”Negro lover” e o ”Gay lover”

 

Em um mundo politicamente correto, como é o de hoje, é necessário se
fazer algumas escolhas seguindo a tendência de múltiplas divisões
culturais e psicológicas que se segue no Ocidente. A fragmentação dos
ideais, das ideias, das ideologias e dos amores naturais é a realidade
no mundo moderno e no post-moderno desde os anos 50, é uma exacerbação
da natureza individualista do homem europeu ao extremo. O início da
atomização das sociedades humanas** Um novo experimento cultural onde
as massas serão subdivididas em subgrupos e cada vez mais em
indivíduos? Não se sabe de fato se o mundo em que estamos vivendo e
que nossos filhos viverão será baseado nas mais sinceras boas
intenções. No entanto, o que parece interessante constatar é que para
o bem ou para o mal, uma série de detalhes interessantes sobre nossas
personalidades estão a ser desvendadas mediante todos os micro
conflitos culturais que vivenciamos a cada dia.
Um caso para ser notado de dicotomia psico-cultural baseia-se em algo
que parece tão trivial que beira ao ridículo, em primeira instância.
De qual animal doméstico você mais gosta, gatos ou cachorros??
Pois parece que preferir um animal a outro pode dizer algo de profundo
sobre a sua personalidade. Gatos e cachorros não se comportam de
maneira igual e na verdade, a diferença entre eles é tanta que
costumamos considerá-los como duas espécies comportamentais distintas.
O gato é independente, tem uma personalidade quieta, soberba e
indiferente, para a maioria dos seres humanos o gato é interesseiro e
sempre quando busca carinho é porque tem algo em mente. Já o cachorro
é o exato oposto. O cachorro doméstico é dependente, carinhoso, tende
a ter uma personalidade amigável, afável. O cachorro é amado pela
maior parte dos seres humanos, além dos traços desejáveis de
personalidade, mas também porque é mais facilmente controlado. Já o
gato, desperta sentimentos extremados, de amor e ódio entre a
coletividade. No entanto, existem aqueles que preferem ter gatos do
que cachorros para criar.

 

No mundo politicamente correto de hoje, você também ”deve” escolher
com qual minoria super protegida você mais combina, gays ou negros??
Assim como gatos e cachorros, estes dois grupos aparecem como
competidores que lutam pela nossa atenção, pena ou amor. E eles não
fazem isso somente porque assim desejaram mas porque a máquina de
propaganda liberal ou esquerdista, nos empurra os dois grupos por meio
da mídia de massa para que possamos torcer por aquele que mais nos
apetece.
Assim como acontece com nossos animais domésticos de estimação, as
minorias do politicamente correto mais conhecidas e especialmente, as
mais expostas, se diferem consideravelmente. Os gays tendem a ser mais
amigáveis, afáveis e carinhosos. Claro que isso não significa que
todos serão assim, mas esta parece ser a regra de comportamento.
Homens com qualidades femininas de comportamento.
Já os negros se caracterizam exatamente pelo contrário, claro, com as
muitas exceções comportamentais, mas a maioria ou ao menos a parte
mais economicamente vulnerável e mais exposta pela mídia, se
caracteriza por ter uma personalidade forte, narcisista, combativa e
violenta. Os negros são a raça mais masculinizada da espécie humana e
por isso boa parte de seus traços foram selecionados visando
exatamente os rituais masculinos de comportamento como a competição.
Gays são muito mais comportamentalmente diversos do que os negros e
especialmente os homens negros, assim como também são mais
cognitivamente variáveis. Além destas diferenças estatísticas, também
deve-se se levar em conta a natureza complexa que se configura a opção
sexual em comparação à entidade biológica, que se configuram as raças
humanas.

Vc é um ”gay lover” ou um ”negro lover”???

Assim como vários estudos tem encontrado diferenças de personalidade
entre as pessoas que preferem gatos ou cachorros, é muito provável que
o mesmo possa ser encontrado entre as pessoas que preferem negros a
gays, visto que partindo da ideia de que assim como no caso dos
animais domésticos, as modernas minorias super expostas do mundo
moderno são como extremos dentro de uma linha espectral de variação
comportamental, então é de se esperar que as preferências exclusivas,
reverberem de maneira significativa em seus perfis de personalidade.

Gay ”lover”

É interessante notar que muitos grupos extremistas da direita e
especialmente os tipos mais inteligentes, geralmente de ateus ou
”bárbaros modernos”, tendem a ser ”gay lovers” e por sua vez,
tendem a ser extremamente racistas em relação aos negros. A escolha
pelo gay e não do negro mostra uma série de preferências pessoais e de
pressupostos ideológicos e estratégicos. Um conhecimento mais profundo
de psicologia, psicologia evolutiva, maior conhecimento de estudos de
gênios europeus, convívio com mais gays, pragmatismo, visto que os
preferidos geralmente não procriam, mais senso de justiça real (e não
idealizada) visto que mais gays deram mais contribuições à civilização
do que negros (em uma escala praticamente incomparável), renda per
capita mais alta… A personalidade do gay lover é oposta a do negro
lover, onde eles tendem a serem mais introvertidos, mais
intelectualmente direcionados (alta cultura especialmente), muitos são
conservadores, mas boa parte do grupo tenderá a ser composta por tipos
mais inteligentes de politicamente independentes, libertários ou
”conservadores” brancos nacionalistas, justamente por causa da
obviedade sobre a ameaça demográfica nula que os gays representam,
independente se terminam por funcionar como vetores de dsts, o mais
importante para o ”gay lover” é que os homossexuais praticamente não
procriam. O pragmatismo deste tipo se alia ao fato de que o negro
especialmente nas acolhedoras e generosas sociedades ocidentais
modernas, estão a procriar muito mais do que deveriam e isso
representa em pouquíssimas gerações uma grave ameaça para o bem estar
local bem como para a própria existência das comunidades brancas.

 

O ”Negro lover”

Uma boa parte dos ”negro lovers” são de liberais, inclusive muitos
gays (apesar de neste caso, a situação seja ainda mais complexa, visto
que parece que muitos gays liberais são publicamente anti-racistas,
mas só publicamente). Mas ainda será possível encontrar negro lovers
entre conservadores, especialmente aqueles que são mais religiosos,
proto-igualitaristas e de mais baixa inteligência. Dentro dos negro
lovers conservadores, também encontraremos alguns tipos mais
inteligentes, que são essencialmente masculinos, do tipo clássico, que
detestam outliers. Observa-se que o atleta conservador masculino,
tende a ter muito mais em comum com outros atletas, de qualquer raça,
de igual natureza do que em comparação aos geeks, nerds e outros
weirds. Vê-se claramente que existe um espectro de ”estranhos” e
”normais”, onde os tipos ”normais” (e geralmente os mantenedores
do sistema) tendem a se acumularem mesmo que exibam divergências, nos
mesmos extremos de preferências.
O negro lover tende obviamente a ser anti-racista mas também tende a
ser do tipo que acredita na ”justiça idealizada”, amplamente
propagada pelos meios de desinformação da modernidade. Este tipo de
”justiça” não se baseia em observar de maneira pragmática o mundo ao
redor, como funcionam os padrões, mas em uma análise artificial e
culturalmente fabricada do mesmo. Pessoas extrovertidas tendem a ter
este tipo de ”justiça” especialmente porque como costumam ser mais
carismáticas e a terem mais ”amigos”, elas precisam se utilizar de
estratégias diplomáticas que busquem evitar qualquer tipo de análise
mais profunda de indivíduos e grupos. Negros também tendem a serem
mais extrovertidos (provavelmente a raça mais extrovertida) e isso
ajuda a explicar o porquê de muitos liberais e conservadores da linha
igualitarista e anti-racista (o liberal clássico e o conservador
marxistizado) terem mais preferências pelo grupo do que pelos gays. A
masculinidade dos tipos clássicos de conservadores também explica a
aversão ao gay bem como uma certa indiferença ao negro. O negro,
porcamente um mantenedor do sistema, também funciona como um aliado
enquanto que os gays estão sobre representados na ala criativa das
sociedades humanas.

