Conformismo, plasticidade comportamental e a confusão dos deterministas ”blank slatistas”

Vamos imaginar que voce é uma pessoa rica e influente. Sua agenda social está lotada. Voce tem muitos ”amigos” (interesseiros e ”seguidores de status”). Então, vamos imaginar que de uma hora pra outra voce faz um investimento equivocado e perde tudo, de um dia para o outro. Ze-fi-ni, pobre, na sarjeta. Então o número de ”amigos” que poderiam ser contados na casa das centenas nos tempos de ”vacas gordas”, diminuiu mais de 90%.

Se voce,  hipotético e hipotecado, fosse igual a mim, que sou interessado em comportamento humano, diga-se, muito interessado, voce poderia tirar de toda esta experiencia traumática, algo de valor. Mas se ainda não percebeu então vou lhe explicar.

As pessoas se aliam as outras (melhor dizendo), justamente porque estão egoisticamente preocupadas com seu próprio sucesso, especialmente o sucesso social e financeiro. Aliás, voces já repararam que conexões sociais são muito importantes para os homens e mulheres ”bem sucedidos”**** Uma coisa leva a outra.

Pois é. Tudo isso está programado. Interessante pensar que isso sempre aconteça, é um padrão recorrente. Claro, quando voce mistura uma multidão humana aleatoriamente, existem grandes chances de que este padrão se manifestará. Isto é,  as pessoas se aglomerem ao seu redor quando percebem que é de alto status e rico e se dispersem quando voce perde tudo.

O conformismo se relaciona com esta situação hipotética. O conformista age em bando. Mas por que isto acontece*

Irmãos gemeos tendem a se parecer em termos de comportamento. Cérebros parecidos promovem comportamentos parecidos. Homossexuais tem cérebros mais femininos, isto é, que são mais parecidos com os cérebros das mulheres. Não é de se estranhar que tenha preferencias femininas de comportamento.

O seu tipo de cérebro é aquilo que voce será em seu comportamento. Ainda existirá a plasticidade comportamental. No entanto, tudo isso está sobre influencia genética. Voce não pode ser comportamentalmente plástico do nada, de uma alma. Nós somos como robos. Os robos se comportam de acordo com a sua máquina e com a sua programação.

Voce pode modificar a programação do robo, mas a comparação entre humanos e robos é principalmente mediante a ideia de que assim como o robo, nós também temos uma aparelhagem organica que produz nossos comportamentos.

Autistas geralmente, fazem movimentos repetitivos. Por que isso acontece* Porque os seus cérebros estão aparelhados de tão maneira, assim como também o sistema nervoso, que a energia que está em constante movimentação em nossos ”fios”, encontrar-se-á excessiva ou inconstante entre eles. Todo mundo teria ataques epilépticos se o pensamento não fluísse de maneira mais ou menos constante entre os ”fios”.

O autismo assim como outros transtornos mentais, são a pedra no sapato dos ‘blank slatistas”, isto é, aqueles que acreditam que o ser humano seja completamente influenciado pelas intempéries ambientais. Eh aquela, ”a maioria das pessoas mais pobres vão mal na escola, porque as escolas estão em péssimo estado, porque pobre tem baixa autoestima, porque os professores ganham pouco e são desmotivados ou e porque a cultura não valoriza o conhecimento”.

Não, a maior parte das pessoas pobres são pobres porque tendem a apresentar comportamentos inatos, difíceis, praticamente impossíveis de serem mudados, claro, existe uma maior diversidade a nível individual, mas a regra será estática, como por exemplo, a impulsividade…. As pessoas ”pobres” apresentam vontades e gostos próprios e eles estão de acordo com as suas predisposições genéticas ou epigenéticas de comportamento. O pobre não é uma vítima, um pobre coitado de causalidades desvantajosas. ”Ele pensa”, tem opinião, tem lá seu nível de racionalidade, que muitas vezes será mais realista que de classe média esquerdista.

Se os autistas são autistas por causa de suas genéticas que produzem todas as suas idiossincrasias psicológicas, comportamentais, cognitivas, sensoriais e fisiológicas, então não restam dúvidas, ao menos pra mim, de que o papel da genética não é apenas o de enfeite, nem do cérebro.

A plasticidade comportamental

Somos ‘também’ a combinação dos genes de nossos pais. A partir disso, interagimos. Nosso roteiro já foi escrito…

Voce é (será) inteligente, irritadiço, extrovertido e brincalhão…… continue a história.

Claro que nossas vivencias são únicas, a maneira como as capturamos, como as analisamos também será. Mas tudo isso depende de predisposições anteriores. E estas predisposições anteriores se chamam genes ou biologia. A plasticidade comportamental é a nossa capacidade para nos adaptarmos ao ambiente em que estamos. A plasticidade existe especialmente como uma capacidade limitada para emular comportamentos ou para produzir novos.

Portanto voce tem um livre arbítrio que será limitado quanto a possibilidade de respostas. Mas ainda existirá…

O mais sábio terá mais respostas para uma mesma situação enquanto que o estúpido tenderá a agir quase que mecanicamente, de acordo com sua menor autoconsciencia. Quando voce conhece melhor como funciona por exemplo, um dispositivo mecanico, voce percebe que pode modificá-lo. Quanto maior é o autoconhecimento, maior será a capacidade para desenvolver diferentes respostas a um mesmo evento. Isso é único, poderoso e raro, infelizmente.

Portanto, voce pode nascer com forte predileção para ser um esportista (geralmente tenderá a ter uma biologia apta para prática de esportes, percebam que muitos nerds desengonçados fogem da aula de educação física).

Jeffreys tais como o mordomo negro, inteligente e educado (polido), da família Banks, do famoso seriado ”Um maluco no pedaço”, não se tornou anglicizado, acaso tivesse migrado de algum país africano. Ele já nasceu com este tipo de personalidade e inteligencia, em qualquer lugar, sob qualquer circunstancia, ”Jeffrey” continuaria sendo ele mesmo. Eh claro, algum ajuste superficial aqui ou ali, mas tal como muitos gays não podem aguentar por muito tempo dentro do armário, qualquer tipo de superficialização comportamental estará fadada ao fracasso. Isso soa determinista, mas por incrível que pareça, não é, porque como eu disse, ainda existe a plasticidade comportamental ou epigenética, mas que será variável também quanto a sua maleabilidade.

Percebam que nós temos os auto maleáveis, os camaleões humanos por natureza. Temos os maleáveis, que geralmente são maleáveis, especialmente quanto a opinião, mas um pouco menos sobre o próprio comportamento. Os ”inconformistas” tendem a ser criativos, criam seu próprio mundo, sua cultura neurológica não se resume apenas em ser criativo no trabalho, mas na vida. No entanto, a excentricidade do criativo caminhará para ser contextual, afinal, e se a maioria fosse excentrica****

Ainda que, mediante uma neutralidade, e baseando-me na ideia de harmonia comportamental, o excentrico será excentrico mesmo se todos forem também, para a subjetividade social e cultural, a percepção de normalidade está fortemente embasada naquilo que a maioria faz e pensa.

A confusão dos deterministas (arrogantes, dogmáticos e estúpidos) do ”blank slatistas” ( todo mundo nasceu zerado, somos como uma pedra sem motivação interior, respondemos inconscientemente aos eventos que se sucedem ao nosso redor) se dá porque eles confundem (como não haveria de ser diferente) o papel da genética sobre o papel do ambiente. Justamente por isso que eu pensei na ideia dos ”fatores ambientais” como as interações gene (indivíduo)- gene (indivíduo) e gene (indivíduo) e ambiente natural. Isto é, ao invés do, voce é uma pedra e as circunstancias te fazem agir de um jeito ou de outro, o certo é, voce é um ser autoconsciente, automotivado, especificamente motivado (de acordo com características biológicas) e apesar de sua vontade, ”querer não é poder”, para a maioria das vezes, nossos ambientes antropomorfizados ”nos exigem” que nos adaptemos ”a ele” e portanto, as circunstancias (as interações indivíduo-indivíduo) terão um papel muito importante para o seu sucesso, em combinação com suas predisposições.

Mesmo o personagem deste filme, apresentou predisposições comportamentais de menor importancia, terciárias, para que pudesse em um momento de desespero, reagir de maneira completamente diferente. Em uma mesma situação, outras pessoas não reagiriam igual.

Voltando ao exemplo inicial, aqueles que permaneceram seus amigos, ‘mesmo’ depois da sua ruína social e economica, tenderão a ser mais inconformistas que o resto e serão seus amigos de verdade. São especiais. Infelizmente, quando todos estão fazendo o errado, poucos continuam fazendo o certo.

Percebam que aqueles assuntos e grupos que são demonizados pelo sistema, muitas vezes, serão as vítimas reais. O Silencio dos inocentes***

Bem vindo a história de horror chamada humanidade!!!

Anúncios

Tags:, , , ,

About santoculto

Email ataudecinzento@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

renanbarreto88

Just another WordPress.com site

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pshelinha

Um pouco de mim..

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

%d blogueiros gostam disto: