Archive | fevereiro 2015

Filosofia é uma arte pensante, beleza e precisão

A precisão de um texto científico eu não sei precisar, mas a beleza de uma arte, todos nós sabemos mensurar,

Quando faltam palavras e sobram paisagens, quando as ideias se condensam de tão forma que não podemos quantificar ou dar-lhe qualquer dimensão. Quando a dimensão está além da nossa.

Mas a filosofia real, não é porosa e sublime, do mesmo jeito que a criatividade. Ainda que beba da mesma fonte de loucura e dos mesmos raios de energia. A filosofia é a precisão da beleza e portanto, é a dimensão do mundo, tal como ele é. E sua prática, é a sabedoria. A filosofia é uma arte pensante, porque mistura a beleza de um mundo de criação com um mundo de observação e mensuração. Eh a medida da rosa. Eh a medida da vida ou de Melilla.

A arte pensante por primazia, o ato de imaginar com precisão, de configurar novas perspectivas. Mas que estas neo medidas continuem a pisar no chão de terra.

A consciencia, o sonho da ciencia, isto é a filosofia. O que a precisão matemática da ciencia não consegue endireitar, as curvas da complexidade, o filósofo terá de abraçar.

A sabedoria é a precisão de um belo par de pernas, vigorosos e curvilíneos.

A arte per si, não é completamente pensante, mas intuitiva, sem sequencia, baseada na captura de uma sensação, de uma vontade única no espaço e tempo. A filosofia é o sequenciamento desta beleza, é o amor proibido entre a razão e a loucura, entre o presente da sensação e o futuro da previsão. Por isto que a filosofia é a mais completa de todas as ciencias bem como de todas as artes. Eh o mensuramento da loucura em camera lenta. Eh o ato de dar harmonia, mesmo a mais desarmoniosa das experiencias.

E a arte de viver, de ser, de interagir, são todas mensuráveis. E tal arte só poderá ser delimitada pela filosofia. A única e fundamental arte de pensar. A ciencia sem a filosofia, é dura, precisa, fria, sem beleza. Mas o filósofo precisa ter um faro de detetive. Sem isso, a sua tentativa de filosofar, se encontrará perto do fracasso. A harmonia é a precisão da beleza, da comunhão de diferentes sistemas, de diferentes variáveis, o ato de saber, de deter e usar a sabedoria.

Tudo isto, é filosofia.

 

Anúncios

A importância de se saber estatística e a regressão à média

 

As feministas querem igualdade salarial entre homens em mulheres. Estão certas quanto a isso mas estão erradas na maneira como estão analisando as estatísticas. As pesquisas mostram que em média, os homens ganham mais do que as mulheres. Vamos interpretar isso direitinho. Existem mais homens ocupando cargos que pagam altos salários do que mulheres. E isso reflete diretamente nas médias salariais de homens e mulheres. O que acontece em um extremo, pode afetar a média. No entanto, quando um homem e uma mulher estão ocupando os mesmos cargos, as diferenças salariais serão 0.

Se as feministas querem maior igualdade, então elas deveriam culpar os homens alfa-sociopatas que ocupam os cargos mais importantes e não o homem de classe média que ganhará o mesmo que ela em um mesmo cargo.

Estatísticas representam o mundo abstrato. Tudo aquilo que não é literal, será abstrato. Aquilo que não existe em um mundo hiperliteral, mas existirá em um mundo hiperreal, porque este se consistirá na unção, tanto da abstração quanto da realidade literal.

A incapacidade para interpretar estatísticas parece se relacionar com fraquezas em relação ao pensamento abstrato, este que se consiste na evolução da complexidade do intelecto humano. A abstração, além de ser uma sofisticação da observação simples, também será uma melhora na capacidade de previsão de cenários futuros. Portanto, quem pode manipular material abstrato, também poderá estimar como poderia continuar a sua evolução. As abstrações são construções de padrões que não existem no mundo natural, mas que fazem sentido, enquanto ordens sistemicas de eventos ou de caracteres.

Para ser capaz de entender e de manipular ”material abstrato”, é necessário ter recursos cognitivos extras, por exemplo, uma boa memória, para que possa compilar uma grande quantidade de informações úteis. Sem isso, serão produzidas falsas analogias. Tal como nossos genes interagem por meio da epistasia, a construção fenotípica, retida de uma série de traços biológicos que em comunhão, funcionarão como uma engrenagem, uma máquina, o pensamento abstrato, sendo ele mesmo um tipo de sistema, também funcionará da mesma maneira.

 

Regressão a média

 

Um dos maiores mistérios do conhecimento hbd pra mim, desde quando comecei a acompanhá-los, foi justamente a da ”regressão a média”. A explicação hbd habitual para este fenomeno é a seguinte

Um casal branco, hipotético, em que ambos pontuem em média 120 de qi, tenderão a ter filhos que regredirão a média do seu grupo étnico. Então, como a média de qi ”dos” ”brancos” é de 100, então ainda que o casal branco ”de” alto qi, tenha filhos com inteligencias quantitativas similares, ao longo das gerações, a inteligencia desta futura genealogia, regredirá para próximo da média de seu respectivo grupo étnico.

O exemplo mais emblemático se dá justamente de um casal de negros ”de” alto qi. Neste caso, a regressão a média da população da qual descende seria provável de acontecer ainda na primeira geração, ou seja, os filhos deste casal hipotético.

Esta idealização estatística, me parece, que está atropelando uma certa complexidade de variáveis. Percebam que, casais não são iguais em suas respectivas heranças poligenicas para maior ou menor inteligencia. Portanto, não dá para sugerir que sempre haverá uma regressão a média. Depende do conjuge que os filhos escolherão para ter filhos, se escolherão alguém para procriação, quando terão os seus filhos, quantos serão…

Um casal de negros inteligentes tem dois filhos, um herdou a inteligencia dos pais, o outro não e portanto, é menos esperto. O menos esperto tem 3 filhos e o mais inteligente não tem filhos. Sim, houve uma regressão a média, mas que não foi causada diretamente por menor hereditariedade do casal para inteligencia. A inteligencia é poligenica e pode se manifestar em distintas formas, portanto, é multiforme. Algumas destas combinações serão mais dominantes do que outras. Pode ser possível que as pessoas negras mais inteligentes tendam a ter uma menor herdabilidade para maior inteligencia e portanto, estarão menos aptas para passar estes genes para seus filhos e faze-los mais inteligentes do que a média. Mas uma menor herdabilidade não é o mesmo que nenhuma herdabilidade. Parece evidente que para um casal de brancos inteligentes, as chances de combinação genética dos dois, para a produção de uma criança inteligente, serão maiores do que em comparação a um casal de negros inteligentes. Por exemplo, o casal hipotético de brancos inteligentes tem 20% de chances de ter uma criança de igual ou de maior intelecto que os pais. Em compensação, um casal hipotético de negros inteligentes terá 10% de chances. Claro, são cenários idealizados onde pode ser completamente possível que o contrário também seja verdadeiro. Algumas famílias represaram mais genes para a inteligencia ou possíveis recombinações destes genes e portanto apresentarão maior herdabilidade, enquanto que outras famílias terão menos destes genes.

Portanto, a ideia de regressão a média precisa de uma sofisticação em relação aos elementos que a produzem.

 

O amor, a sabedoria

Complexo é a linha reta, entortada pelo ego e pelo medo,

Donzela é a musa de todos os trovadores, que canta amores em segredo,

à sabedoria singela, o amor de todos os pensadores,

De seios fartos e a volúpia dos tempos de romantismo e luz de velas,

Das noites frias e chuvosas, o sexo se consome, voraz e mítico,

Devora a tudo aquilo que é supérfluo, limpa as ruas de asfalto e os prédios de marfim,

Vomita o suor do frenesi de Almas, perdendo o líquido das ilusões,

Nasce de novo, criança, sugando a fartura do leite existencial,

Goza o fruto da sabedoria, sem roupas de veludo ou de manias,

É límpida, simples e bela,

Sutilezas de mãos que se tocam, cada movimento é uma cerimônia solene,

Devora a compreensão estridente, tudo agora parece sempre,

A árvore velha e curvada é assim como a vê, tal como as almas que tropeçam em ti,

Sua visão vê diretamente a realidade envolvente, abraça em pelo, o ambiente, uma acolhida,

Pode ver horizontes inimagináveis,

Porque pode ver tudo aquilo que já está criado,

Não há mais distinção entre fronteiras de corpo e os átomos bailarinos,

Sua brincadeira, se assemelha a de um menino, mas nem toda criança é a alvorada, em algumas almas, repousam um

passado de touradas,

À metáfora, o touro e o toureiro,

À capa vermelha, suja de sangue vermelho,

O que seria a vida senão a luta da Lança e da ilusão?? A cor quente que paralisa a vossa ação??? A hipnose da Cultura

que seduz com doçura o seu falo, que forte e rijo, penetra neste lago salgado,

O mar está morto e a sua percepção também,

Precisa de deuses e trovões, pois sem ele, não és ninguém??

A sabedoria é a deusa da existência, se aprende a apreender, conhecimento não é o saber, é o entender todo o seu todo, tudo que o rodeia,
Ao entender à superfície de um tolo, conhecerá mais a ti, porque tudo que espelha naquele, lhe será o inverso,

O tolo é a manifestação literal da limitação, seu corpo e sua alma andando em circulos, frases simples demais, o pensar

infantil, o conflito pela generalização,

O círculo perfeito cria o fundamental grilhao, a corrente que se eterniza e o faz escravo,

A expiral do sábio, conhece o tempo, o criado, o criante e o criavel,

Reconhece o ambiente porque sabe ver as horas em seu relógio sem números,

Espaço e templo, sem o firmamento da ilusão, não nascemos pra saber o que irá nos acontecer,

Nascemos para viver, se à ameaça da Lança ou à capa vermelha, em Beirute ou Lima, a dúvida é universal, nossa missão sem igual,

A sabedoria é a verdadeira religião, mas só poucos à seguirão, triste e perserverante, amar a verdade como uma amante, imperfeita mas importante,

E quando as luzes das velas se apagam, dormirao as feras, que a dúvida da morte nos mandará,

Àquele que é tão complexo, eu lhes peço, amem a sabedoria, ao cheiro do sexo e do breu,

E entendam que o mundo humano é uma ilusão e que quanto mais distante do chão, mais tormentos terão.

Apague a Luz…

Pensamento circular como dogma e pensamento em espiral como o pensamento racional

Quando exposto a opiniões divergentes, o dogmático se utilizará do pensamento circular, ou seja, o pensamento dogmático per si, para se confrontar com a realidade. Este processo também pode ser classificado como uma auto negação, que é retroalimentada por sua inabalável certeza de que está completamente certo. O pensamento circular sempre se alimenta, nunca se expande. Não adere a novas ideias, ao menos se estas ideias forem jogadas, metaforicamente falando, é claro, dentro deste círculo.

O pensamento em espiral, inicia-se justamente por meio de um pensamento circular, que no entanto, não durará ”pra sempre”. A necessidade da auto negação, se fará tanto para que o dogmático lute contra a realidade que é radicalmente distinta do seu ponto de vista, quanto para que o racional criativo possa acreditar em suas ideias, mesmo quando ainda seja o único a faze-lo. Portanto, por meio do mesmo processo e por justificações bem similares, nascerá e morrerá a criatividade, pelas mãos de agentes que são bem distintos entre si.

O pensamento em espiral é o pensamento do ser racional, dotado de uma capacidade de compreensão quanto ao potencial infinito, tanto de criação, quanto de compreensão. O infinito da espiral representa a curiosidade enquanto que a retroalimentação ou círculo perfeito, representa a intensa rotina de uma cultura ossificada.

Cultura : A sofisticação abstrata do mundo natural

Da sofisticação a barbárie

Cultura

As culturas humanas são uma sofisticação abstrata do mundo natural. Tal quando estamos vestidos ou quando se coloca um piercing no umbigo. A modificação do natural pelo superficial, é o processo fundamental que cimentou a evolução cultural humana. Nossa incrível capacidade para negar a realidade, tem uma grande aliada, nossa cultura, que se encontra em conluio com nossas tendencias biológicas mais marcantes.

