Arquivo | fevereiro 2015

A poderosa empatia cognitiva

A observação simples e detalhista (ou holística, uma forma de detalhismo perfeccionista) do meio natural e antropomorfizado, é a primeira parte para fundamentar um pensamento, uma teoria, isto é, a compilação de um conjunto de pensamentos ou padrões ou uma emoção, isto é, o pensamento não-padronizado.

A segunda fase do pensamento, ou seja, a sua sofisticação, objetiva, sintetizada e holística, se dará por meio da empatia cognitiva não-social.

O que separa os pensadores originais dos consumidores de pensamentos alheios, ou seja, os não-pensadores, se não a capacidade de ter empatia com relação ao objeto de estudo*** Sim meus leitores, o amor, a paixão a certo assunto, não é apenas uma maneira romantica de definir a relação que existe entre o pensador, o observador ou pesquisador e sua área de interesse. Eh amor sim,  que se manifestará exatamente como na empatia interpessoal, no ato de se colocar sobre outra perspectiva, que não seja a sua, ou seja, metaforicamente falando, se sobrepor a perspectiva de um assunto, tal como se fosse a relação de amor entre um casal de apaixonados.

Quando estamos namorando, queremos saber cada detalhe da pessoa que está conosco, seus gostos, suas manias, seus pontos fortes e fraquezas. Será que o mesmo não aconteceria com a paixão do observador em relação a sua área de especialização***

A empatia, o ato de se colocar em outra perspectiva, tal como no caso da sabedoria, a ideia de ”fora-do-corpo”, o médico tem um panorama muito mais abrangente do seu paciente do que ele mesmo teria. Nem por meio de um espelho que o paciente poderia ter a visão tridimensional e direta do médico.

A paixão não é apenas o tempo gasto pensando sobre um determinado assunto.

”90% transpiração, 10% inspiração”

Quem que nunca ouviu  esta famosa frase**

As pessoas precisam entender que frases curtas e de efeito, nem sempre estarão totalmente corretas e na verdade, como é muito difícil sintetizar em poucas palavras uma complexidade de variáveis para qualquer assunto e sua infinita expansão, é mais provável que estas famosas frases, quase sempre apresentarão uma proporção de verdade e de mentira, como para tudo.

A empatia cognitiva não-social, baseado em obsessão mas também em uma comunhão existencial profunda entre a personalidade, a identidade e o objeto de apreciação ou de investigação, não é rara entre os seres humanos, mas a sua intensidade variará e tal como em quase todo traço, será demograficamente diminuta nos seus mais altos níveis, especialmente porque a natureza, sempre termina preferindo o equilíbrio do que o ”excesso”.

Tal como quando voce está muito feliz, o tempo passa rápido e voce não sabe explicar muito bem o porque de estar feliz. Voce pode apontar as causas exteriores, mas não sabe explicar porque a sua biologia comportamental se conecta aquele momento de maneira tão especial.

Este transe de alegria e regozijo se manifesta entre os pensadores originais, quando eles estão falando, pensando e produzindo sobre seus objetos de interesse. Uma carta de amor se assemelha a uma teoria. Eh uma declaração de amor a vida, mas também a si próprio, é o brilho no olhar, a contemplação da sabedoria, de ver que está tudo exatamente como gostaria que estivesse, isso sem falar na pressão interior para o melhoramento, a sofisticação das ideias.

Eh semelhante como quando, nós, enquanto consumidores de pensamentos e ideias, nos deparamos com uma ideia que  naquele momento, pareceu ser extremamente esclarecedora.

O verdadeiro aprendizado não se dá por meio de decoreba, mas pela antropofagia metafórica do conhecimento, quando este se torna indissociável de nossa personalidade, de nossa identidade existencial.

Eh por isso que o tipo de inteligencia influenciará na personalidade.Terá um papel fundamental para todas as nossas motivações, gostos, nossas amizades bem como por nossas predisposições comportamentais como a docilidade ou o inconformismo.

Inconformidade empática-objetiva e a bondade ”oficial”

Segundo qualquer revista ”mainstream” de psicologia mais próxima de voce, alguém que for dotado de grande amabilidade e conscienciosidade, dois dos cinco grandes ”traços” de personalidade, será mais ou menos parecido com o Bob Esponja calça quadrada, uma espécie de funcionário do mes.

A ideia de amabilidade mais parece com um substantivo para ”bondade”. O amável é uma pessoa gentil e boa. Será**

Existem dois tipos de pessoas que poderiam ser chamadas de ”extremamente boas”, justamente, os ”amáveis’, segundo a teoria do ”big five”, e os inconformistas empático-objetivos.

A fundamental diferença entre os dois é a de que enquanto que uma pessoa amável, segundo os critérios de comportamento ”civilizado” da ‘‘psychological today’‘, será alguém que quase sempre se mostrará simpático, atencioso e empático, sem demonstrar grande preocupação com os reais problemas da sociedade, o inconformista empático-objetivo, será exatamente aquele que lutará objetivamente contra o sistema, que quase sempre será corrupto, desonesto e genocida.

A mídia nos empurra que as pessoas boas são comportadas, sempre dispostas a ajudar, que jamais matariam ou fariam qualquer coisa que pudesse atingir outros indivíduos, mesmo que estas ações fossem benéficas a longo prazo. Alguém que esteja sempre com um sorriso largo estampado no rosto e nunca discute sobre assuntos polemicos, que possam ferir as sensibilidades alheias, é o protótipo ideal do ”bondoso cristão”, que oferece a outra face, nunca revida, nunca faz justiça, porque a justiça já está feita, a justiça é atemporal, é divina. Se não fossem por imposições não-democráticas, parte do mundo não teria se pacificado.

Da mesma maneira que, se não fosse pela crescente oposição ao mundo idiocrático que desejam criar, já estaríamos vivendo em uma ditadura a la Coreia do Norte, com 0% de liberdade.

Estando em um ambiente desigual, cruel e estúpido, o verdadeiramente bondoso, imediatamente que se tornará um revoltado, apontando os defeitos e as soluções e para apontar, é necessário dizer o nome dos bois em voz alta. O verdadeiramente bondoso será aquele com uma capacidade de sentir empatia muito elevada, mas que não será cega ou inútil de uma maneira objetiva.

A combinação mais que perfeita do ‘‘bondoso domesticado” será por meio da união embrionária da conscienciosidade e da amabilidade. Uma pessoa destas, será o suprassumo da bondade cristã.

A inconformidade é uma característica selvagem de personalidade. Muitos inconformistas terminam no mundo do crime. A grande maioria dos psicopatas são de outsiders. Nesta panaceia de tipos muito discrepantes entre si, aparecem aqueles que terão uma grande capacidade real de melhorar o mundo.

Em nossas sociedades primitivas, as pessoas negam a verdade natural por suas versões biologicamente prediletas de realidade, seja por meio das culturas dogmáticas tradicionais ou ”religiões”, seja pelo esquerdismo moderno, o culto dogmático ‘atual’ do Ocidente.

As pessoas olham para uma paisagem, mas a ”religião” lhes diz que esta paisagem não é aquilo que é, mas aquilo que a ”religião” diz que é.

A relação entre ”religião” e domesticação é bem conhecida e lógica.

O bondoso domesticado, pode ser gentil e cuidadoso com a maior parte das pessoas e ser incapaz de ”fazer o mal”. Mas ele também será incapaz de se rebelar contra qualquer sistema. Sua bondade não será capaz de ser realmente efetiva como expiadora dos conflitos e defeitos e a resolução deles.

A ideia de que alguém que seja inconformista, tenderá a ser não-empático, não se sustenta, partindo da ideia de que seja muito comum que pessoas comuns e inconformistas tenham uma tendencia para entrar em conflito quanto aos seus interesses.

Simples assim, o inconformista empático, objetivo e inteligente, tenta alertar as pessoas que a sociedade que sustentam é uma cilada, injusta e perigosa. Mas a pessoa comum ao se ver com os seus olhos desvendados, se tornará arisca por causa da tentativa de destruição de suas ilusões e certezas absolutas. Eh como se voce tirasse o chão de uma pessoa, dissesse que não apenas a vida dela fosse uma mentira, mas que a própria pessoa fosse uma mentira. A matrix é sua zona de conforto e sempre será, visto que aquele que não pode, enxergar a realidade e viver paralelamente a sua cultura neurológica ou biológica, sempre precisará destas pessoas para pensar sobre o mundo, nunca por conta própria. Ainda assim, é melhor viver em uma matrix feita por alguém de confiança do que de terceiros e psicopáticos.

A suposta falta de empatia daqueles de alto psicoticismo e propensos a inconformidade, não será uniforme quanto a sua distribuição e muitos dos inconformistas, serão muito mais empáticos do que o ”bondoso domesticado”.

Em uma escala hierárquica de bondade, o inconformista empático, objetivo e especialmente o mais inteligente (o solucionador de problemas, o globalmente inteligente, o pensador profundo e holístico, enfim), será o suprassumo da bondade, não apenas por  causa de sua capacidade de fazer o bem de maneira literal e integral, mas também porque muitas vezes preferirá o sacrifício do  sucesso pessoal em prol da missão (geneticamente predisposta) para espalhar a verdade para as pessoas, mesmo sabendo dos riscos.

A bondade pode ser muito mais forte e poderosa do que imaginamos e temos de aprender a confiar nestas pessoas ainda que, para uma pessoa comum, será difícil de reconhece-las.

Narcisismo e seu papel para a motivação intrínseca

Se não fosse pelo meu narcisismo  proeminente, eu não teria criado este blogue, não debateria com estranhos pela internet, ao ponto da petulância de alto risco e a partir do momento em que percebesse meus constantes erros de gramática e de concordância verbal aqui no blogue, já teria parado de escrever.

Uma das maiores forças do ser humano é o seu ego. Sem ele, nós seríamos presas fáceis. Um dos principais componentes não-puramente-cognitivos da criatividade é a auto expressão. Sem esta motivação intrínseca, nos empurrando para buscar qualquer tipo ou nível de fama, não haveria razão para a criação. Mesmo aquele projeto que não saiu de sua mente, foi pensado para ser apreciado e usado por outras pessoas. A persistência ou a teimosia e o desprendimento do ego superficial, da aparência, são fatores extremamente importantes para a realização criativa. E não apenas a nível individual. Por exemplo, uma das razões para a decadência das civilizações se dá justamente quando  perdem a segurança em si mesmas. A auto confiança, um dos “sintomas” mais característicos do narcisismo, apresenta alto risco, porque aquele que demonstra grande segurança em si mesmo, o faz dotado da plena certeza de que está certo. Enquanto que este natural sentimento impulsionará a maioria dos gênios criativos em busca da realização e posterior reconhecimento (ou não), poderá fazer o cidadão mediano trocar os pés pelas mãos e se tornar vulnerável à chacota. No entanto, o narcisismo pode funcionar muito bem como uma terapia para pessoas emocionalmente vulneráveis se o melhor remédio para a baixa auto estima seja justamente uma elevada auto estima.

A genialidade não é um status baseado em reconhecimento. Na realidade se consiste em uma predisposição natural para realização criativa, intelectual ou técnica de altíssimo nível. No entanto, existe a real necessidade de que a criatividade seja exteriormente expressada para que possa ser reconhecida, admirada e usada pela sociedade.

O espelho d’água de Narciso

Quão bom seria se o límpido Lago azul se transformasse em uma plateia de bajuladores sinceros,

Tão bom seria se a minha beleza fosse exaltada aos quatro cantos, viajando pelo vento e aspirando cada ser desavisado,

Mas o começo do meu amor recíproco, nasceu suave e consciente logo na primeira auto análise,

Ao me descobrir só, tal como se fosse um Jardim selvagem, passei a cultivar-me, antes de todos, para mim mesmo,

a primeira auto expressão foi mortal, de amores eu cai, vendo toda a verdade em meus próprios olhos, eu senti que tudo o que emanava de mim estava certo,

uma verdade tão absoluta, que é maior que qualquer mentira de verdade,

Meus sonhos se fazem com pés no chão, não devaneio, porque o que vejo é a mais pura das obviedades,

A minha fúnebre admiração pela sombra que tocam meus pés é minha certeza, porque quando o céu absoluto é a finitude da vida, é melhor continuar a admirar a sua poeira se esvaindo…

Quando a consciência alarga muito acima de nossas fraquezas, a alma do lago limpo se tornará a mais doce das distrações,

Portanto, deixe-me aqui admirando a minha linda face, a minha fluidez de vida, até que os grilos da noite apaguem o brilho do sol.

O verdadeiro, único e holístico teste cognitivo, entender o mundo real

Algumas espécies de aranha podem fazer belíssimas teias, mas não podem evitar o parasitismo mortal de vespas parasitas. Algumas aranhas apresentam a capacidade cognitiva para construir as suas teias, mas não tem a capacidade para detectar o inimigo antes que se tornem vítimas do seu parasitismo. Vivemos em um labirinto. Os realmente mais inteligentes são capazes de entender o ambiente em que vivem. O princípio fundamental da existencia é a sobrevivencia. Talvez eu possa estar sendo injusto quando falo nos ”mais inteligentes”, porque se a inteligencia humana é complexa e diversificada, então haverão muitos outros tipos de ”mais inteligentes”. O correto portanto, será  que, mediante uma perspectiva holística, do perfil cognitivo a la Sherlock Holmes, portanto, para nós, os savant social que somos bons em farejar contradições, a inteligencia se caracterizará especificamente pela capacidade de entender o mundo real. Talvez estejamos mais próximos da vespa parasita, do que em comparação a aranha. Talvez, segundo a ideia de sabedoria como diplomacia, a capacidade de ver todas as perspectivas e de uni-las harmoniosamente, a do terceiro olho, sejam uma capacidade comum para híbridos de vespas parasitas e  aranhas.

Memória autobiográfica ou acumulativa-experiencial e objetiva.  Sabedoria, a mais pura forma de inteligência humana
A sabedoria é a mais pura forma de inteligencia, se consiste na alma da inteligencia, de sua consciencia. Os mais sábios, usam o seu ”terceiro olho”, que não fica na parte inferior do corpo, para entender o mundo de uma maneira holística e de usar esta capacidade a seu favor. Nos mais altos níveis de sabedoria, o egoísmo de usá-la para si próprio é largamente substituído pela tentativa de transmissão deste dom para os outros, visando harmonizar em larga escala, o ambiente que o rodeia.
O sábio é aquele que é dotado de uma grande e objetiva memória, que é capaz de recuperar com rapidez as informações mais condizentes para cada situação. A objetividade é uma característica altamente relevante para a sabedoria. O sábio nunca se prende a sofisticações sem sentido.
Tal como foi dito por Temple Grandin, em seu famoso video, o cérebro dos sábios também tenderão a funcionar, metaforicamente falando, tal como uma escrivaninha cheia de gavetas em que a resposta mais pertinente para determinada situação será imediatamente recuperada para uso objetivo ou subjetivo, ou seja, a gaveta onde esta informação foi guardada. Grandin consegue recuperar uma grande quantidade de informações visuais, representadas por categorias de imagens memorizadas, quando lhe é pedido para que pense sobre um determinado assunto, por exemplo, sobre raças de cachorros. A partir do momento em que sua mente começa a trabalhar, uma série de imagens de diferentes raças de cachorros aparecerão em sua mente. Algo parecido acontece com a mente objetiva do sábio.
Eu tenho a impressão de que a memória emotiva ou autobiográfica, sejam fundamentais para definir cognitivamente o que a sabedoria significa. Será por meio de nossas experiencias e posterior captura de percepções (padrões de correlação e causalidade dentre outros aspectos do mundo real e portanto natural) que a memória emotiva ou autobiográfica será construída. E será a partir dela que se produzirá a sabedoria.
A memória emotiva ou autobiográfica é a memória mais usada pelo sábio, inclusive e especialmente para tarefas cognitivas, ao passo que para o neurotípico, a memória semantica se encontrará isolada da memória emotiva. O sábio tem a sabedoria de entender que mesmo a mais neutra das tarefas cognitivas estarão retidas de considerações pessoais, emotivas, visto que o ser humano não é capaz de separar adequadamente a informação semantica, cognitiva neutra, da informação emotiva. O sábio entende esta realidade e a utiliza como meio de observação e captura de percepções do seu meio, enquanto que o neurotípico, usa sua memória semantica, acreditando que esta estará totalmente retida por informação puramente cognitiva e portanto, culturalmente neutra, mas que no entanto, se encontrará tão misturada quanto a memória de um sábio. O grande diferencial é a consciencia do sábio sobre esta realidade. Justamente por isso que ele consegue separar em diferentes categorias as informações e lhes prestar análises sucintas e adequadas para cada uma delas.
A aranha poderia ”ter” um alto qi aracnídeo, a inteligencia técnica para tecer sua belíssima teia. Mas seu alto qi aracnídeo mostra-se completamente inútil na hora de lutar contra o seu parasita habitual. Como nem todas as aranhas  serão enfeitiçadas pelo ”sussurro da sereia”, então é possível que as aranhas mais espertas, sejam mais parecidas com as vespas parasitas em tipo de mente do que com suas irmãs menos afortunadas. Aquele que pode entender os passos do psicopata, um pouco psicopata será, especialmente em termos cognitivos. O paradoxo da sabedoria é a de que o sábio seja uma espécie de psicopata, em termos cognitivos, mas dotado de grande empatia, tão objetiva quanto a sua memória. As aranhas mais ingenuas, assim como o próprio ser humano, não pode conceber que certos tipos de maldades possam ser praticados. A bondade genuína, natural mas também inconsciente, é uma profunda fraqueza se comparada a esperteza dos maquiavélicos e não deve ser exaltada como superioridade moral. A superioridade moral é a justiça, a prática da moralidade objetiva.
Portanto, em um mundo extremamente complexo em que vivemos, algumas pessoas terão grande capacidade de entender o mundo real, principalmente porque usarão de suas sabedorias como bússolas. Esta capacidade instintiva e intuitiva de entender o ambiente de vivencia é um super desenvolvimento de uma capacidade essencial e antiga de qualquer espécie, a sobrevivencia. O sábio se complementa em seu equilíbrio de funções intelectuais (e não me refiro a perfil cognitivo técnico como ter alto qi verbal e espacial, me refiro a forma mais pura e essencial da inteligencia, não apenas da inteligencia humana),  seu grande controle cognitivo e sua praticidade para enxugar os excessos do mundo superficial da civilização e de encontrar a verdade, sempre holística, diversa e internamente complementável.

Sou anti-racista e pró-branco, posso**

Nas cabecinhas ocas e vazias, abertas para passar correntes de ar, dos esquerdopatas, o racismo é o pecado original. Bem, se voces pedirem para nossos queridos tolinhos para explicarem o que isto significa, eles lhes darão respostas extremamente simplistas e claramente enviesadas em considerações de terceiros, tal como bons tolos que são, sempre fazem. A diferença entre um dogmático de esquerda e um dogmático de direita, especialmente do tipo religioso, é inexistente quanto a essencia, porque ambos são estúpidos, fanáticos, lunáticos e não entendem como funcionam abstrações, visto que as literalizam quando não é pra ser feito.

Na cabeça dos dogmáticos, não existe meio termo, não existe diversidade, complexidade de circunstancias ou opiniões mas existem pseudo-contradições. Sim, como eu já mostrei, faz um certo tempo já, a maior parte das pessoas veem o mundo em uma perspectiva estrábica, confundindo objetividade com subjetividade. A culpa fundamental se encontra em suas mentes dualistas, que não podem aceitar a sabedoria.

O evangelho de lavagem cerebral (que eu também já mostrei que necessita de predisposições inatas anteriores, tudo depende da genética) dos dogmáticos de esquerda lhes ensina que o homem branco é a personificação abstrata, literalizada, do mal e portanto do pecado original.

‘homem” branco= mal

”homem’ não-branco= bom

Quem já leu ” A revolução dos bichos” entenderá claramente o que estou tentando dizer.

Portanto, qualquer coisa que se aproxime de uma simpatia pela cultura, nações ou mesmo por pessoas ”brancas”, será imediatamente reconhecido como ”pecado original do racismo”.

Em uma cabeça racional sadia, o racismo se consiste na sistemática perseguição, injusta, contra indivíduos de uma ”raça”, sem levar em consideração muitas variáveis objetivas que poderão ser mais condizentes em relação a diferentes situações cotidianas.

Em uma cabeça esquerdopática e doente (algumas vezes a patologização é necessária, especialmente em relação aos patologizadores oficiais, os da situação, que tem o poder de infringir sofrimento aos seus ”subalternos” ), o racismo se consiste basicamente em ”homem branco”.

Quem viu o filme Toy Story 3, deve se lembrar deste macaquinho, o cagueta que acusa todos aqueles que tentam fugir da escolinha de jardim de infancia distópica que parte dos brinquedos do Andy foram parar.

A imigração em massa de alógenos mais a baixa fecundidade da população nativa, mais a lavagem cerebral coletiva da população branca para a miscigenação racial e auto-ódio racial, irá resultar em seu desaparecimento, aka, genocídio.

Isso parece bem simples de entender meu caro leitor, mas para a mente esquerdopática, é como se fosse física quantica, é como dar inúmeras voltas entre a porta de casa e a esquina ao lado, e nunca chegar na esquina. Os famosos dogmas ou factoides, mesmo que tenha uma linha reta para voce ir do ponto A até o ponto B, se voce tiver uma mente dogmática e o dogma se localizar exatamente no ponto B, voce nunca chegará ao ponto final.

Eu sou anti-racista porque sou contra qualquer forma de injustiça. E eu sou pró-causa branca, porque os indivíduos brancos não tem culpa das bobagens que suas elites (e cada vez mais, ”suas” zelites) fazem e já fizeram no passado. Nós não podemos culpar cada indivíduo da raça caucasiana europeia pela escravidão na Africa. Eu mesmo, não tenho culpa de absolutamente nada.

Em um mente racional e sadia, a minha explicação fará todo o sentido, menos para dogmáticos dentre outros tipos de estúpidos.

Conformidade se relaciona com estabilidade mutacional

O louco e o rebelde

 

Cérebros ”saudáveis” ou ”mais saudáveis” reverberarão em uma melhor saúde fisiológica que reverberarão por sua vez em uma cultura neurológica ”saudável”. Pra que se preocupar não acham*** ”O mundo tá ruim, mas as coisas sempre se encaixam no final, sempre tem um final feliz”, não acham** Baixo psicoticismo e baixo neuroticismo, caracterizam o predominantemente conformista. Aquele que é dotado de uma calma inconsciente, que apesar de concordar que o mundo não está ruim, não está lá muito preocupado em melhorá-lo e se absorve em crenças positivas de esperança, a eterna esperança de que sempre haverá uma luz no fim do túnel.

Uma maior carga mutacional, quase sempre causada por predisposições genéticas, a famosa combinação dos genes de nossos pais, que na minha opinião, é o princípio fundamental de todos as expressões genotípicas humanas e de outras espécies, tende a produzir cérebros incomuns, muitos deles que virão com maiores custos. Como quando a programação evolutiva e reprodutiva, que faz com que a maioria se preocupe obsessivamente com a socialização e a procriação, é desligada por causa de uma morfologia cerebral diferente. Esta morfologia pode produzir um cérebro mais feminino em sua aparencia e dinamica interior em homens, o ”cérebro da mamãe, no corpo do filhinho”, e torná-lo homossexual.  Da mesma maneira que a lateralização anomala tenderá a desligar certos ímpetos naturais para procriação, ela também tenderá a desligar nossos ímpetos sociais, como as espécies de mamíferos que evoluíram para a socialização coletiva.

Portanto, uma das explicações biológicas para a existencia tanto da conformidade quanto da inconformidade é o tipo de lateralização. Percebam que os cérebros incomuns geralmente serão minoritários. Isso nos ajuda a entender porque as massas tendem a pensar parecido. Porque os cérebros que enxugam mais os custos de excessos mentais, foram selecionados pela natureza, não apenas em humanos mas também em animais. Voltando a minha constatação habitual de que, a natureza não é uma mãe não, é uma madrasta…

Desculpe-me Maggie, mas voce tem cara de madrasta.

Psiquiatria e a sua função como o prego que martela a inconformidade

Com as mídias sociais, as bobagens pseudo-científicas mais famosas tal como sobre a ”inexistência de diversidade biológica humana entre grupos populacionais”, se espalharam rapidamente. As redes sociais da internet funcionam como uma sofisticada peça para a conformidade social, cultural e de opiniões. Antes dela, a psiquiatria apareceu como um importante meio de patologização da dissidência comportamental e de opiniões. Ainda que não negue a existência de personalidades extremas, que apresentam um perfil altamente desequilibrado de funcionalidade e comportamento, não se pode, primeiro, concluir que todo aquele que apresenta alguma destas condições seja um louco irracional (sendo que o mais provável é que exista  uma grande variedade, dos gênios hiperracionais, aos lunáticos mais desiludidos). Também não se pode concluir que aqueles que tenham similaridades etiológicas, isto é, os heterozigotos com aqueles de personalidades extremas, façam parte do grupo de lunáticos ”oficiais”. Na verdade, meu caro leitor, o mais provável é que os lunáticos mais perigosos sejam  justamente os normais ou que pareçam normais aos olhos da maioria.

No mundo de hoje, estamos assistindo ao auto trancafiamento da matrix, tal como tantas outras que já surgiram dentro das comunidades humanas no passado. As verdades absolutas que os verdadeiros lunáticos, da esquerda e da direita,  te acusam de regurgitar, na verdade, se consiste em uma popular técnica de auto projeção, te acusam de ser e de fazer aquilo que eles mesmos fazem. Isso mostra que o tato com a realidade, com a lógica e em busca da detecção de contradições, é um dom raro entre os seres humanos, que se auto definem como ”os seres racionais”. Como para tudo na vida, existe um espectro de racionalidade. E se para sermos puramente racionais, tivéssemos que pontuar 5 pontos, em uma escala de 0 a 5, a maior parte das pessoas pontuariam abaixo da metade do caminho, demonstrando que a proporção de racionalidade dentro da mente humana mediana, é menor do que a da irracionalidade.

O constante hábito de expiar as próprias ações do cotidiano, a  famosa reflexão, é uma tendência comportamental presente em uma pequena parcela da população.

Se a maior parte das pessoas são predominantemente irracionais e atendem inconscientemente aos caprichos instintivos de suas naturezas, então, as instituições de controlo cultural, precisam e atendem a essas demandas. O capitalismo não é apenas uma ideologia de organização econômica das sociedades, mas também é um meio de permuta bio-cultural em larga escala, das instituições humanas e de seus clientes, isto é, os próprios seres humanos. Tal como o comércio se adapta ao gosto dos seus fregueses, os controladores não apenas fazem o mesmo, mas mesclando esta subordinação pragmaticamente capitalista, com suas vontades, seus desejos pessoais ou de grupo para a manipulação destas interações. Basicamente, a cultura de massa se consiste na mescla dos desejos naturais da maioria, com os desejos dos controladores sociais ”e” econômicos, ou seja, de suas elites.

 

O perfil psicológico do inconformista cultural

 

Eu tenho falado neste blogue, dos tipos inconformistas por meio de diferentes denominações. São os solucionadores de problema ou os rabugentos empáticos. Os ”puramente inteligentes” e recentemente eu cunhei de ”globalmente inteligentes”. Pensemos, se nós estamos em uma sociedade ou em um sistema desigual, injusto e primordialmente equivocado, nós, logicamente, concluiremos que vivemos em uma sociedade problemática e que devemos fazer alguma coisa para melhorá-la. Pois  bem, boa parte de nossa ”fração inteligente”, nossos termites ”de” ”alto qi”, não parecem estar lá muito preocupados com todos os tolos problemas humanos. Aquele que consegue detectar antes de todo mundo uma desarmonia, seria um ”puramente inteligente” ***

Cognitivamente falando, o inconformista tenderá a ser um grande pensador holístico, que é capaz de encontrar contradições bem como de produzir harmonia para vários assuntos. Geralmente, ele será um savant social, isto é, uma pessoa com um perfil assimétrico de inteligencia, onde o talento de percepção holística social, retida de uma motivação intrínseca para estudar sobre o comportamento humano e tudo aquilo que o abarca, será a sua principal capacidade cognitiva.

Em termos de personalidade, o inconformista social precisa ter elevado psicoticismo. Muitos inconformistas sociais serão borderline para psicose. Isso explica o porque da fácil popularização do ”louco conspiracionista”. De fato, os ”loucos” inconformistas tendem a ser meio ”loucos” mesmo, especialmente mediante uma ”óptica de gado”.

 

A psiquiatria é uma fábrica de diagnósticos e de invencionices de pseudo-patologias comportamentais. Os tais ”transtornos de personalidade” são, em mais da metade dos casos, invenções grosseiras. Na verdade, poderíamos dizer, mediante uma perspectiva hiperreal, de que nenhum transtorno mental realmente existe e se baseia basicamente na patologização unilateral de um grupo de pessoas, buscando adequar a diversidade humana a um conjunto prévio de normas e condutas sociais. No mundo natural, no entanto, marcadores bioquímicos e fisiológicos tenderão a delimitar as fronteiras da ”adaptabilidade e reprodução” e de ”mal-adaptabilidades”. Nós usamos a cultura e a linguagem como método de delimitação da adaptabilidade e mal-adaptabilidade. Ainda assim, uma boa parte desta fronteira artificial será equivocada, porque muitos dos chamados ”mal-adaptados”, na verdade, apresentam maior valor evolutivo do que os ”conformistas adaptados”. A grande capacidade perceptiva, extremos da capacidade humana bem como a própria inconformidade, seja por causa de incapacidade de adaptação, tal como quando uma peça de quebra cabeças não se encaixa em nenhuma parte do mesmo,  seja por causa do ”excesso” de preciosismos comportamentais tal como a sinceridade e honestidade do autista, aparecem como ameaças reais ao poder de controladores psicopáticos das comunidades humanas. O genio do mal quase sempre acaba dominando as sociedades humanas, ao passo que o genio do bem, especificamente, o genio administrativo, termina meditando em alguma região afastada das aglomerações humanas.

A bondade parece ser mais fraca que a maldade. Isto é um assunto para um próximo texto.

No mais, a patologização oficial feita pela psiquiatria, pode estar tendo um papel muito poderoso para a paralisia da dissidencia natural…

 

 

A reação de Emma West não foi infundada ainda que tenha sido perigosa, tanto pra ela quanto para o seu filho. Tal como as rosas mais belas tendem a sentir o perigo antes, muitas ”Emma’s”, as ”conspiracionistas loucas”, são como os soldados sentinelas que protegem as muralhas do castelo. Os mais holisticamente perceptivos são fundamentais para a sobrevivencia de qualquer comunidade. Suas habilidades cognitivas não são úteis apenas neste quesito mas também para solucionar qualquer outro tipo de problema.

Muitos excentricos inconformistas podem cair em armadilhas abstratas, mas os mais capazes serão de genios administrativos, os savants sociais por excelencia. São Francisco de Assis, deve ter sido um deles…

Será que novas fogueiras, mais high tech, estão sendo construídas para abafar os naturalmente dissidentes de qualquer ordem cruel e estúpida**** Até agora, a principal fogueira para ostracizá-los tem sido o tal ”politicamente correto” em conluio com a psiquiatria, daquelas que colocam cartazes do tipo ”psicologia contra o racismo”, mas que não conseguem compreender que nem todo aquele que está fragilizado pelo convívio social, é um ser mentalmente doente,  o mais provável é que muitos destes sejam os mais mentalmente sãos….

 

Genes que regulam o tamanho e morfologia cerebral como mais uma prova da natural variedade sexual humana

Genes regulam o formato e tipo de cérebro dos seres humanos (bem como, de outros animais). Se as características fisiológicas de nossos cérebros reverberarão em nosso comportamento, então esperar-se-á que os cérebros de homossexuais, serão mais parecidos com os cérebros de suas mães do que seus pais. Vários estudos já comprovaram esta realidade. Podemos dizer que, comumente, o filho herdará predominantemente, o cérebro do pai, enquanto que a filha herdará predominantemente, o cérebro da mãe. Existe claramente uma proporção feminina e masculina desta herança, se somos seres naturalmente bissexuais nesta perspectiva, se somos a combinação dos genes de nossos pais e de nossas mães.

Esta proporção de herança das características sexuais, variarão consideravelmente, especialmente em pares mais mutantes. Quanto maior a carga mutacional do casal, maiores as chances de combinações minoritárias, de reversão dos caracteres sexuais até a combinação de tipos ainda mais incomuns e complexos de fenótipo sexual comportamental (pensem em homens predominantemente heterossexuais que gostam de se vestir com vestimentas femininas).

Aqueles que dizem que a inteligência é hereditária, e estão corretos, podem estar se esquecendo quanto à manifestação literal da inteligência, ou seja, de acordo com as características fisiológicas do cérebro bem como pelo metabolismo do corpo. E se a inteligência tem um papel fundamental no comportamento e personalidade e se a fisiologia cerebral é um forte preditivo de comportamento, então podemos pensar se os mesmos pressupostos também não possam ser pensados para se sucederem em relação ao comportamento sexual.

Conformismo, plasticidade comportamental e a confusão dos deterministas ”blank slatistas”

Vamos imaginar que voce é uma pessoa rica e influente. Sua agenda social está lotada. Voce tem muitos ”amigos” (interesseiros e ”seguidores de status”). Então, vamos imaginar que de uma hora pra outra voce faz um investimento equivocado e perde tudo, de um dia para o outro. Ze-fi-ni, pobre, na sarjeta. Então o número de ”amigos” que poderiam ser contados na casa das centenas nos tempos de ”vacas gordas”, diminuiu mais de 90%.

Se voce,  hipotético e hipotecado, fosse igual a mim, que sou interessado em comportamento humano, diga-se, muito interessado, voce poderia tirar de toda esta experiencia traumática, algo de valor. Mas se ainda não percebeu então vou lhe explicar.

As pessoas se aliam as outras (melhor dizendo), justamente porque estão egoisticamente preocupadas com seu próprio sucesso, especialmente o sucesso social e financeiro. Aliás, voces já repararam que conexões sociais são muito importantes para os homens e mulheres ”bem sucedidos”**** Uma coisa leva a outra.

Pois é. Tudo isso está programado. Interessante pensar que isso sempre aconteça, é um padrão recorrente. Claro, quando voce mistura uma multidão humana aleatoriamente, existem grandes chances de que este padrão se manifestará. Isto é,  as pessoas se aglomerem ao seu redor quando percebem que é de alto status e rico e se dispersem quando voce perde tudo.

O conformismo se relaciona com esta situação hipotética. O conformista age em bando. Mas por que isto acontece*

Irmãos gemeos tendem a se parecer em termos de comportamento. Cérebros parecidos promovem comportamentos parecidos. Homossexuais tem cérebros mais femininos, isto é, que são mais parecidos com os cérebros das mulheres. Não é de se estranhar que tenha preferencias femininas de comportamento.

O seu tipo de cérebro é aquilo que voce será em seu comportamento. Ainda existirá a plasticidade comportamental. No entanto, tudo isso está sobre influencia genética. Voce não pode ser comportamentalmente plástico do nada, de uma alma. Nós somos como robos. Os robos se comportam de acordo com a sua máquina e com a sua programação.

Voce pode modificar a programação do robo, mas a comparação entre humanos e robos é principalmente mediante a ideia de que assim como o robo, nós também temos uma aparelhagem organica que produz nossos comportamentos.

Autistas geralmente, fazem movimentos repetitivos. Por que isso acontece* Porque os seus cérebros estão aparelhados de tão maneira, assim como também o sistema nervoso, que a energia que está em constante movimentação em nossos ”fios”, encontrar-se-á excessiva ou inconstante entre eles. Todo mundo teria ataques epilépticos se o pensamento não fluísse de maneira mais ou menos constante entre os ”fios”.

O autismo assim como outros transtornos mentais, são a pedra no sapato dos ‘blank slatistas”, isto é, aqueles que acreditam que o ser humano seja completamente influenciado pelas intempéries ambientais. Eh aquela, ”a maioria das pessoas mais pobres vão mal na escola, porque as escolas estão em péssimo estado, porque pobre tem baixa autoestima, porque os professores ganham pouco e são desmotivados ou e porque a cultura não valoriza o conhecimento”.

Não, a maior parte das pessoas pobres são pobres porque tendem a apresentar comportamentos inatos, difíceis, praticamente impossíveis de serem mudados, claro, existe uma maior diversidade a nível individual, mas a regra será estática, como por exemplo, a impulsividade…. As pessoas ”pobres” apresentam vontades e gostos próprios e eles estão de acordo com as suas predisposições genéticas ou epigenéticas de comportamento. O pobre não é uma vítima, um pobre coitado de causalidades desvantajosas. ”Ele pensa”, tem opinião, tem lá seu nível de racionalidade, que muitas vezes será mais realista que de classe média esquerdista.

Se os autistas são autistas por causa de suas genéticas que produzem todas as suas idiossincrasias psicológicas, comportamentais, cognitivas, sensoriais e fisiológicas, então não restam dúvidas, ao menos pra mim, de que o papel da genética não é apenas o de enfeite, nem do cérebro.

A plasticidade comportamental

Somos ‘também’ a combinação dos genes de nossos pais. A partir disso, interagimos. Nosso roteiro já foi escrito…

Voce é (será) inteligente, irritadiço, extrovertido e brincalhão…… continue a história.

Claro que nossas vivencias são únicas, a maneira como as capturamos, como as analisamos também será. Mas tudo isso depende de predisposições anteriores. E estas predisposições anteriores se chamam genes ou biologia. A plasticidade comportamental é a nossa capacidade para nos adaptarmos ao ambiente em que estamos. A plasticidade existe especialmente como uma capacidade limitada para emular comportamentos ou para produzir novos.