Aspies e esquizóides versus ”normais”

 

Os introvertidos gay lovers, racistas, inteligentes e intelectualmente
orientados, parecem ter maiores traços aspies e ou esquizóides. A
preferência pelo gay em comparação ao negro, sugere também uma
preferência pelo ”estranho” em comparação ao ”normal”, bem porque
os negros, afora a desproporcional disfunção coletiva que representam,
tendem a agir de maneira normal, dentro dos padrões mais básicos de
convívio, ao menos de indivíduo a indivíduo. O mais interessante é que
os ”anti-racistas” adoram a raça que é justamente, a mais racista,
xenofóbica, misógina e homofóbica do mundo. Como diz aquele ditado,
”Deus não dá asa à cobra”, excelente que os negros estejam como um
grupo, em uma escala evolutiva muito mais baixa do que os brancos, ao
menos teoricamente falando, porque na prática, ser a raça mais
avançada não parece ter muitos benefícios.
Ser tolerante com o ”estranho” é um forte preditor sobre ao menos,
ser naturalmente aberto à criatividade. Muitos liberais clássicos são
assim e na verdade uma boa parte deles parecem ser visto que a
abertura para a experiência parece se relacionar justamente a uma das
essencialidades do ”ser liberal moderno e urbano”. Justamente por
serem tão abertos e tolerantes a qualquer estranheza, não é de se
estranhar que também sejam abertos ao convívio, ao menos aparente e
verbalmente enfatizado, com tipos discrepantes como os negros. Mas no
caso dos liberais negro lovers, nota-se algumas especificidades
interessantes, ainda difíceis de serem analisadas solidamente. A
primeira é que, se eles desprezam os gays em comparação aos negros, a
estratégia de escolher um grupo para torcer e levantar bandeira, então
os negro lovers parecem ter algumas semelhanças com os gay lovers
quanto a rejeição quase total em relação ao grupo não escolhido. Os
”liberais” negro lovers tendem a apresentar semelhanças com certos
grupos da raça negra e especificamente dos homens negros e qualquer
semelhança com esta raça, significa no mínimo estar dentro do espectro
da psicopatia ou da sociopatia. Dentro do grupo dos negro lovers,
muitos anti-racistas apaixonados, na verdade, são muito menos
”anti-racistas” do que desejam aparentar.

Quem é melhor

Na minha opinião, mediante a natureza demográfica expansiva e
totalmente disfuncional da raça negra, da qual eu posso ver a olho nu
em meu país, é evidente que é muito mais importante lidar com a
”questão negra” do que com a ”questão homossexual”, especialmente
porque o segundo grupo praticamente não se reproduz. Terceiro, que eu
tenho muito mais em comum com homossexuais do que com negros, o apreço
de uma parte destes com a alta cultura, a boa convivência, a
tolerância (interna, diga-se) com a estranheza e a intelectualidade
exacerbada. Mesmo que alguns destes traços não estejam presentes na
maioria dos homossexuais, eles são representativos do oposto que os
negros enfatizam e preferem e no final das contas, uma boa parte dos
tipos altamente criativos e inteligentes são sexualmente desviantes,
seja para a assexualidade, seja para o próprio homossexualismo, seja
para qualquer outro comportamento bio-condicionado minoritário.
A maior parte dos negros ainda estão na inanição da complexidade
cultural e mental e portanto irão enfatizar religião e comportamentos
normativos como mais fundamentalmente importantes do que a tolerância
e a prática de comportamentos que expressam não-conformidade e
produção cultural personalizada. Um número bem mais importante de
liberais, inclusive os tipos clássicos, são assim, mas eles tendem a
ser uma manifestação coletiva extrema, onde a tolerância a tudo,
indica extrema fragilidade especialmente com os psicopáticos
afrodescendentes de baixo funcionamento, que são ágeis em imitar
empatia e carisma com ”causas” que não são as deles, mas em sua
maioria, o fazem somente porque é conveniente. Se a conveniência é a
alma da socialização e do conformismo cultural (e inimiga número 1 da
criatividade) é de se esperar que boa parte dos negros persigam as
mesmas conveniências artificiais de maneira muito mais concisa do que
outras populações, bem mais funcionais, visto que a felicidade do
negro médio é o materialismo, o sexo poligâmico e geralmente
normativo, dentre outras pequenezas da alma humana. A felicidade é
aquilo que se persegue e a maior parte dos negros perseguem a
finalidade que a normalidade proporciona, segurança financeira e
social, os negros só não buscam e não conseguem exercer os meios para
conseguir o que procuram.
Os homossexuais estão dentro do grupo dos outliers, as populações
comportamentalmente ( e biologicamente) minoritárias que buscam a
felicidade, muitas vezes mediante o pensamento e análises profundos. A
intelectualidade está presente para uma população desproporcional de
homossexuais em comparação à população não- homossexual, bem como
acontece com vários outros tipos. A consciência de diferença resulta
no conflito, na inconformidade, na busca pelo grupo minoritário e
muitas vezes na construção da própria personalidade. O negro, quando
não rejeita o sistema, emulando os outliers, estão quase sempre em
busca da aprovação e também da normatização de si próprios. A
transcendência das populações negras em contato com civilizações
avançadas é a normalidade, que não conseguem atingir, pelo menos uma
boa parte, enquanto que os outliers desejam a rejeição completa da
mesma. Um tipo pseudo criativo e em busca da normalidade versus um
tipo genuinamente criativo e contrário a ela.
A existência destes dois tipos modernos de seres culturais, o gay e o
negro lovers, nos mostra diferentes estratégias, diferentes mentes e
diferentes ênfases de vida.
Voltando à minha análise pessoal, eu continuo acreditando que os gay
lovers são melhores em qualidade de pensamento do que os negro lovers
porque negar a enorme disfuncionalidade preta e de natureza expansiva
é uma maneira extremamente estúpida de pensar. Mas a disfuncionalidade
homossexual, ainda que tenha o seu grau de ameaça, é muito menor
porque a natureza suicida especialmente mediante o comportamento
sexual impulsivo dos homossexuais funciona como uma implosão de sua
biologia cultural. Como resultado, os gays são muito menos ameaçadores
que os negros em curto e longo prazo. Em curto prazo, se precaver de
escolher pessoas menos sexualmente impulsivos, o uso de camisinha ou
qualquer outra prática que busque assegurar a sua saúde sexual, já é
suficiente para controlar a disfuncionalidade sexual do homossexual
típico. A longo prazo, muitos homossexuais morrerão seja por suicídio
seja pela contaminação de sucessivas doenças sexualmente
transmissíveis, além de levarmos em conta a sua patética fecundidade,
baixíssima.
O caso negro é incomparavelmente mais grave e urgente. Os negros se
reproduzem muito mais e mais rapidamente do que a maior parte das
raças humanas atualmente e levando-se em conta de que não são capazes
de sustentarem qualquer sociedade por conta própria, partem como aves
de rapina para outras sociedades, saindo de suas próprias, causando a
redução significativa da funcionalidade e harmonia nas mesmas como tem
sido observado em escala mundial. A força homossexual, mediante a
tendência de grupo (claro, com exceções) de evitar o comportamento
sexual imprudente, é de natureza implosiva e destrói a si mesma
enquanto que a natureza disfuncional do negro além de muito mais
variável (sexual, comportamental, cognitiva) também se transforma em
uma força expansiva, que tende a se expandir, corroendo nossa
segurança e bem estar, não somente a curto prazo, idade de uma geração
sair da infância e entrar na adolescência, como a longo prazo,
destruindo qualquer civilidade possível (sempre, exaltando as
exceções, elas são valiosas e uma parte muito importante que deve
sempre ser enfatizada).

Não há o que se discutir aqui, isso sem levar em conta que as
picuinhas sobre os homossexuais que são diariamente noticiadas pela
mídia, parecem servir como distrações para o que realmente importa, as
questões cognitivas e raciais.

Anúncios

About santoculto

Email ataudecinzento@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De:RefémdoDrDeus Para:Deprimente mundo Assunto:Denúncia de maus-tratos a pensadores

...e Deus criou a Ângela,desapontado com a nossa Eva.Apresento-vos o meu "disco rígido" ...

renanbarreto88

Just another WordPress.com site

Castro456's Blog

O medo do nada

Delusions of Adequacy

And You Thought You Might Have Had Delusions of Grandeur

PARTO DE IDÉIAS

"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância." Sócrates.

Pshelinha

Um pouco de mim..

Pensar Novo

"Saber que você precisa mudar não é suficiente. Você precisa ter a coragem de fazer esta mudança." Robert Kyosaki

Mind Hacks

Neuroscience and psychology news and views.

Inside Perspectives

of Asperger Syndrome and the Neurodiversity Spectrum

Agoraphobia Subliminal Hypnosis

Come out of the woods, the dark, come into the light. As a recovered agoraphobic, I've designed these audios over many years in order to help you. Charles K. Bunch, Ph.D.

Antimidia

Textos sem sentido, para leituras sem atenção, direcionados às pessoas sem nada para fazer.

%d blogueiros gostam disto: