Inconsciência , inteligência e domesticação . . . super-especificação de funções, alienação e desfragmentação individual da consciência

Minha mente é prática e simples, e a tua?? 😉

 

Inconsciência e inteligência

 

Dentro da psicologia moderna, pouco se fala sobre consciência e inconsciência enquanto propriedades intelectuais, relevantes (que são de natureza filosófica). Despreza-se categoricamente o poder que a filosofia prática, utilitária e real pode ter na vida das nações. Isso é especial em nações mecanicistas como os EUA.

A inconsciência como um atributo cognitivo, baseia-se na incapacidade de autoconhecimento pleno assim como também de enxergar a realidade, tal como ela é.

Pessoas de todas as faixas de qi podem e geralmente apresentam este déficit grave de consciência.

A autoconsciência elevada e por conseguinte a capacidade de ver a realidade, é uma característica VISCERAL da genialidade e provavelmente o ”maior divisor de águas” dos gênios em relação aos criativos não-geniais e aos demais tipos não-geniais. E se relaciona com as personalidades extremas, que provocam conflitos internos.

As pessoas ”inteligentes”, isto quer dizer, aquelas com qi alto e que executam melhor as funções mecânico-utilitárias-contextuais, que fazem e acreditam em coisas estúpidas são um exemplo, primeiro, da maior complexidade da inteligência e segundo, da distribuição desigual de consciência e autoconsciência dentro das faixas de qi.

A inconsciência se relaciona claramente com estupidez. A autoconsciência é autonomia mental individual onde pode-se melhorar por conta própria. Em um exemplo hipotético e provavelmente incomum, raro ou quase improvável de acontecer, uma pessoa com qi na faixa dos 80, se tivesse extrema autoconsciência,  poderia adaptar-se da melhor maneira possível ao ambiente. Neste caso, vemos que os fatores ambientais, que nada mais são do que interações genéticas indiretas, podem  ter consequências POSITIVAS ou NEGATIVAS.

No entanto, existem diferenças visto que apesar do excelente padrão de vida que leste-asiáticos e ashkenazim conseguiram atingir nos EUA, isto não é um indicador de que as duas populações, em média, tenham maior autoconsciência. A nível comparativo, talvez isso possa ser possível, em relação às outras populações. No entanto, pode-se dizer que ambos são bons para atender às demandas contextuais da sociedade americana, melhor que as outras populações e com agravantes para os judeus, como nepotismo étnico e portanto agravante de déficit de consciência.

É fácil ter sucesso quando todo o sistema está conspirando para te selecionar. A educação, que é o acúmulo desapaixonado de determinado conjunto de conhecimento intelectual ou técnico, visando à execução de tarefas repetitivas, mecânicas, simples ou complexas. Se sua mente está bem adaptada a estas demandas, então não haverá problemas para que possa construir uma vida econômica sem atropelos.

No entanto, isso é contextualidade. Em uma sociedade de sábios e pensadores, onde valoriza-se mais o intelecto e autonomia mental do que a inteligência mecânica, estas pessoas se encontrariam em desvantagem. É simples assim.

 

Inconsciência, domesticação e super-especialização de funções

As raças de cachorros tem diferentes habilidades e diferentes mentes. Suas especializações são muito específicas e isto reverbera em todo o resto. Se você é muito especializado em física, pode perder todo o resto. Tudo é como um pêndulo.

Engana-se quem pensa que todo super-especialista é um gênio. PODE SER, mas na maioria das vezes, ele só será alguém com grande acúmulo de conhecimento específico, que saberá citá-lo em qualquer conversa mas que não saberá manipulá-lo. A grande capacidade de memorização, pode ter um efeito contrário para a capacidade de manipulação de ideias, conceitos… em outras palavras, de criatividade.

Eu também já comentei que as mentes criativas costumam ter memórias pouco usuais, em que apreende-se uma grande quantidade de pedaços relevantes de informações distintas, mas sem este apreço ao detalhismo, que convenhamos, pode ser inútil para construir novas ideias. Quase sempre, toda ideia nova estará cheia de erros.

A domesticação, acontece em partes, quando processos seletivos produzem mentes desfragmentadas, que são super-especializadas em algumas funções. Este é o caminho para fragmentar a consciência e para produzir dogmatismo.

Entende-se dentro da neurociência que a maioria dos seres humanos tem cérebros assimétricos E QUE isto é o normal. No entanto, parece claro que quando a sua mente é muito voltada para um lado, ela fará o impossível para favorecer o seu lado como a verdade. Vejam esquerdistas e conservadores.