A abstração e metaforização do pensamento humano, é um método altamente complexo para tornar a realidade mais ”humanizada” mas também menos perene, menos evidente, visto que em um mundo sem os apetrechos excessivos da ”civilidade” e de rituais sofisticados de passagem, as interações tenderão a ser diretas, objetivas. Em sociedades indígenas ou de caçadores coletores, o pensamento é mais direto, mais puro e as interações são mais objetivas. Tal como acontece com o funcionamento de uma engrenagem mecanica, as comunidades utilizam corretamente todas as peças ou indivíduos para que possa coexistir e sobreviver. Quando o perigo é mais recorrente, a mente mais simples do ”bom selvagem” irá realizar correlações igualmente simples, porém, objetivas e eficientes, na tentativa de mitigá-lo.

A metáfora do garoto bolha, a onipresença do dogmatismo na mente humana e a bolha hbd

Por mais inteligente e racional que uma comunidade científica, filosófica ou intelectual possa ser, sempre haverão algumas toneladas de dogmatismo no ar. Mesmo entre os cranios que participam da comunidade hbd, os dogmas continuam a ser perpetuados. Eles são mais sofisticados, são mais trabalhados, são mais racionais… mas ainda assim continuam sendo dogmas. O que são dogmas se não a negação da verdade, da neutralidade** O que é a verdade senão a comunhão de todos as perspectivas**

O famoso garoto bolha pode ser usado como uma metáfora pertinente para comunidades ideológicas que aos poucos vão se fechando em seu próprio círculo, sua bolha, desprezando que muitas de suas ideias possam não estar totalmente corretas.

A bolha hbd é um exemplo, onde, apesar da negação quanto ao caráter claramente político do grupo, visto que também buscam analisar objetivamente os fenomenos bem como a própria natureza, no entanto, baseando-se em regulações quanto aquilo que deve ser dito e aquilo que não deve. Sim, ”mesmo” neste grupo, ainda continuam existindo vacas sagradas.

Alguns exemplos. O totem ”qi é totalmente perfeito para medir a inteligencia humana e isto basta”, se tornou viral entre eles. Mas esperem, primeiro, o qi se divide em subgrupos, no mínimo, isso deveria ser levado em conta. Só que pra eles, o fator g tornaria desnecessária uma análise mais específica . Será***

Outro totem, ”inteligencia se correlaciona com renda, logo, os mais inteligentes também serão os mais ricos”. São tão numerosos os casos de genios que estiveram longe de serem ricos enquanto vivos, que me faz pensar se realmente, as pessoas tolas que mantém sistemas opressores sejam realmente ”as mais inteligentes”.

Algumas verdades não tão verdadeiras assim, são ainda mais graves tal como por exemplo a explicação biologicamente determinista de que ”as guerras e os conflitos no mundo árabe são causadas fundamentalmente por causa de uma maior endogamia da população local”. Mas onde estaria a moderna politica israelense em todo este contexto****

Recentemente, mais uma bolha de pensamento circular que despreza todas as possibilidades de fora e tenta sempre encaixar por meio de viés pessoal a sua estrutura interconectada de pensamento lógico auto-alienador. Sir Bruce Charlton afirmou categoricamente que não existem mais genios capazes de modificar a sociedade para melhor atualmente, em lugar nenhum. Os já habituados, sabem que ele é conservador, religioso e acredita firmemente que a população ocidental emburreceu enquanto que eu acredito que ela sempre foi burra e que existem mais fatores ambientais, indiretamente genéticos, que são os principais responsáveis por esta situação. Charlton despreza completamente qualquer possibilidade de pensar na suposta teoria de conspiração de que ”os” judeus seriam os principais arquitetos do mundo que ele tanto odeia. Faz isso porque é ingenuo quanto a esta possibilidade muito lógica ou será porque está mancomunado com os outros para acobertar e empurrar a ideia de ”altruísmo patológico branco” como principal causa****

Uma das principais vacas sagradas da comunidade hbd, que não deveria ser, não apenas por causa da racionalidade que dizem ter, mais do que outros, é justamente sobre as idiossincrasias únicas, que estão acumuladas justamente entre os judeus, especialmente os ashkenazim. Mas isso não está acontecendo. Ainda que flertem um pouco fora do neoconservadorismo em que estão chafurdados, não é o suficiente para que possam de fato abraçar a verdade sob todas as suas nuances. Ninguém está aqui sugerindo um ”novo” ”holocausto”. Estou apenas querendo ajudar, e apenas com a verdade que de fato poderemos ajudar uns aos outros. Do contrário, mesmo o mais bem intencionado não conseguirá  solucionar os problemas de uma situação hipotética.

Portanto, mesmo nos mais seletos grupos de seres humanos cientificamente racionais, ainda haverá uma proporção considerável de dogmatismo, o limite artificial e arbitrário da investigação honesta e a comunidade hbd é um destes grupos, infelizmente…

Lamarck e professores

A grande maioria dos professores são lamarckistas inconscientes porque acreditam que por meio de esforço repetitivo, ou seja, a ”educação”, se poderá ficar mais inteligente.

Isso significa meu caro leitor que a maioria dos professores não sabem o básico da seleção natural de Charles Darwin. Eles educam sem pensar que possam estar aplicando métodos lamarckianos nos seus alunos.

A seleção natural se baseia na diversidade fenotípica de uma população e  não apenas na cor da pele ou cor dos olhos.

Na escola portanto, haverá uma variedade de fenótipos físicos, comportamentais e cognitivos de alunos. No entanto, a escola parte do princípio que por meio da exposição precoce, igualitária e constante (o esforço repetitivo) de conhecimento humano diverso e acumulado, todos chegarão, ”mais ou menos”, no mesmo nível de aprendizado. Em uma sociedade como a Finlandia ou o Japão, que apresentam médias altas de inteligencias e tendem a ser mais cognitivamente uniformes, sem muitosoutliers, até se poderia brincar de Lamarck, mas em sociedades onde coexistem claras diferenças cognitivas, que são hereditárias e complexas, a educação deixa de ser uma crença racional e se transforma em um estorvo desnecessário.

Pessoas diferentes pensam diferente, agem diferente, tem diferentes motivações e por conseguinte terão diferentes necessidades de aprendizado. Tudo é aprendizado, tudo aquilo que é retido do ambiente por meio de observação é um aprendizado. No entanto, criou-se uma ideia elitista de que o ”conhecimento científico e intelectual” seja o elemento fundamental que distingue os sapientes dos não-sapientes, quando na verdade, são justamente as características inatas de ambos que são os verdadeiros diferenciadores.

As pessoas mais inteligentes gostam mais de estudar porque seus cérebros são maiores e ou mais complexos do que os cérebros das pessoas menos inteligentes. A escola pode ter algum efeito em alguns subgrupos, mas será muito limitado. As pessoas são movidas por motivações pessoais intrínsecas, naturais, que já estavam latentes desde a tenra idade ou que são predisposições que com gatilhos ambientais, muitas vezes, mínimos, podem acender o desejo. Tudo se resume aos seus genes, aquilo que voce é, tal como, tudo aquilo que se relaciona a um rio, se resume a sua fonte.

Portanto, surpreendentemente ou não, aquelas aulinhas básicas de genética e de biologia, não serviram pra nada, para boa parte dos professores. Uma das maneiras de se provar se fulano aprendeu ou não, é faze-lo produzir analogias para o mundo real, seja na matemática, na biologia, na filosofia, história…

Metáforas e analogias são a melhor maneira de medir o aprendizado das pessoas.

Os professores, imbuídos por seus egos atormentados, simplesmente não sabem aplicar as teorias darwinianas no mundo real, especialmente em relação a sua profissão. Analogia mais óbvia impossível.

Portanto, como conclusão deste pequeno texto, a maioria dos professores não sabem aplicar as teorias darwinianas no mundo real e portanto não sabem o que realmente significam, pois se soubessem, já teriam juntado os pontos e percebido que estão a forçar os seus alunos por meio de esforço repetitivo, a engolir unilateralmente um conjunto de conhecimentos técnicos, desprezando a natural variedade cognitiva presente em sua classe assim como também  o fato de que não é possível, ao menos por agora, aumentar ou diminuir a inteligencia de alguém apenas por ”uso ou desuso”.

Eu não vou constatar que os professores sejam em sua maioria de estúpidos, porque como eu já mostrei, a ideia de racionalidade humana universal, é totalmente descabida.

O sabor da carne

Ah como eu adoro o sabor da carne,

de pousá-la em minha língua e sentir seu fervor gustativo,

de salivar gostoso e refrescante,

de proteinar meu corpo dissabores que eu nem vi,

Mas é ao sabor, e não a carne,

O gostoso sabor e não a dolorosa vida,

Que perdida, alimenta os parasitas retardados que andam em círculos,

O sentir e o não participar,

O comer e o não debater,

debater-se em dor aquele que sua fraca empatia não alcança,

minh’alma expande e meu coração inflama,

tudo está límpido e o cheiro da carne beira a malícia,

não quero mais o sofrer para senti-la,

agora eu preciso de uma nova vida,

mas lembre-se minha querida,

é o sabor da carne que atiça, e não a morte de sua vida.

Filosofia é o ato de harmonizar e não apenas de pensar

A famosa lunática maoista, coletivista-oligárquica que a maioria dos brasileiros trabalhadores A_D_O_R_A_M. No século XX, a filosofia perdeu o seu rumo e se tornou monótona, populista e ideóloga. A filosofia perdeu a sua essencia, porque ao invés de a usarem para promover a harmonia, a compreensão e a evolução das interações humanas, ela foi assaltada por um bando de lunáticos maoistas que nunca tiveram a responsabilidade de zelar pela verdadeira e utilitária função da mais completa das ciencias, o ato de harmonizar. A maior parte das pessoas, incluindo aí e especialmente, muitos estudantes de filosofia, acreditam que o simples ato de pensar seja a manifestação do ato filosófico em si. Mas se o conceito mais puro, literal e direto de filosofia, o seu sinonimo, o mais autoexplicativo, seja justamente a da sabedoria, então não se pode resumir esta ciencia apenas ao ato de pensar. Pensar, todos nós fazemos, a todo momento, inclusive quando estamos dormindo e sonhando. O ato filosófico é uma sofisticação necessária do pensamento, com início, desenvolvimento e finalidades. E estas finalidades, conceitualmente falando, precisam obedecer a princípios que estejam intrinsecamente atrelados a sabedoria.

Portanto, se todo aquele que pensa visando na sabedoria ou na harmonização pode ser considerado como um verdadeiro filósofo,  então aquele que a usa para outras finalidades, não será um filósofo e especialmente se ”usá-la” para fins desarmoniosos.

O ato de harmonizar precisa ser retido da sabedoria cognitiva, a forma mais pura da inteligencia humana, o ato de observar os elementos e encontrar correlações e causalidades, em outras palavras, o ato de harmonizar os padrões simples, a princípio. Se assemelha ao método científico, porque a filosofia é uma espécie de ciencia antiga, é a mãe da ciencia moderna. O problema é que se continuarmos a acreditar que o simples ato de pensar e de sofisticar este ato, sem a responsabilidade de torná-lo lógico, justo, harmonioso e portanto diplomático para a sociedade, seja exercer a faculdade filosófica, então, a filosofia irá seguir o mesmo caminho de ossificação ideológica que a religião sofreu ao longo do seu percurso, se transformando naquilo que é hoje, um conjunto de crendices irracionais que são usadas para promover uma cultura e não a compreensão, o significado da vida, da existencia, o porque de existir, ou seja, o próprio Deus, além do papel de transplantar esta busca por meio da melhoria constante da sociedade, semelhante ao real papel da filosofia.

Portanto, todos aqueles que tem um diploma em filosofia e o usam para promover os seus próprios interesses pessoais, sem neutralidade e sem ter a intenção da harmonização da sociedade por meio da sabedoria, não são filósofos reais, mas farsantes que se aproveitaram da fragilidade do sistema social e estrutural das sociedades humanas, especialmente a ocidental, não apenas se aproveitam mas são aproveitados por esta engrenagem colossal que está sendo implodida por dentro.

A melhor maneira para resgatar a filosofia de um destino semelhante a da religião, de se transformar em  um morto vivo, uma alma mal resolvida que lamenta a sua inutilidade no mundo natural, será por meio de sua re-conceituação literal e didática e de sua objetividade, que hoje foi sequestrada pela ciencia. A filosofia deve funcionar como a consciencia da ciencia, mas não da maneira esquizofrenica e maoista tal como está acontecendo hoje.

O desenvolvimento assíncrono da inteligencia e da personalidade humanas… não apenas em superdotados

Na psicologia, diz-se que uma das características que definem os superdotados, seria o desenvolvimento assíncrono. Isto é, o desenvolvimento irregular de todas as funções cognitivas, como quando um garoto de 13 anos de idade, já entende matemática avançada, mas é emocionalmente imaturo.

Como eu acredito que tudo seja um espectro e que as diferenças entre os mais inteligentes em relação aos demais, estejam em níveis (e não em grandezas),  uma maior intensidade de algumas das mesmas características que as outras pessoas também apresentam, então, me parece plausível acreditar que o mesmo desenvolvimento assíncrono, assim como também o fim desta etapa, possam estar presentes entre aqueles que não sejam de superdotados.

Parte-se da ideia de que o fim do desenvolvimento assíncrono, especificamente, no caso dos superdotados, todos chegarão a níveis parecidos de amadurecimento emocional e cognitivo. Mas na verdade, é bem provável que não seja a realidade e a criança que eu exemplifiquei, pode não apenas, não amadurecer emocionalmente, como também piorar com o fim do período de plasticidade cerebral.

E este fenomeno, pode ser completamente baseado em predisposições genéticas e menos em variáveis ambientais agudas. Da mesma forma que acontece com os superdotados, portanto, todos nós também apresentaríamos um desenvolvimento assíncrono em nossas capacidades, alguns mais e outros menos. Pode ser possível que tenhamos pessoas que apresentarão um desenvolvimento predominantemente uniforme, mas que ainda assim, esconderá algum tipo de amplitude menos aparente.

Vou exemplificar. Eu tenho uma amiga que é do tipo muito inteligente, daquelas que nunca tiveram qualquer problema na escola, a aluna exemplar, a filha prendada e obediente. A jovem com amadurecimento comportamental uniforme, sem as discrepancias comuns entre os superdotados. No entanto, esta jovem altamente inteligente, me perguntou, em 2008, quando eu tinha 18 e ela, 20 anos, ”o que era o nazismo”. Eu acredito com fé que no mínimo 90% das pessoas que façam faculdade nas humanas, terão alguma ideia, por mais remota e tendenciosa que seja, sobre o tema. Mas ela não tinha nenhuma noção. Se eu falasse que nazismo foi uma banda de axé, eu não duvido que acreditasse. Ok, além desta ”gafe” em história, ao longo do tempo, o seu padrão de comportamento tem sido consistente. Enquanto que ela tem um nível bem desenvolvido de inteligencia técnica quantitativa, o qi, em relação a capacidade de entender o mundo real, ela é tão ingenua e tola quanto a maior parte das pessoas do grupo cognitivo a qual pertence. Um exemplo disso é seu partidarismo cego para com partidos comunistas que tentam se apossar deste pobre país continental. Um psicólogo desavisado poderia classificá-la como uma superdotada e que teria um desenvolvimento uniforme em relação a  todas as suas faculdades mentais. Mas será*****

O deficit para entender o mundo real, capacidade que eu chamo de inteligencia pura, ”parece” ser ”tão grave” quanto o de ser ruim em matemática ou de se ser emocionalmente imaturo. E mais, a sua suposta, aparente maturidade emocional, parece se relacionar exatamente com aquilo que escrevi no texto sobre os inconformistas empático-objetivos. A pessoa que será identificada como ”bondosa e inteligente” pela maioria, na verdade, pode não ser necessariamente dotada de extrema empatia. Claro, sem querer aqui denegrir a imagem desta minha amiga e das pessoas que são similares a ela, afinal, ser mediano também é normal. No entanto, como conclusão deste trecho, a imensa maioria dos psicólogos entenderão que este tipo será de”emocionalmente maturo”. Mas a maturidade emocional não é apenas ter controle, mas também, de vivenciar todas as emoções bem como de ter as melhores respostas para cada ato. E quanto maior for o alcance desta maturidade cognitiva global, mais objetivamente empático, a pessoa se tornará. Em outras palavras, de nada adianta ser boazinha ou bonzinho, e não fazer coisas boas para as pessoas e ”animais” que estão ao seu redor. Seria o mesmo que ser inteligente ou criativo e não expressar o seu dom.

Voltando a hipótese inicial deste texto. Se todos nós temos o mesmo desenvolvimento assíncrono  de boa parte dos superdotados e se o fim deste desenvolvimento ou de plasticidade cerebral resultará na definição de nossa personalidade bem como de nosso tipo de inteligencia, então estes dois fatores poderão explicar maravilhosamente bem o porque de algumas pessoas serem emocionalmente imaturas (mesmo não sendo de superdotados) e com uma inteligencia (quantitativa, por exemplo) acima da média  ou porque algumas pessoas de elevada inteligencia (quantitativa, novamente usando este tipo)  tal como a minha amiga, meus pais, praticamente todas as pessoas ”de” ”alto qi” que conheço, que de uma forma ou de outra, não são capazes de compreender holisticamente o mundo a sua volta, ou seja, a inteligencia em sua manifestação mais pura e objetiva.

A partir disso, voltamos as ”minhas” ideias de castas cognitivas e de múltiplas inteligencias (que na verdade já é uma ideia antiga, que estou tentando dar uma nova função).  O tipo de desenvolvimento cognitivo global, pode ser um excelente meio para analisar a personalidade humana e sua relação e influencia recíproca com a inteligencia. E este processo que em sua grande maioria será assíncrono, resultará na diversidade cognitiva natural da espécie humana, especialmente porque se dará mais a nível individual do que coletivo.

Durante e depois (finalização) do processo de assincronicidade no desenvolvimento cognitivo global, isto é, emocional e cognitivo,  os seres humanos devido as diferenças individuais e de grupo, apresentarão uma grande variedade de perfis cognitivos ”e” de personalidade, se a personalidade já não seria uma extensão de nossa inteligencia. E esta variedade produzirá todos os tipos de especializações cognitivas assim como também de grupos ideológicos, culturais, etc…

Em conclusão, o desenvolvimento assíncrono das faculdades cognitivas globais, não se reduz demograficamente apenas aos superdotados, mas a todos os seres humanos. O término deste período de maior plasticidade cerebral, resultará no assentamento do processo de desenvolvimento assíncrono, onde certos atributos mentais se encontrarão mais desenvolvidos do que outros.

Isso explicaria os diferentes níveis de inteligencia, quantitativa ou qi e qualitativa, técnica ou intelectual, assim como também as características qualitativas, que se diferenciam a nível individual. No contexto político de hoje, onde existe uma clara tendencia para a antagonização de dois grupos, os conservadores e os liberais (linguajar americano) ou esquerdistas, a explicação que eu achei ser a mais condizente para com esta realidade, foi justamente a do desenvolvimento assíncrono, a nível individual, sub-grupo e coletivo, que pode ser demonstrado por meio das diferenças de configuração cerebral destes dois grupos, assim como também de outros, como a população de inconformistas dos mais diversos tipos.

A finalização deste período de maior plasticidade e  desenvolvimento ou maturação, alguns grupos estarão mais maduros em alguns aspectos e menos em outros, assim como também poderão estar mais uniformes quanto esta particularidade.

Quanto a conservadores, capitalistas, sexual e culturalmente tradicionais, e os esquerdistas, dizem ser ”socialistas” (ou seria melhor, comunistas ou oligárquico-coletivistas inconscientes), sexual e culturalmente antagonicos ao modelo tradicional conservador, ambos apresentarão claras diferenças quanto ao desenvolvimento assíncrono bem como pelo produto final, onde os ”esquerdistas” tenderão a amadurecer mais em termos cognitivos puros (supostamente) mas menos em termos emocionais enquanto que os conservadores caminharão para o exato oposto. Isso explicaria a alta incidencia de tecnicamente inteligentes entre os esquerdistas (os esquerdopatas), bem como, os famoso casos de ”filósfos”, que podem redigir textos de alta complexidade mas que falam nada com nada ou dizem bobagens. Pode entender cálculo, mas não entende porque o vizinho age de uma maneira perigosa.

E o mais completamente amadurecido em relação aos outros, especialmente mediante a ideia de interação harmoniosa entre a personalidade e a inteligencia, uma nova forma de denominar a sabedoria, seria justamente do mais sábio.

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

renanbarreto88

Just another WordPress.com site

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pshelinha

Um pouco de mim..

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.