio) humano cai por terra, a partir do momento em que não houve qualquer seleção totalmente auto-dirigida para selecioná-lo como o mártir sábio que endireita a sociedade em que vive, sussurrando conselhos aos ouvidos do líder.

Bruce Charlton é apenas um em uma miscelania de tipos neoconservadores ou conservadores clássicos que usam a ciencia ou o conhecimento com o intuito de forçar a sua agenda pessoal favorita.

A partir disso, ele dá o valor que quiser aos seus estudos. Ele captura informações, percepções ou reflexões para que possam entrar em conformidade com a sua agenda neoconservadora cristã, onde que impera um tipo de moralidade subjetiva.

E não é o único, porque em todos os blogues hbds algo semelhante está a acontecer. Ao invés de buscarem pela pureza dos significados e portanto da verdade e a partir disso principiar pela harmonização, o fazem com o intuito de aparelhamento as suas ideias unilaterais.

Talvez eu estejam sendo muito duro em relação a eles se todo mundo faz isso, talvez devesse expandir meu ódio a humanidade em geral e não apenas a um grupo. Mas o conhecimento que esta comunidade está a tentar monopolizar ou ao menos conceber como ”seu”, é muito importante porque é um dos que mais se aproximam da verdade absoluta, da verdade objetiva + verdadeira subjetiva ou abstrata. E suas implicações poderão ser muito negativas.

Charlton deseja que ou mais genios savant sociais acatem suas propostas unilaterais e entrem em sintonia com suas crenças cristãs e neodarwinianas. Pra ele, assim como também para grande maioria das pessoas, as suas crenças estão absolutamente corretas. NOSSAS crenças nunca estarão plenamente corretas, ao menos se fossemos como Deus.

Por que a ”minha” verdade é muito mais correta do que as dos demais**

O que eu tenho ou expresso de superior em comparação ao Charlton**

Bem, Charlton não é uma pessoa diplomática. Ele tem suas vacas sagradas unilaterais. Não é ruim ter preferencia, é ruim quando essas preferencias não são perfeitas.

Por exemplo, a minha preferencia pelos virtuosos é superior a preferencia de Bruce Charlton pelos judeus, porque enquanto que os virtuosos serão em média, uniformemente melhores do que os demais grupos de comparação, ”os” judeus não serão.

Portanto, mesmo a ideia de grupos versus indivíduos, podem ter as suas generalizações racionais mediante certas perspectivas, a partir do momento em que o grupo se consistir em uma reunião uniforme de semelhanças como a bondade dos virtuosos.

Nem todo judeu é assim, mas todo virtuoso será assado. A virtude é o elemento agregador do grupo de virtuosos ao passo que a judaicidade, étnica (a mais importante), cultural, religiosa ou espiritual, serão OS elementos agregadores, não há uniformidade, especialmente a do tipo que enfatiza atributos objetivamente positivos.

Charlton acredita que a verdade encontra-se na bíblia e no livro de Phillipe Rushton… As verdades estão em todo lugar. Eu não estou preocupado ”com elas” porque são subjetivas, unilaterais e podem ser aplicadas para as mais diversas serventias. As palavras podem mudar de tom de costa a costa. Eu estou preocupado com a verdade absoluta, a unção entre a verdade literal ou objetiva e a verdade abstrata ou subjetiva. Portanto, as verdades ou o conjunto de factos, dogmas, factoides e mitologias que Charlton se alimenta ou tem se alimentado em toda a sua vida, não são absolutas, porque nem a bíblia, nem os livros de Darwin ou Rushton deterão toda a verdade. A verdade absoluta é ”a verdade de Deus”, que nenhum bípede desajeitado é capaz de ter ou de encontrar, mas o exercício desta tarefa se consiste na legítima religião, que o budismo e taoísmo orientais chegaram mais perto. Portanto, vale apena exercitar a pura religião de um ser que está dotado de um maior horizonte de conhecimentos do que apenas o instinto de reagir e se conservar.

Eu não tento capturar a minha verdade, mas A verdade, mesmo aquelas que são expressadas em metáforas mitológicas.

Charlton está em uma constancia normativa de pensamento em que a narrativa unilateral ou instintiva o mantém preso dentro de uma perspectiva menor, mais acanhada, de animal menos reflexivo. Nesta perspectiva, o anti-natural, aquilo que ele diz que a ”evolução não poderia conservar”, só poderia ser uma forma de perversão, a perversão dos desígnios naturais.

Se fosse um real moralista objetivo, Charlton evitaria fazer e acreditar nessas premissas ou ao menos seria mais honesto ao acusar grande parte da natureza não-humana de ser igualmente perversa. Mas a perversidade de Charlton é tão subjetiva quanto de um católico ou de um evangélico. Não é indubitavelmente certo ou errado, pois se prende a contradições.

A virtuosidade dos virtuosos não é contraditória, talvez o pleonasmo possa ser considerado como a manifestação mais pura de causalidade. Mas, como um cristão, cheio de amor e em busca da palavra de Deus, Charlton não parece estar muito preocupado em generalizar suposta virtuosidade em grupos que se agregam por meio de um parametro diversificado ou sem valor moral objetivo assim como também para generalizar negativamente.

Tudo isso se resume a

agenda pessoal cristã, socialmente conservadora e neodarwinista

subjetividade de julgamento e portanto potencial injustiça de julgamento

pensamento ”animal”, pragmático, duro e anti-humano

Os hbds tem parte da fonte do conhecimento mais realista, mais condizente com a verdade, mas suas cabeças continuam a se expressarem como atores ou aqueles que estão dentro do cenário e não como juízes neutros. Não são de observadores da cena, não estão pensando e talvez sequer tenham a capacidade inata para pensar com as suas respectivas personalidades-Deus, são de atores e todo ator é vaidoso. Eles querem fama, reconhecimento material, intelectual, querem que escolas americanas ou britanicas tenham os seus nomes ou ao menos almejam provar pra si mesmos que são melhores.

Charlton e a maioria dos hbds acham que o mundo é bom, ruim são as pessoas estúpidas ”de” baixo qi. Elimine-as e viveremos em um paraíso. Eh evidente que não é bem assim eu eu vou provar o porque em um próximo texto.

Desprezam o papel colossal de suas tão amadas ”elites cognitivas” em relação ao desenrolar da estória de idiotices da espécie humana, desprezam o sofrimento alheio, são frios com suas calculadoras a tira colo.

E eu não quero mais participar disso…

Jornalistas sensacionalistas clamam por hostilidades sem substancia para ter mais audiencia…

Eu que faço o exato oposto no sentido de ser lido por mais leitores (ao invés de uma agenda política bem estabelecida eu decidi por uma não-agenda, virtualmente, por exemplo), tenho aprendido a conter meus ímpetos e aperfeiçoo a minha duvidosa capacidade de escrita, com base em objetividade, julgamento correto, ou seja, holístico, ser verbalmente crítico, algumas vezes cruel, com aqueles que merecem, mas sempre buscando dar uma lição de moral, a partir da neutralidade, sempre em busca da

holisticidade

objetividade

neutralidade

sabedoria

criatividade

e inteligencia, e não apenas a cognição.

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

REBLOGADOR

compartilhamento, humanismo, expressividade, realismo, resistência...