Portanto voce tem um livre arbítrio que será limitado quanto a possibilidade de respostas. Mas ainda existirá…

O mais sábio terá mais respostas para uma mesma situação enquanto que o estúpido tenderá a agir quase que mecanicamente, de acordo com sua menor autoconsciencia. Quando voce conhece melhor como funciona por exemplo, um dispositivo mecanico, voce percebe que pode modificá-lo. Quanto maior é o autoconhecimento, maior será a capacidade para desenvolver diferentes respostas a um mesmo evento. Isso é único, poderoso e raro, infelizmente.

Portanto, voce pode nascer com forte predileção para ser um esportista (geralmente tenderá a ter uma biologia apta para prática de esportes, percebam que muitos nerds desengonçados fogem da aula de educação física).

Jeffreys tais como o mordomo negro, inteligente e educado (polido), da família Banks, do famoso seriado ”Um maluco no pedaço”, não se tornou anglicizado, acaso tivesse migrado de algum país africano. Ele já nasceu com este tipo de personalidade e inteligencia, em qualquer lugar, sob qualquer circunstancia, ”Jeffrey” continuaria sendo ele mesmo. Eh claro, algum ajuste superficial aqui ou ali, mas tal como muitos gays não podem aguentar por muito tempo dentro do armário, qualquer tipo de superficialização comportamental estará fadada ao fracasso. Isso soa determinista, mas por incrível que pareça, não é, porque como eu disse, ainda existe a plasticidade comportamental ou epigenética, mas que será variável também quanto a sua maleabilidade.

Percebam que nós temos os auto maleáveis, os camaleões humanos por natureza. Temos os maleáveis, que geralmente são maleáveis, especialmente quanto a opinião, mas um pouco menos sobre o próprio comportamento. Os ”inconformistas” tendem a ser criativos, criam seu próprio mundo, sua cultura neurológica não se resume apenas em ser criativo no trabalho, mas na vida. No entanto, a excentricidade do criativo caminhará para ser contextual, afinal, e se a maioria fosse excentrica****

Ainda que, mediante uma neutralidade, e baseando-me na ideia de harmonia comportamental, o excentrico será excentrico mesmo se todos forem também, para a subjetividade social e cultural, a percepção de normalidade está fortemente embasada naquilo que a maioria faz e pensa.

A confusão dos deterministas (arrogantes, dogmáticos e estúpidos) do ”blank slatistas” ( todo mundo nasceu zerado, somos como uma pedra sem motivação interior, respondemos inconscientemente aos eventos que se sucedem ao nosso redor) se dá porque eles confundem (como não haveria de ser diferente) o papel da genética sobre o papel do ambiente. Justamente por isso que eu pensei na ideia dos ”fatores ambientais” como as interações gene (indivíduo)- gene (indivíduo) e gene (indivíduo) e ambiente natural. Isto é, ao invés do, voce é uma pedra e as circunstancias te fazem agir de um jeito ou de outro, o certo é, voce é um ser autoconsciente, automotivado, especificamente motivado (de acordo com características biológicas) e apesar de sua vontade, ”querer não é poder”, para a maioria das vezes, nossos ambientes antropomorfizados ”nos exigem” que nos adaptemos ”a ele” e portanto, as circunstancias (as interações indivíduo-indivíduo) terão um papel muito importante para o seu sucesso, em combinação com suas predisposições.

Mesmo o personagem deste filme, apresentou predisposições comportamentais de menor importancia, terciárias, para que pudesse em um momento de desespero, reagir de maneira completamente diferente. Em uma mesma situação, outras pessoas não reagiriam igual.

Voltando ao exemplo inicial, aqueles que permaneceram seus amigos, ‘mesmo’ depois da sua ruína social e economica, tenderão a ser mais inconformistas que o resto e serão seus amigos de verdade. São especiais. Infelizmente, quando todos estão fazendo o errado, poucos continuam fazendo o certo.

Percebam que aqueles assuntos e grupos que são demonizados pelo sistema, muitas vezes, serão as vítimas reais. O Silencio dos inocentes***

Bem vindo a história de horror chamada humanidade!!!

O eco do grito

O eco do grito,

O beco do assalto,

Oh Desespero!!

Vida sem estrada,

Correntes de uma eternidade,

De um pesadelo sem vão,

Choros e o susto,

Um mundo em branco e preto,

Ah perspectiva daquele que se auto ilude,

A alegria que se abstrata,

A longa história de trapaças,

Ao bípede e seus dragões,

Ao fogo da frieza,

Ah inteligencia e ah destreza,

Ah divisão dos inimigos,

Ao fogo amigo,

Ah bandeiras sem nação,

Ao sentido da maldade,

Quando ela não tem razão,

Ah uma cultura de sofrimento,

De nenhuma confiança,

Amores cegos e mimos de uma criança,

Ao sofá em Varsóvia,

Ao café fresco e as faces sóbrias,

Está na hora de por os pés no chão,

Longa indolencia, ardente e inconsciente,

Ah luta contra a natureza,

Ao empurrar-se contra a maré divina,

Ah batalha contra a mãe terra,

Com as mesmas maldades que dela escalpela,

A hora do sofrimento inconsequente,

Da dor do outrem sem estar consciente,

Há de acabar

A sabedoria é a luz no fim da escuridão,

O branco é a cor da ternura e de bochechas rosadas de anjos caídos,

Aos cachos de mel ou a cabelos de qualquer outra cor,

Mas com a serenidade da consciencia,

Desdobrem a existencia em muitas voltas,

De tuas curvas suaves o verdadeiro amor brotará…

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia Blog

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

REBLOGADOR

compartilhamento, humanismo, expressividade, realismo, resistência...