A assimetria cerebral me parece ser o resultado da domesticação, que quando selecionamos pessoas com mentes desfragmentadas, estamos retirando o seu instinto.

O aparecimento destas mutações e o seu favorecimento para a reprodução, é um fator importante para produzir civilização.

Mas como eu tenho sugerido algumas vezes, o indivíduo paga um preço alto para suportar e construir civilização.

A civilização substitui nossa vontade individual pela vontade coletiva, produzindo um super-organismo consciente, consciente de nossas vontades, que são fragmentadas e multiplicadas aos milhões.

Nos tornamos fracos quando passamos a depender uns dos outros. E nossas mentes vão se tornando pequenas, a cada avanço da civilização. O equilíbrio, dependência humanidade versus civilização é quebrado quando a primeira torna-se tão fraca que passa a depender completamente da civilização e a partir disso, o super-organismo passa a escravizar e a engolir a todos.

O dogmatismo que é praticamente um substantivo para alienação, produz ”realidades alternativas”, que são a representação de mentes incompletas, que são a maioria em populações domesticadas.

A maioria das pessoas não são capazes de ver a ”imagem maior”, porque suas mentes são hereditariamente capazes de ver apenas metade da imagem.

A autoconsciência pode se dar tanto a nível de extremo reconhecimento do seu eu, quanto pelo conflito interno em relação ao mesmo, mas que muitas vezes, será um resultado do próprio conflito exterior, entre o seu ego forte e o ego coletivo, que é um acúmulo de egos fracos.

O ser humano atávico, provavelmente anterior ao ser humano ”civilizado”, é especial porque combina o que há de essencial na identidade humana, o erro, o conflito, que ascende a luz da consciência e o instinto animal, que é inconscientemente autoconsciente, aka, instintivo.

 

PARADOXO,  mentes geniais são simples e veem o mundo de maneira simples, hipótese

 

As melhores e mais fantásticas ideias são simples, porque geralmente são produzidas por observações simples, que a maioria das pessoas não são capazes de fazer. Basta ver a realidade para encontrar padrões sistêmicos de harmonia ou desarmonia. Mas as mentes dogmáticas não são capazes de fazer isso, porque exige autonomia.

Acostumamos a ver estudos que mostram as mentes geniais como muito complexas, mas será que são mesmo??

Se são capazes de ver a essencialidade de tudo, que é reconhecido como um ”insight” de gênio, então será que o que acreditamos ser complexidade, na verdade, é simplicidade??

O que eu vejo. A maioria das pessoas capturam, socializam e passam a suportar uma ideia. Mas quando alguém tem uma ideia INVERTIDA ou oposta, dependendo de que maneira ela foi construída, algumas pessoas, mais inteligentes, poderão entender esta ideia como ”de gênio”. Mas percebam a simplicidade. A ideia ”de gênio” é apenas a inversão da ideia anterior.

Quando vemos mais convoluções em cérebros dos mais inteligentes, imaginamos que isso representa fisiologicamente suas personalidades e intelectos complexos. Mas acreditar em dogmas que mascaram a realidade é que é complexo. Ver a realidade é simples. Mais convoluções podem indicar, ao invés de complexidade, simplicidade.

Se o gênio é atávico, como anunciou Lombroso e se o humano domesticado é o homem moderno,

Se o homem civilizado comum e dogmático tem menos convoluções e se o gênio tem mais.

Do caos se faz a organização, a quantidade é anterior à ”qualidade”, que neste caso, se relaciona com a construção de civilização ou sociedades complexas. A qualidade para atender às demandas civilizacionais, a super-especificação e a super-diversificação de funções por meio da construção de nichos ocupacionais que vão ser ocupados por mentes distintas.

Mais convoluções podem provocar a erupção de desordens emocionais, psíquicas e cognitivas.

A ideia de que o homem pré-histórico era muito mais inteligente que o homem moderno começa a fazer cada vez mais sentido pra mim.

Mais convoluções, chances de mais erros = + transtornos de personalidade. Apenas uma característica fisiológica do cérebro, pode nos mostrar que talvez, sejam as mentes simples, que não veem curvas em retas, onde os insights tem mais chances de serem produzidos.

 

 

 

Anúncios

About santoculto

Email ataudecinzento@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

renanbarreto88

Just another WordPress.com site

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pshelinha

Um pouco de mim..

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

%d blogueiros gostam disto: